Avançar para o conteúdo principal

Burquíni

Não sendo eu muçulmana ou coisa que me valha, às vezes gosto de estar vestida na praia.

Gosto de lá estar como se estivesse numa esplanada, a ler um livro e a cheirar a brisa do mar. Só que, em vez de estar sentada à mesa e ter de consumir alguma coisa para poder ficar ali, estou na toalha, vestida como se estivesse na rua, com roupa da cabeça aos pés. Pronto, aos pés não, porque se há coisa que me agrada é andar descalça.

Num destes fins-de-semana estive no Algarve e foi assim que fui à praia. Até porque não levei biquíni e, como não sou escrava do bronze nem da exibição física nem tomo muitos banhos de mar, estive como me apeteceu no momento e naquele momento apeteceu-me ficar vestida.

Sei que isto pode ter várias causas para além de simplesmente me apetecer... Talvez uma delas seja eu ser uma loira de 1,80 m num país de homens morenos e baixinhos e ter sofrido - cedo demais e por largos anos - olhares e outras formas de expressão que denotavam um assédio constante e hoje prefira passar despercebida por entre as multidões...
O facto de estar vestida de uma forma discreta dá-me a tranquilidade e, até, a privacidade que dantes, quando vestia algo potencialmente sexy, não sentia. Talvez também por isso estar parcialmente despida em público não me faça sentir bem, antes pelo contrário. Podem chamar-lhe traumas que talvez sejam mesmo, mas a forma que arranjei para me sentir menos exposta e, consequentemente, melhor, foi vestir-me de maneira confortável e discreta.
Pode parecer estranho, mas, na verdade, sinto que ganhei muito nas relações pessoais a partir do momento em que deixei de usar um decote ou uma mini-saia que distraia os meus interlocutores. Hoje, sinto que falam mais comigo do que com as minhas mamas e isso é mais agradável.
Atenção: Não tenho absolutamente nada contra quem usa decotes e mini-saias ou até quem prefira andar nu. Sou pela liberdade plena quanto a isso e defendo que as pessoas devem andar como muito bem entenderem sem que as incomodem ou critiquem.
Mas eu optei por me sentir bem e, para me sentir bem, preciso de ser eu a controlar a minha privacidade, a qual sofria constantes atendados quando me espreitavam para dentro do decote ou me diziam coisas que passavam a barreira da intimidade. A minha intimidade, que muito preservo, só é partilhada com quem quero e quando quero, por isso não estou para me andar sempre chatear nem a ter que mandar à merda pessoas que julgam que um decote ou uma mini-saia lhes dá o direito de desrespeitarem os outros.

Há ainda outras possíveis causas para me apetecer andar vestida na praia, mas hoje não vos vou maçar com isso.

Adiante.

Naquele dia na praia, olhei em volta e percebi que era a única pessoa vestida. Toda a gente estava em fatos-de-banho.
Imaginei-me de burquíni... Se eu, em vez de estar com uma saia pelo joelho e uma camisola de mangas cavas, estivesse de burquini, tenho a certeza que me olhariam de esguelha e que reprovariam a minha vestimenta, mas como estava com roupas "normais", não sofri desses olhares maldosos. Talvez alguns críticos, mas maldosos não.

No entanto, continuei a ser um alien naquele planeta de corpos desnudados...

O meu filho e o pai andaram a jogar e a tomar banhos no mar e eu ali a ler na minha calma e introspecção. Sim, na praia costuma dar-me para a introspecção.
Entre cada virar de página e sessão introspectiva, fui observando o cenário que me rodeava e fui percebendo que, apesar de a praia ser um local supostamente mais livre (as pessoas podem andar com menos roupa do que nas ruas), não o é realmente. Há ali uma quantidade de códigos e regras como há em qualquer outro lugar público. (Perceber isto matou metade do encantamento que a praia me incutia). Não podemos estar ali mais à vontade do que em qualquer outro sítio. Temos que nos vestir de acordo com o que está estipulado, fazer o que está estipulado, agir de acordo com as regras.
Ir à praia para relaxar é uma mentira, a não ser que consigamos abstrair-nos totalmente do que nos rodeia ou seja uma praia deserta ou privada cujas regras sejamos nós a definir. Melhor, cujas regras não existam ou sejam apenas residuais.

E voltei a pensar nas pessoas que usam burquíni...
Numa praia pública em Portugal não terão sossego mesmo que não lhes digam nada. Terão sempre os olhares maldosos, os cochichos e as críticas, só porque não se encaixam nos parâmetros estabelecidos.
Ir à praia é como ir a um evento social. Há a preocupação com o que se leva vestido, como o que se faz, com o que se diz. Gozar a praia de uma maneira diferente da maioria não é socialmente aceitável e, por isso, se podem ver actos discriminatórios como na rua ou no supermercado.

No fundo, o problema da praia não está na praia, mas nas pessoas que para lá levam a mesma mente vestidinha da cabeça aos pés e fechada a sete chaves, apesar de os seus corpos mostrarem mais pele e parecerem mais abertos ao mundo.
De facto, roupa não tem importância nenhuma, pois não é ela que nos veste ou despe de preconceitos e intolerância. Estes dois bichos instalam-se tanto em corpos vestidos, quanto despidos. A única solução é arrancá-los da pele, nem que seja com um esfregão de arame.

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…