Avançar para o conteúdo principal

Injustiça e intolerância

A tentativa de mostrar que se é justo cai amiúde na intolerância. Parece um contra-senso e, até há bem pouco tempo, eu pensava que isto não existia.

Só após ser mãe e ter um filho que faz algumas coisas bem feitas e tem (perdoem-me a ausência de modéstia neste capítulo, mas não consigo dizer isto sem parecer que me estou a gabar, quando, de facto, não estou, mas parecerá sempre que sim) uma inteligência e cultura acima da média, é que percebi que isto era possível de acontecer.

Os modelos estilizados, que as pessoas seguem cegamente e, para com os quais, se abstêm de usar o pensamento crítico, potenciam a intolerância. 

Imaginar alguém que é bom aluno é encaixá-lo no sector dos famosos marrões. Os ditos "marrões" são sempre relacionados com quem estuda horas a fio, é exemplarmente bem comportado e acata todas ordens sem as colocar em causa ou sequer questionar.

Encontrar alguém que é bom aluno, que não estuda a ponta de um corno e que tem maus comportamentos periódicos agita esta percepção de marrão e, consequentemente, de bom aluno. E entorna-a na intolerância. 

Se se permite a um mau aluno comportar-se menos bem nas aulas, já a um bom não se permitirá, porque é imperativo mostrar-se que se é isento, que não se favorece os bons alunos só por serem bons alunos. Ora aqui mora a intolerância porque não se age de igual modo com uns e com outros, porque se acaba por ser injusto quando se toleram determinadas coisas a umas pessoas (apenas porque as temos em baixa conta) e a outras não (apenas para limpar a nossa imagem de pessoas parciais).
Neste caso, estamos a ser intolerantes tanto com o mau aluno - porque o temos em baixa conta, só por ser mau aluno, como se isso definisse a pessoa - como com o bom aluno, porque não lhe permitimos ser uma pessoa normal que erra como todas as outras.

A imparcialidade e justiça, que tentamos a tanto custo demonstrar, caem irremediavelmente naquilo que não queremos de todo cair: na intolerância e injustiça.
Se não tivermos a capacidade de analisar friamente a nossa atitude, sem lhe misturarmos egos ofendidos, torna-se inevitável parecermos tudo aquilo que não queremos parecer e, pior ainda do que parecer, acabamos por ser efectivamente isso. 


Comentários

  1. É verdade. A maioria de nós tenta ser correcta, mas muitas vezes caímos nesse erro!

    ResponderEliminar
  2. É um tema muito sensível. Concordo com a tua visão!
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…