Avançar para o conteúdo principal

Facebook lovers

DAQUI

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva do telemóvel, ainda com olhos lânguidos para não quebrar o feitiço do amor e conseguir arrancar aquele momento único. Ela ajeita-se depressa para uma posição esteticamente mais aceitável, pousando o queixo sobre os nós dos dedos.
Um clique e um sorriso, dois cliques e um segundo sorriso.
- Deixa ver! - pede para aprovar o disparo - a primeira está melhor! - afirma.
Ele envia a fotografia da companheira para o seu Facebook, juntando-lhe uma frase de romantismo inegável "Vim jantar com o meu amor. Não sou um sortudo?".
E os likes, corações e comentários não param de aparecer em sonoras notificações. Sorriem um para o outro extasiados com o som que lhes alegra os dias.
- Olha, o Zé gostou! Diz que sou mesmo um sortudo e para te tratar bem!
Ela responde-lhe com o sorriso que imortalizou no rosto para este dia e com um pestanejar repetido.

O empregado chega e entrega uma ementa a cada um. O restaurante é de requinte e o menu é composto apenas pelos mais requintados pratos, ou não fosse hoje dia de extravagâncias.
É a vez dela. Tira o telemóvel da mala a cheirar a mofo e fotografa as letras clássicas que adornam a ementa encadernada a cabedal.
Rapidamente envia a fotografia para o seu perfil, antecedida pela frase "Vejam só o que vou comer com o meu amor!". E uma enxurrada de comentários, que se dizem invejosos, atacam-lhe o telefone.

Fazem o pedido ao empregado que lhes serve um vinho branco fresco.
Unem os copos e fotografam o tilintar dos copos numa jura de amor eterno.
No prato dela aparece uma rosa vermelha e um cartão que o empregado deixou quando trouxe o vinho. Ela cheira a rosa e lê o cartão.
- Oh, que lindo! - diz, com uma lágrima a espreitar-lhe no olho direito - És um querido!
Regista o momento da rosa no prato e do cartão aberto e deixa-o no seu mural do Facebook ao lado da fotografia dos copos elegantes a chocarem. "Sou ou não sou uma sortuda?", diz ao mundo para que não duvide da sua felicidade.
Ele beija-a por cima da mesa, depois de desviar a vela que lhes ilumina o amor e acertar o telemóvel na direcção dos lábios que se tocam.
Envia a imagem captada pelo Iphone para o seu mural: António a sentir-se feliz com Maria no restaurante Love Lounge "O meu eterno e grande amor! Feliz Dia dos Namorados para todos os meus amigos!", acrescenta, perpetuando-lhes o sentimento e distribuindo-o pelos amigos.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

Marcadores #3

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…