Avançar para o conteúdo principal

Burquíni

Não sendo eu muçulmana ou coisa que me valha, às vezes gosto de estar vestida na praia.

Gosto de lá estar como se estivesse numa esplanada, a ler um livro e a cheirar a brisa do mar. Só que, em vez de estar sentada à mesa e ter de consumir alguma coisa para poder ficar ali, estou na toalha, vestida como se estivesse na rua, com roupa da cabeça aos pés. Pronto, aos pés não, porque se há coisa que me agrada é andar descalça.

Num destes fins-de-semana estive no Algarve e foi assim que fui à praia. Até porque não levei biquíni e, como não sou escrava do bronze nem da exibição física nem tomo muitos banhos de mar, estive como me apeteceu no momento e naquele momento apeteceu-me ficar vestida.

Sei que isto pode ter várias causas para além de simplesmente me apetecer... Talvez uma delas seja eu ser uma loira de 1,80 m num país de homens morenos e baixinhos e ter sofrido - cedo demais e por largos anos - olhares e outras formas de expressão que denotavam um assédio constante e hoje prefira passar despercebida por entre as multidões...
O facto de estar vestida de uma forma discreta dá-me a tranquilidade e, até, a privacidade que dantes, quando vestia algo potencialmente sexy, não sentia. Talvez também por isso estar parcialmente despida em público não me faça sentir bem, antes pelo contrário. Podem chamar-lhe traumas que talvez sejam mesmo, mas a forma que arranjei para me sentir menos exposta e, consequentemente, melhor, foi vestir-me de maneira confortável e discreta.
Pode parecer estranho, mas, na verdade, sinto que ganhei muito nas relações pessoais a partir do momento em que deixei de usar um decote ou uma mini-saia que distraia os meus interlocutores. Hoje, sinto que falam mais comigo do que com as minhas mamas e isso é mais agradável.
Atenção: Não tenho absolutamente nada contra quem usa decotes e mini-saias ou até quem prefira andar nu. Sou pela liberdade plena quanto a isso e defendo que as pessoas devem andar como muito bem entenderem sem que as incomodem ou critiquem.
Mas eu optei por me sentir bem e, para me sentir bem, preciso de ser eu a controlar a minha privacidade, a qual sofria constantes atendados quando me espreitavam para dentro do decote ou me diziam coisas que passavam a barreira da intimidade. A minha intimidade, que muito preservo, só é partilhada com quem quero e quando quero, por isso não estou para me andar sempre chatear nem a ter que mandar à merda pessoas que julgam que um decote ou uma mini-saia lhes dá o direito de desrespeitarem os outros.

Há ainda outras possíveis causas para me apetecer andar vestida na praia, mas hoje não vos vou maçar com isso.

Adiante.

Naquele dia na praia, olhei em volta e percebi que era a única pessoa vestida. Toda a gente estava em fatos-de-banho.
Imaginei-me de burquíni... Se eu, em vez de estar com uma saia pelo joelho e uma camisola de mangas cavas, estivesse de burquini, tenho a certeza que me olhariam de esguelha e que reprovariam a minha vestimenta, mas como estava com roupas "normais", não sofri desses olhares maldosos. Talvez alguns críticos, mas maldosos não.

No entanto, continuei a ser um alien naquele planeta de corpos desnudados...

O meu filho e o pai andaram a jogar e a tomar banhos no mar e eu ali a ler na minha calma e introspecção. Sim, na praia costuma dar-me para a introspecção.
Entre cada virar de página e sessão introspectiva, fui observando o cenário que me rodeava e fui percebendo que, apesar de a praia ser um local supostamente mais livre (as pessoas podem andar com menos roupa do que nas ruas), não o é realmente. Há ali uma quantidade de códigos e regras como há em qualquer outro lugar público. (Perceber isto matou metade do encantamento que a praia me incutia). Não podemos estar ali mais à vontade do que em qualquer outro sítio. Temos que nos vestir de acordo com o que está estipulado, fazer o que está estipulado, agir de acordo com as regras.
Ir à praia para relaxar é uma mentira, a não ser que consigamos abstrair-nos totalmente do que nos rodeia ou seja uma praia deserta ou privada cujas regras sejamos nós a definir. Melhor, cujas regras não existam ou sejam apenas residuais.

E voltei a pensar nas pessoas que usam burquíni...
Numa praia pública em Portugal não terão sossego mesmo que não lhes digam nada. Terão sempre os olhares maldosos, os cochichos e as críticas, só porque não se encaixam nos parâmetros estabelecidos.
Ir à praia é como ir a um evento social. Há a preocupação com o que se leva vestido, como o que se faz, com o que se diz. Gozar a praia de uma maneira diferente da maioria não é socialmente aceitável e, por isso, se podem ver actos discriminatórios como na rua ou no supermercado.

No fundo, o problema da praia não está na praia, mas nas pessoas que para lá levam a mesma mente vestidinha da cabeça aos pés e fechada a sete chaves, apesar de os seus corpos mostrarem mais pele e parecerem mais abertos ao mundo.
De facto, roupa não tem importância nenhuma, pois não é ela que nos veste ou despe de preconceitos e intolerância. Estes dois bichos instalam-se tanto em corpos vestidos, quanto despidos. A única solução é arrancá-los da pele, nem que seja com um esfregão de arame.

Mensagens populares deste blogue

Por entre livros e árvores

Estou sentada no sofá do supermercado junto aos livros.

Incrivelmente este supermercado tem um sofá para quem vê livros. Confesso que sou uma parasita das livrarias, daquelas que lêem muitos pedaços de literatura e raramente compram alguma coisa. Namoro livros durante meses, às vezes anos e só os compro quando já se criou uma certa intimidade entre mim e eles, ou entre mim e os seus autores.
Também compro por impulso, mas é mais raro agora que tenho menos dinheiro para consumismos.

Hoje, levo comigo para o sofá o Lobo Antunes e o Rodrigo Guedes de Carvalho. Vou lendo pedaços de um e de outro. Salto capítulos, reviro os livros e escolho páginas aleatórias na tentativa de entrar nas histórias e nas palavras. Mergulho em parágrafos que me marcam, afundo-me em frases que me fazem eco. Volto à superfície.

Por momentos, desvio o olhar dos livros para perceber o que se passa à minha volta. Entram e saem pessoas do supermercado. Há um homem que passa de guarda-chuva em punho como se fosse uma…

Marcadores: Capítulo 4

Levantou a cabeça. Olhou-me como se fosse pela primeira vez. Senti os olhos a percorrerem-me o rosto. Contornou-me os olhos, a boca, o nariz e parou o olhar para além de mim. É estranha a sensação de nos desenharem com os olhos, vermos-nos estampados na mente dos outros, recortados, colados e redesenhados. Deixamos de ser nós para passarmos a ser uma ideia de nós. Ana desenhou-me, mas abandonou a obra a meio para se colocar a uma distância de segurança. Foi para além de mim e por lá ficou.  - Desculpe tê-lo incomodado. Não devia ter vindo contagiá-lo com a minha tristeza. Estava aqui sossegado a beber a sua cerveja, melhor do que uísque, e vim trazer-lhe tristezas. A minha vida não tem estado fácil… Desculpe-me. É melhor ir-me embora. - Não, deixe-se estar. Estou a gostar de estar consigo. Além disso, não está em condições de ir sozinha para casa. Pelo menos, por agora. – disse-lhe, enquanto observava os dedos que tentavam desfolhar o marcador em forma de flor mais ou menos a meio do li…

Marcadores: Capítulo 1

Sentei-me na mesma mesa do canto. Pedi uma cerveja, acendi um cigarro e fiquei a olhar o mar. A esplanada estava quase vazia. Às três da tarde é normal não haver muita gente por aqui. Está muito calor. É a hora de que mais gosto, porque o vazio do espaço e a paisagem cheia ajudam-me a rascunhar palavras no meu caderninho. Escrevo frases soltas, sem grande nexo, que depois uso nos meus livros. O mar, lá em baixo, no fim da falésia a bater nas rochas e a brisa ligeira, cá em cima, a refrescar-me a mente, libertam as palavras que tenho presas em mim. Preciso de as soltar para voltar ao ténue equilíbrio que me mantém vivo. Trouxeram-me amendoins salgados. Sabem que são os meus aperitivos preferidos para acompanhar a cerveja. Bebo-a com mais gosto e com mais sede. Bebo golos pequenos, o gás faz-me arrotar se a tentar beber de um trago. Por isso, depenico a cerveja, e os amendoins, da mesma forma que sempre depeniquei a vida. Ela surgiu no cimo das escadas que nos leva até à esplanada. Sent…

Marcadores: Capítulo 3

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…