Avançar para o conteúdo principal

O bom, o mau e a promoção

Ainda não acredito que haja gente totalmente má, ou totalmente boa. Digo "ainda", porque talvez daqui a uns anos esta minha ideia venha a mudar. Não sei... espero que não.

Ser bom ou mau não é uma posição estática. Ninguém é sempre bom ou sempre mau. Além de as pessoas mudarem à medida que vão crescendo e vivendo, também não conseguem prolongar a sua bondade ou maldade infinitamente. Há momentos em que saem da sua "categoria" e embarcam na outra. Por isso, catalogar alguém como bom ou mau é redutor. Na verdade, catalogar alguém do que quer que seja é sempre redutor.

Ora, hoje, mais do que em qualquer outra altura da História, a promoção é o factor que marca a diferença nesta visão do bom e do mau, atirando toda a gente para um lugar no catálogo da humanidade e pespegando-lhe uma legenda por baixo. A propaganda tem este efeito estranhamente desumano de colar etiquetas difíceis de arrancar nas pessoas. Estas etiquetas não só dizem respeito à bondade e à maldade de cada um, mas também ao "ser-se bom" ou "ser-se mau" em determinada matéria ou função.

O que me parece triste é termos mesmo de lutar por um lugar de destaque no catálogo e que, para recebermos a etiqueta certa, baste aplicarmo-nos na auto-promoção. Infelizmente, precisamos menos de ser e de nos esforçarmos para melhorar, do que de desenvolvermos a capacidade de nos promovermos.
Se nos promovermos bem e nos etiquetarmos com a etiqueta dourada, estamos safos! Se não nos soubermos promover, chapéu!, estamos fritos! Se não publicitarmos os nossos feitos, por melhor que eles sejam, não lhes dão o devido valor, tal como por pior que façamos mal, se encapotarmos as nossas maldades ou mal-feitos, ninguém se dá conta.

No fundo, o que está aqui em causa não é a nossa bondade, maldade, competência, etc., o que está em causa é a nossa capacidade de exibirmos aquilo que somos ou aquilo que queremos que os outros pensem que somos para que, ao consultarem o catálogo, percebam a que secção pertencemos. O maior problema é as pessoas já não se verem umas às outras. Olham de relance e tiram conclusões. Talvez a pressa com que andamos e a rapidez da informação sejam as culpadas por não olharmos duas vezes para os outros. Ou até para nós próprios. Mas atribuir culpas é fácil. O que é difícil é reverter esta tendência de olharmos tudo de relance.

Não são raras as vezes em que encontramos gente completamente incompetente em determinados serviços que por lá se mantêm, durante anos a fio, sem que melhorem um milímetro e alguém note, ou que o próprio note. Bem como encontramos gente terrível com auréola de santo e gente maravilhosa com cornos de diabo.

Estranhamente, é tudo uma questão de auto-promoção e nada de real valorização ou, sequer, de análise atenta.
Estas ausências e desatenções nas relações humanas são perigosas porque nos afastam uns dos outros. Criam fossos entre nós e deixam-nos entregues ao relance e ao lugar que ocupamos no catálogo. Ficamos reduzidos a uma etiqueta sem nos apercebermos que somos tão mais do que isso.

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…