Avançar para o conteúdo principal

Deixem-se de merdas!!!!

Já vos falei da minha opinião quanto ao ensino em Portugal. Sim, já falei vezes demais sobre este assunto, mas como não me conformo, vou continuar a falar. Nem que seja para as paredes!

A revolta é tão grande que me sinto continuamente a viver num mundo à parte. Como se houvesse uma bolha em volta dos pais, professores e escola de onde eles não conseguissem sair de maneira nenhuma. Sim, a bolha rodeia-os a eles, não a mim! Parece que estão sempre a martelar na mesma tecla, cultivando um sistema completamente obsoleto, centrado em resultados, bons comportamentos, teorias da treta, como se não vissem para além do que lhes é imposto, como se não vissem o óbvio: que os alunos só aprendem se quiserem aprender; que o que interessa não são os fins, mas os meios para atingir os fins; que os bons resultados são o resultado (desculpem o pleonasmo) da vontade e não da imposição.

Merda para estas mentes fechadas em caixinhas minúsculas! Merda para eles, é o que tenho a dizer! Continuem a formar gente deformada e depois venham-se queixar:
"Ai, o meu filho tem más notas e não aprende nada nas aulas.... A culpa é da escola e dos professores!".  - Uma merda!!! A culpa é tua que o obrigas a estudar em vez de lhe abrires a mente à descoberta!

"Ai, os alunos não se sabem comportar na sala de aula e não estão com atenção... A culpa é dos pais!".  - Uma merda, a culpa é tua porque não lhes sabes impor respeito ou interessá-los pela matéria que leccionas!

"Ai, os alunos são mal comportados e tiram notas baixinhas... A culpa é dos professores que não querem fazer nada e dos pais que não sabem educar os filhos!"  - Uma merda, a culpa é tua que entretens os professores em actividades burocráticas de merda em vez de lhes dares tempo e espaço para prepararem aulas minimamente interessantes e que andas a aplicar castiguinhos da treta aos alunos que não lhes adiantam nada na compreensão dos seus comportamentos menos correctos, nem no respeito pelos outros!

Sim, como dizia José Mário Branco no seu famoso FMI, "a culpa é de todos e a culpa não é de ninguém!"

Uma merda, pá! Se querem mudar alguma coisa, façam por isso, em vez de andarem a atirar culpas para cima uns dos outros! Dêem o exemplo aos vossos filhos e alunos, mostrem como se pode construir um presente, um futuro, um mundo, uma vida melhor para todos. Instruam-se, vão aprender a serem melhores profissionais, melhores pais, melhores pessoas! Lutem, caraças! Lutem! Lutem! Lutem para serem melhores, para evoluírem! Não se deixem ficar agarrados ao telemóvel a ler notícias de Facebook e a ver vídeos de gatinhos! Vejam tudo isso, mas vejam mais além! Vejam longe, procurem o horizonte e não se deixem parar por ele que a mudança não é uma miragem. A mudança acontece, é só querermos e mexermo-nos para isso!

Deixem-se de merdas!
Se querem mesmo mudar alguma coisa, podem começar por assinar esta petição, que pode ser o princípio dessa mudança, ou podem fazer outras, mas mexam-se e deixem-se de queixinhas e de culpar o próximo! Movam pessoas, digam coisas, indignem-se, juntem-se, gritem, mas, por favor, deixem-se de merdas!!!!

Mensagens populares deste blogue

#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à…

Marcadores #5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…