Avançar para o conteúdo principal

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 

Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género: 
"Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro"; 
"Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou"; 
"O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".

Também dizemos que A ou B tem que frequentar determinada actividade porque estimula e/ou desenvolve aquela característica que a criança não tem tão desenvolvida. No fundo, estamos a querer formatar os nossos filhos segundo os padrões de sucesso ou as tendências que a sociedade nos vai impondo e esquecemo-nos de algumas coisas muito importantes: que a infância só se vive na infância; que a espontaneidade e a descoberta acontecem essencialmente nestas idades e que o melhor ensinamento é o da própria vida.

Queremos balizar as aprendizagens. Sentimos necessidade de estabelecer padrões e de enfiar os nossos filhos dentro deles. Não aceitamos as suas diferenças de ânimo leve, lutamos para que nunca fiquem abaixo daquilo que é suposto para a sua idade e, com isto - acreditando que estamos a fazer o melhor para eles e para os seus futuros - estamos a matar-lhes a infância. Sem que esta seja na verdade a nossa intenção, estamos a quebrar-lhes a oportunidade da descoberta progressiva e lenta como só a vida e os acontecimentos lhes podem proporcionar. 

E esgotamo-nos quando levamos este "projecto" (que é como alguns pais o assumem) ao fio da navalha, à ponta da espada, porque vivemos a seguir objectivos sem deixar que as coisas aconteçam e sem permitir que a infância passe efectivamente pelas vidas das crianças. Adulteramos esta fase do seu crescimento, introduzindo-lhe apontamentos de ciências pedagógicas e fechando as portas à convivência desinteressada entre crianças e entre adultos e crianças. Partimos a brincadeira em momentos: a hora do teatro, a hora da música, a hora da expressão corporal, a hora dos jogos didácticos... Mas esquecemo-nos daquele momento, que devia ser o maior, da brincadeira livre sem regras pré-definidas.

Deixámos também de ser tolerantes para com os mais pequenos. Incomodam-nos no cinema quando falam alto ou choram; incomodam-nos na praia quando riem alto ou correm na areia; incomodam-nos no restaurante quando não se calam com perguntas ou quando não querem comer determinado prato. Incomodam-nos a nós e às pessoas que estão em volta. Por isso, damos-lhe um telemóvel ou algo que os mantenha distraídos, hipnotizados, caladinhos e sossegados...

Na realidade, estamos avessos a tudo o que não são comportamentos ditos "civilizados" por parte das crianças, mas esquecemo-nos que elas são a inocência que negamos até em nós próprios porque a consideramos incompetência e, ainda pior, falta de maturidade. 

E o encanto da infância não é mesmo esse, a falta de maturidade e a inocência? Porque não as deixamos viver isso e condenamos cada vislumbre destas duas características? Porque estamos a desumanizar as crianças tornando-as "projectos"?

Pelo outro lado, queremos levar animais para os restaurantes e vestir-lhes roupinhas, humanizando-os... 
Mas isso daria uma outra conversa que ficará para outra altura... Ou talvez não.

Mensagens populares deste blogue

O meu pai

Lembro-me de, aos 15 anos, ter amigos com pais com idades entre os 50/60 anos. Olhava para eles e pensava "fogo, os pais deles são tão velhos".
O meu pai tinha 36 anos quando eu tinha 15 e os dos meus amigos tinham idades próximas da dele agora. O meu pai descobriu esta coisa da parentalidade aos 21. Quando fiz 21, ele só tinha 41, quase 42.

Hoje, faz 62 anos e sou eu que tenho 41. A diferença de idades continua a mesma, mas sinto-me mais próxima dele. Mais próxima em idade e mais próxima fisicamente.

Somos diferentes e ao mesmo tempo iguais. Discutimos que nos fartamos, porque adoramos uma boa discussão. Um diz preto e o outro diz branco. Raramente, chegamos ao cinzento, porque somos igualmente casmurros.

O meu pai esteve longe muito tempo. Tempo demais. Até nas razões do que nos distanciou discordamos. Porém, concordamos que devíamos ter estado sempre mais perto.

Em pequena, era incapaz de lhe perdoar a distância. Aceitava-a simplesmente, mas com uma mágoa maior do que eu.

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…

Método científico

A propósito do vídeo abaixo que vi no Facebook, lembrei-me de vos contar duas ou três situações que aconteceram comigo na minha última ida ao Amoreiras, relacionadas com o nível de educação a que lá costumo assistir.


Antes, faço uma pequena introdução para que melhor entendam onde quero chegar.
Costumo ir ao cinema a centros comerciais, pois, além de já quase não haver cinemas só cinemas, vou atrás do filme que me apetece ver e, por isso, não tenho um sítio fixo e ando quase aleatoriamente por esses antros de consumo, Lisboa fora, no encalço do lugar mais barato para ver determinado filme. Restam-me, por vezes, locais não tão baratos, mas que são os únicos onde o filme passa ou são os que têm o horário que me dá mais jeito.


No domingo passado, calhou ir ao Amoreiras. Já lá tínhamos ido noutras ocasiões e, confesso-vos, não é um dos locais que goste especialmente de ir ou estar. Aquilo é muito mal frequentado. Dá a ideia que é um local que atrai gente mal educada...
Quem conhece este centr…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…