Avançar para o conteúdo principal

Marcadores #6

          - A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar.
Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.
            Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continha as cartas. Ana dirigiu-se-lhe e trouxe-a para junto da mãe. Pousou-lha no colo com a delicadeza com que se senta uma criança pequena.
- Que esteve Gabrielle a fazer na Alemanha? – quis saber Ana.
- Esteve a trabalhar numa coudelaria de cavalos Hanoverianos em Verden.
- O que é que ela faz? É cavaleira?
- Sim, é uma óptima cavaleira, das melhores que já vi. Conheci Gabrielle na escola de equitação, quando ainda sonhava fazer dos cavalos a minha vida.
Ana sabia que a mãe, em tempos, andou pelo mundo dos cavalos, mas conhecia poucas pessoas desse período. Nunca tinha ouvido falar de Gabrielle e sentia-se estranha por isso. Não que tivesse de saber tudo sobre Cármen, mas Gabrielle parecia ser alguém importante para a mãe, já que esta fazia tanta questão que Ana a defendesse. Sentia-se um pouco ofendida por a mãe ainda não lhe ter contado nada sobre esta amiga.
- Se ela é inocente, por que a prenderam? – perguntou.
- Porque é a principal suspeita. Não sei por que motivo, mas é. Terás de consultar o processo. Só sei o que li nos jornais, que não é muito, nem de fiar.
Ana sentia-se perdida. Um homicídio em que a principal suspeita era a amiga da mãe que ela devia defender? Seria um caso difícil tanto pela gravidade do crime em causa, quanto pela proximidade familiar entre a arguida e a vítima.
Passeou o olhar pelo quarto como que à procura das respostas às imensas dúvidas que a assaltavam. Esperava vê-las escritas nas paredes e, como estas não se encontravam por ali, acabou por estacionar os olhos no livro que a mãe tinha na mesinha-de-cabeceira. Crimes Exemplares de Max Aub. Estava ali desde que Cármen caíra na cama, com o marcador de livros que Ana lhe tinha trazido de Amesterdão a marcar sempre a mesma página. Cármen não o lera mais desde que as dores nos ossos começaram a ser tão insuportáveis que o peso de um livro se poderiam assemelhar a carregar uma montanha nos braços. A capacidade de ler era das coisas que mais lhe custara perder para a doença. Ler e sair à rua sozinha.
Uma vez Ana sugeriu a medo ler para Cármen, mas a mãe nem a deixou acabar a frase. As incapacidades quando verbalizadas causavam-lhe maior sofrimento, pelo que Cármen as evitava a todo o custo impedindo os outros de sequer falarem delas. Ter sido sempre uma mulher de rua, de ar, de sol, de chuva, de nuvens, de terra, de árvores e flores, de animais, de livros e de muitas coisas para fazer. contribuía para esta necessidade de distanciamento daquilo que a doença já não a deixava fazer. Tomar consciência de que não era capaz de alguma tarefa, por mais corriqueira que fosse, corroía-lhe o amor-próprio.
Cármen, apesar de ser uma mulher dos livros e quase citadina, também era uma mulher do campo e dos cavalos. Dos cavalos que nunca tinham saído completamente da sua vida. Tinha fotos dos animais espalhadas pela casa. Tinha arreios, suadouros, polainas e esporins guardados num armário. Tudo ainda com cheiro a cavalo. Ana lembrava-se de ver a mãe, com as portas do armário escancaradas, a inspirar o cheiro a cabedal e suor de cavalo dos arreios. Nesses momentos, via que um sentimento de felicidade a espreitava, pela forma como abria as narinas para deixar que o ar, inundado pelo cheiro cavalar, lhe entrasse até aos pulmões, até estes mesmos pulmões que agora reclamavam a mais pequena brisa que Cármen tentasse inspirar.
Desviou o olhar do livro para a mãe. Cármen já dormia. Tirou-lhe a caixa das cartas da mão, puxou o lençol e o edredão para cima, aconchegou-a e beijou-lhe a face. 
Foi à cozinha descongelar o jantar. Tirou o tupperware do congelador e enfiou-o no microondas. Enquanto não o ouviu apitar, arranjou o tabuleiro com o prato, o copo, o guardanapo e os talheres.
Plim!
     Abriu a porta do microondas e entornou a comida no prato, colocando-o de seguida no frigorífico. Pousou o tabuleiro arranjado na bancada mais perto do frigorífico. Voltou ao quarto para espreitar a mãe que continuava a dormir, pegou na caixa das cartas que enfiou dentro da mala e saiu em bicos dos pés.

(continua)

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…

Voo da Paixão

Voámos alto, em noites gélidas que tornámos escaldantes. Voámos tão alto, que pude ver as estrelas e a Lua.
Mas o voo não é interminável e temos que pousar. Pousar para reabastecer, pousar para descansar e para voltar a voar... de novo... uma vez mais...
Quantas vezes o fizemos? Quantas vezes precisaremos de o voltar a fazer?

Se a paixão nos faz voar, o amor faz-nos pousar.