Avançar para o conteúdo principal

Sexta à noite

DAQUI

De andar direito, até um pouco emproado, segue meio gingão pela rua fora. Hoje, que até está frio, as mangas da camisa têm de estar arregaçadas. É sexta à noite. E todas as sextas à noite merecem o esmero na indumentária, combinado com o perfume Yves Saint Laurent que a mãe lhe ofereceu no Natal. Está jeitoso e tão cheiroso que se sente ao longe.

Cruza-se com a vizinha do quinto esquerdo que vai entrar no prédio e cumprimenta-a com uma vénia. É gira. E quando elas são giras não se podem desperdiçar. Sacam-se as mordomias e os cavalheirismos da cartola e elas derretem-se que nem manteiga ao sol, ou gelado, sabe lá. Nestes momentos só sabe o que faria com um avião daqueles. Mas hoje não. Hoje é sexta à noite e às sextas à noite não é por ali que quer andar, por isso não se pode perder no caminho.

Saca as chaves do Audi azul descapotável da algibeira - não da cartola que na cartola só guarda aquelas elegâncias que impressionam as garinas - e dirige-se para o veículo enquanto vai rodando a argola do porta-chaves no dedo e cofiando a mosca que traz por debaixo lábio inferior.

Aquela mosca é sempre aparada com delicadeza. Demora quase uma hora a desenhá-la na perfeição. Não pode haver pêlo nem a mais nem a menos. Têm que ser na quantidade certa ou a noite de sexta correrá mal e ele voltará sozinho para casa.

Ainda se lembra de quando a fez pela primeira vez. A mãe, intrigada, perguntou "o que é isso que trazes aí? Esqueceste-te de fazer esse bocadinho de barba?". Ofendido, respondeu-lhe quase em murmúrio "não vês que é uma mosca?". E ela riu, riu tanto que só lhe apeteceu atirar-lhe com a caneca do café à cabeça. Não atirou e saiu deixando-a a rir sozinha.

Entra no Audi azul descapotável e verifica se está tudo conforme.
Só ali entra às sextas, já que durante a semana usa o Opel Corsa cinzento para ir para o trabalho. É mais barato e mais fácil de arrumar. Além de que não gostaria de ser visto a entrar no Audi azul descapotável com o fato-macaco da oficina vestido. Pareceria mal e sujaria os estofos de cabedal. Podiam pensar que andava a passear-se nos carros dos clientes e a isso não se poderia arriscar. É que um gajo tem que manter a reputação e não pode arruinar o trabalho de uma vida só porque quer andar de Audi azul descapotável todos os dias. Mas hoje é sexta à noite e tudo lhe é permitido, por isso, vai de Audi azul descapotável que foi para isso que juntou dinheiro durante tantos anos.

Conduz o carrão com jeitos de garanhão. Até rima com a tensão com que irá acabar aquela sexta. Será tensão ou deverá tirar-lhe o éne? Que se lixe! São lá horas de andar a pensar como se escreve em português! Ele, que até nem tem veia de escritor, quer lá saber de éne a mais ou éne a menos. Se ainda fossem os pêlos da mosca...

Arranca na auto-estrada a cento e vinte; pisa no acelerador, cento e trinta; a esta hora ainda não há bófia, cento e cinquenta e o azul do Audi começa a ficar tremido; vá, cento sessenta e ficamos por aqui ou já ninguém consegue ler o autocolante nas traseiras do carro que avisa para terem cuidado com o solteirão que vai a bordo.

Depois de estacionar o carrão - do garanhão que virá a ter qualquer coisa acabada em "ão" no final da noite - no lugar do costume, entra no pub e estaciona o seu lindo corpinho, que poderá ser corpão, na zona do bar das outras sextas. O lugar está desocupado à sua espera, o barman sabe que virá e guarda-lhe aquele cantinho com vista privilegiada.

Pede o gin. Detesta gin, mas como é a bebida da moda lá terá que emborcar aquela merda. A sorte é que a cara de enjoado que faz ao bebê-lo agrada a algumas garinas. E a noite poderá ficar mais colorida e acabar em arco-íris no motel do costume. Vale o esforço do gin. E das mangas arregaçadas em pleno Inverno, e do perfume de marca charmosa e cheiro estranho, e do andar gingão, e do Audi azul descapotável, e da mosca.

É que é sexta à noite, porra!

Mensagens populares deste blogue

Por entre livros e árvores

Estou sentada no sofá do supermercado junto aos livros.

Incrivelmente este supermercado tem um sofá para quem vê livros. Confesso que sou uma parasita das livrarias, daquelas que lêem muitos pedaços de literatura e raramente compram alguma coisa. Namoro livros durante meses, às vezes anos e só os compro quando já se criou uma certa intimidade entre mim e eles, ou entre mim e os seus autores.
Também compro por impulso, mas é mais raro agora que tenho menos dinheiro para consumismos.

Hoje, levo comigo para o sofá o Lobo Antunes e o Rodrigo Guedes de Carvalho. Vou lendo pedaços de um e de outro. Salto capítulos, reviro os livros e escolho páginas aleatórias na tentativa de entrar nas histórias e nas palavras. Mergulho em parágrafos que me marcam, afundo-me em frases que me fazem eco. Volto à superfície.

Por momentos, desvio o olhar dos livros para perceber o que se passa à minha volta. Entram e saem pessoas do supermercado. Há um homem que passa de guarda-chuva em punho como se fosse uma…

Marcadores: Capítulo 4

Levantou a cabeça. Olhou-me como se fosse pela primeira vez. Senti os olhos a percorrerem-me o rosto. Contornou-me os olhos, a boca, o nariz e parou o olhar para além de mim. É estranha a sensação de nos desenharem com os olhos, vermos-nos estampados na mente dos outros, recortados, colados e redesenhados. Deixamos de ser nós para passarmos a ser uma ideia de nós. Ana desenhou-me, mas abandonou a obra a meio para se colocar a uma distância de segurança. Foi para além de mim e por lá ficou.  - Desculpe tê-lo incomodado. Não devia ter vindo contagiá-lo com a minha tristeza. Estava aqui sossegado a beber a sua cerveja, melhor do que uísque, e vim trazer-lhe tristezas. A minha vida não tem estado fácil… Desculpe-me. É melhor ir-me embora. - Não, deixe-se estar. Estou a gostar de estar consigo. Além disso, não está em condições de ir sozinha para casa. Pelo menos, por agora. – disse-lhe, enquanto observava os dedos que tentavam desfolhar o marcador em forma de flor mais ou menos a meio do li…

Marcadores: Capítulo 1

Sentei-me na mesma mesa do canto. Pedi uma cerveja, acendi um cigarro e fiquei a olhar o mar. A esplanada estava quase vazia. Às três da tarde é normal não haver muita gente por aqui. Está muito calor. É a hora de que mais gosto, porque o vazio do espaço e a paisagem cheia ajudam-me a rascunhar palavras no meu caderninho. Escrevo frases soltas, sem grande nexo, que depois uso nos meus livros. O mar, lá em baixo, no fim da falésia a bater nas rochas e a brisa ligeira, cá em cima, a refrescar-me a mente, libertam as palavras que tenho presas em mim. Preciso de as soltar para voltar ao ténue equilíbrio que me mantém vivo. Trouxeram-me amendoins salgados. Sabem que são os meus aperitivos preferidos para acompanhar a cerveja. Bebo-a com mais gosto e com mais sede. Bebo golos pequenos, o gás faz-me arrotar se a tentar beber de um trago. Por isso, depenico a cerveja, e os amendoins, da mesma forma que sempre depeniquei a vida. Ela surgiu no cimo das escadas que nos leva até à esplanada. Sent…

Marcadores: Capítulo 3

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…