Avançar para o conteúdo principal

#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à fava com uma grande dose da antipatia que me caracterizava. Mandei-o à fava forte e feio e nunca mais lhe dirigi palavra. Claro que ele ficou todo ofendido, mas, temos pena, antes ficar ele a amarrar o burro do que eu ter de engolir tamanha estupidez. Ponto final na proposta descabida.
Conto esta história porque reflecte um pouco a forma como algumas pessoas não reagem quando são assediadas e porque esta conversa de assédios, às vezes, me irrita um pouco.
Já contei aqui que também fui assediada na rua com direito a piropos porcos e tudo. (Podem procurar, há-de estar por aí). Ou porque ia de mini-saia, ou porque simplesmente ia a passar na rua.
Tenho alguma alergia a situações que ponham em causa a minha privacidade e a liberdade de andar na rua sem que me deitem olhares raio-x ou me digam porcarias. Felizmente hoje isso acontece muito menos vezes.
Talvez por causa desta alergia, prefira sempre ser antipática a ter de aguentar situações de assédio por mais de cinco minutos. Este meu lado antipático foi-me muito útil sempre que precisei de cortar o mal pela raiz. E consegui sempre cortá-lo pela raiz com bastante facilidade. Desde mostrar-lhes como tenho um dedo médio giro quando o estico, até chamar-lhes nomes ou simplesmente os rebaixar ao nível do chão por me atacarem com frases de merda, já fui antipática de todas as maneiras e feitios. Podem crer. Restaram-me alguns traumas que vou tentando resolver ao longo dos anos... Já sou menos antipática e já desenvolvi anticorpos para combater esses agentes patogénicos. 
Por tudo isto, faz-me uma certa confusão o movimento #metoo que vem trazer a público tantas situações de assédio (muitas delas profissionais) que aconteceram há tantos anos, e algumas de forma continuada, que de alguma maneira foram permitidas pelas pessoas assediadas. Atenção que quando falo em assédio, não falo em violação, que não é, de todo, a mesma coisa! Não confundam, por favor!

Porque (#metoo) eu também já vi muita coisa com o radar do qual ando provida, vi muitos frirtezinhos que acabaram por se tornar em assédio porque a parte assediada em vez de cortar a cena, foi alimentando o jogo do gato e do rato em seu proveito.
(E agora venham daí aquelas pessoas que acham que as mulheres são sempre vítimas dos homens e que estão sempre inocentes ou são apenas distraídas, que eu estou pronta para as enfrentar).
É que, por mais que possa chocar algumas pessoas mais sensíveis, há assediados(as) que vão entrando no jogo para ir ganhando louros, pontos ou euros. Trocando por miúdos: há quem faça render em seu proveito o facto de ir alimentando a esperança do outro em ir para a cama com ele(a). Alimentam essa esperança às vezes até ao limite e, quando querem sair da cena, é tarde demais, porque o(a) outro(a) está convencido(a) que a caça faz parte do jogo, ou porque o "toca e foge" é charme e não verdade.
Longe de mim desculpar assediadores. Não é disso que aqui se trata, até porque eu já fui tão dura com eles que acho que seria das últimas pessoas a desculpá-los. Mas a verdade é que muitas vezes este jogo é jogado a dois e as situações agravam-se porque não se travam no momento certo e se deixam arrastar ao ponto de se perder o controlo. E quando se perde o controlo é muito mais difícil de o retomar e de pôr fim àquilo que não se quer continuar.
Sem querer atacar, ou culpar, as pessoas assediadas no geral, sei de algumas que se aproveitam do sex appeal para subirem na carreira profissional, ou apenas para verem o seu ego ser lambido, à custa destes jogos de sedução, muitas vezes perigosos para si próprias, e depois vêm chorar sobre leite derramado.
Desculpem lá qualquer coisinha, mas, nestes casos, não consigo vê-las como vítimas, a não ser de si próprias.

Mensagens populares deste blogue

O meu pai

Lembro-me de, aos 15 anos, ter amigos com pais com idades entre os 50/60 anos. Olhava para eles e pensava "fogo, os pais deles são tão velhos".
O meu pai tinha 36 anos quando eu tinha 15 e os dos meus amigos tinham idades próximas da dele agora. O meu pai descobriu esta coisa da parentalidade aos 21. Quando fiz 21, ele só tinha 41, quase 42.

Hoje, faz 62 anos e sou eu que tenho 41. A diferença de idades continua a mesma, mas sinto-me mais próxima dele. Mais próxima em idade e mais próxima fisicamente.

Somos diferentes e ao mesmo tempo iguais. Discutimos que nos fartamos, porque adoramos uma boa discussão. Um diz preto e o outro diz branco. Raramente, chegamos ao cinzento, porque somos igualmente casmurros.

O meu pai esteve longe muito tempo. Tempo demais. Até nas razões do que nos distanciou discordamos. Porém, concordamos que devíamos ter estado sempre mais perto.

Em pequena, era incapaz de lhe perdoar a distância. Aceitava-a simplesmente, mas com uma mágoa maior do que eu.

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…

Método científico

A propósito do vídeo abaixo que vi no Facebook, lembrei-me de vos contar duas ou três situações que aconteceram comigo na minha última ida ao Amoreiras, relacionadas com o nível de educação a que lá costumo assistir.


Antes, faço uma pequena introdução para que melhor entendam onde quero chegar.
Costumo ir ao cinema a centros comerciais, pois, além de já quase não haver cinemas só cinemas, vou atrás do filme que me apetece ver e, por isso, não tenho um sítio fixo e ando quase aleatoriamente por esses antros de consumo, Lisboa fora, no encalço do lugar mais barato para ver determinado filme. Restam-me, por vezes, locais não tão baratos, mas que são os únicos onde o filme passa ou são os que têm o horário que me dá mais jeito.


No domingo passado, calhou ir ao Amoreiras. Já lá tínhamos ido noutras ocasiões e, confesso-vos, não é um dos locais que goste especialmente de ir ou estar. Aquilo é muito mal frequentado. Dá a ideia que é um local que atrai gente mal educada...
Quem conhece este centr…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…