Avançar para o conteúdo principal

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.

Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.

Antes do Verão:
Anita corre quilómetros para caber no biquíni

Em férias: 
Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar

Em dias de sol:
Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes

No fim das férias: 
Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar

À hora das refeições: 
Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias
ou 
Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne

Tarde de sábado: 
Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima
ou
Anita sai à rua e vê as pessoas a passar

Sábado à noite: 
Anita dança e bebe gin 

Tarde de domingo: 
Anita vê um filme com a família
ou
Anita tem umas flores lindas no jardim

Segunda de manhã:
Anita chega sonolenta ao trabalho

Quando há jogos de futebol:
Anita vai à bola porque o seu clube é sempre o maior

Num dia em que não se passa nada:
Anita compra uma mala nova (ou uns sapatos ou outra porcaria qualquer nova)

Em dias de Festivais de Verão:
Anita ouve música ao vivo (e filma tudo)


E por aí fora até já não se poder ver, ouvir, ou sequer imaginar, a Anita...
E depois ainda há a versão cinema da Anita, que são os directos de todos estes e outros passos que a Anita possa pensar em dar.

Para quando Anita faz xixi, ou Anita cortas as unhas, ou Anita coçou uma parte (supostamente) íntima, ou Anita dá um peidinho?

(Ups, não se pode dizer a palavra "peido" em público ou acusam-nos de sermos mal-criados! Vá, mas eu disse "peidinho" que é muito mais carinhoso, ok? Estou desculpada ou tenho que fazer um pedido de desculpas no próximo post deste blogue?)

Imagem DAQUI

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…