Avançar para o conteúdo principal

Da estupidez...

Primeiro entra aqui a minha estupidez: Pus-me a ler os comentários feitos às notícias que se espalham pelo Facebook. Burra, estúpida, nunca mais aprendes!


Depois entra a estupidez da própria notícia: Esta preciosidade que tem gralhas que não se admitem num jornal como o Público e que se baseia em ouvir dizer de ouvir dizer "a humorista e locutora de rádio argumentou em declarações ao jornal sueco Aftonbladet, citado pela BBC", o que mostra como os jornais têm de trabalhar rápido hoje em dia, porque as fontes de informação são, imagine-se, outros jornais, e também é baseada em tricas de Twitter. (Atenção que não culpo o Público por esta estupidez, de maneira nenhuma, culpo-nos a nós, leitores, que já não exigimos uma comunicação social como deve ser, porque preferimos a rapidez e a gratuitidade à qualidade! Sim, a culpa, e esta estupidez, é mesmo nossa!)

Em terceiro lugar vem a estupidez do que é noticiado: Um festival de Verão só para mulheres, livre de homens, para que estas se sintam seguras???? O quê????
E policiamento no festival para evitar as agressões sexuais, não há? E penas mais duras para que os agressores pensem duas vezes antes de agredir???? Que me desculpem, mas não deixar entrar homens num festival é discriminação, seja lá porque razão for! Ponto final a esta estupidez!
Felizmente, o primeiro ministro da Suécia parece ser um pouco mais lúcido e diz na notícia que aparece anexada a esta: "Vamos olhar para as leis sobre crimes sexuais", declarou. "Além disso, é também importante que se continue a certificar que a polícia, o Ministério Público e outras autoridades tenham condições para investigar esses crimes, para que tenhamos a certeza de condenarmos os responsáveis pelos crimes".

Em quarto lugar, mas não menos estúpidos, mais até, muito mais, vêm os maravilhosos comentários que, outra vez, caí na asneira de ler.

Resumindo para não vos estar a maçar muito: desde comentários xenófobos e racistas, a comentários sexistas, a um manancial de comentários de alto teor discriminatório, há ali de tudo. Para não falar nas agressões verbais entre comentadores que, se estivessem frente a frente, ou estariam caladinhos ou já tinham saltado para cima uns dos outros ao murro e ao pontapé.

E eu, que ou sou ingénua ou sou mesmo estúpida, ainda gasto tempo a ler esta merda!

O lado bom (ah porque há sempre que tentar vislumbrar o lado bom de tudo, pelo menos eu vou tentando) é que é no meio do lodo que se vê nitidamente de que é feita a natureza humana. No conjunto dos vários comentários (ressalvando raríssimas excepções) revela-se o espécime humano na sua forma mais pura. 

É bom levarmos chapadas destas de vez em quando! Faz-nos crescer e deixarmos de ser tão estúpidos. Eu, pelo menos, vou tentar!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…