Avançar para o conteúdo principal

O Pintas

Fotografia DAQUI

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.

Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.

O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a escola a acompanhar outros amigos.
(Quando o meu professor de equitação, que tinha uma carrinha de caixa aberta, nos dava boleia para a herdade, lá ia o Pintas connosco na carrinha.)

Durante o dia, torneava os cavalos enquanto os aparelhávamos ou os limpávamos, ou ia esperar alunos à porta da sala de aulas.
Ficava ao nosso lado, quieto e atento, quando nos deitávamos na palha em conversas de adolescentes, e deitava a cabeça no nosso colo para lhe catarmos as pulgas e para lhe matarmos as carraças.

Havia sempre alguém que lhe trazia restos do almoço ou do jantar da cantina da escola. Até que as senhoras que ali trabalhavam começaram a guardar comida para ele. Passou a ter sempre o almoço e o jantar assegurados e já sabia as horas a que devia comparecer à porta da cantina.

Quando nos queriam fazer mal, defendia-nos; quando lhe queriam fazer mal, defendiamo-lo.
O Pintas não tinha dono. Ele era o seu próprio dono. Era amizade o que nos unia ao cão e, penso, o que o unia a nós. Não havia qualquer sentimento de posse ou vontade de o sujeitar aos nossos desejos. Queríamo-lo livre para escolher com quem queria estar e ele parecia sentir-se muito bem e saber gerir essa liberdade.

À noite, vinha dormir à porta da minha casa.
A casa onde eu morava tinha um pequeno alpendre coberto e o Pintas achou que aquele lugar era o ideal para ser também a sua casa. Arranjei-lhe um tapete como cama para que não dormisse no cimento frio e, por volta das 21h/22h, lá chegava para pernoitar à minha porta.

De manhã, saía a correr para acompanhar o seu amigo preferido, um colega da minha turma, até à herdade.
Normalmente não me acompanhava. A minha função era de abrigo da noite. Cada um de nós preenchia uma parte da sua vida e era ele quem escolhia a função de cada um.
Havia noites em que ia dormir a casa de outros alunos ou que acompanhava amigos diferentes à escola. Os habituais ficavam na dúvida se lhe teria acontecido alguma coisa, mas depois conversávamos para o localizarmos e acabávamos por perceber que continuava vivo e por ali e que apenas tinha resolvido quebrar a rotina.

Na altura, eu ouvia muito Grant Lee Buffalo, que tem uma música em que se ouve um cão a ganir ao longe. Sempre que a ouvia ia à porta ver como estava o Pintas. Geralmente ou estava a dormir, ou ainda não tinha chegado...

Hoje, sempre que oiço Grant Lee Buffalo, lembro-me do Pintas. Ficou a banda sonora daquele cão livre e dono de si próprio. A música lembra-mo deitado à porta da minha casa, a dormir aconchegado no tapete às riscas que lhe arranjei.
É uma lembrança boa, porque traz consigo essa amizade pura e desinteressada entre pessoas e animais, em que um não serve o outro, mas em que o que os une é a vontade de estarem juntos.
O Pintas era isso: um cão que podia ser pessoa, mas que não era pessoa, e que ninguém queria transformar em pessoa. Era aceite como cão, respeitado como cão, amado como cão. Cheirava a cão e fazia da sua vida de cão o que lhe apetecia.


O Pintas gostava de toda a gente, excepto de um senhor, que trabalhava na herdade e que conseguia ver as horas pela posição sol, com quem embirrava. Creio que não era bem com ele que o cão embirrava, mas com bicicleta dele... Sempre que o via seguir na bicicleta, ladrava-lhe e seguia-o até conseguir. O homem, meio desequilibrado e irritado, ralhava e o cão, quanto mais ele ralhava, mais lhe ladrava. Era quase uma relação de amor/ódio, daquelas em que quanto mais se zangam, mais se amam.

Na sua vida cheia de rotinas e agitada, o Pintas nunca pediu para entrar em restaurantes. Acredito que isso não fizesse parte dos seus sonhos caninos e que preferisse comer uns bons restos de cascos de cavalos, ainda fresquinhos e acabados de serem cortados pelo ferrador - como tantas vezes fez para repor o cálcio - do que ser metido dentro de um restaurante por umas horas, sem poder abanar o rabo ou coçar a pulguinha atrás da orelha para não incomodar os convivas.

Claro que isto sou só eu a tentar ler-lhe os pensamentos...
Talvez os citadinos amiguinhos dos animais, aqueles que vestem cães com roupas de gente, saibam mais sobre estas coisas...

Quem sou eu para duvidar de tamanha sabedoria e experiência no que concerne a desejos caninos?
Realmente, não serei ninguém. Afinal, sou só uma pessoa que gosta de animais que sejam apenas... animais.


Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…