Avançar para o conteúdo principal

Strangers in the life

Já vos disse que os seres desta casa são estranhos?
Ups, está escrito a um "post" daqui, mesmo ali em baixo!

Este Verão, fomos de férias a nossa habitual semanita. Há anos que não temos mais de uma semana de férias. Para ser sincera, acho que nunca tivemos mais do que isso. Não, pensando bem, já tivemos sim, uma vez ou outra. Normalmente chega-nos esse tempo para desanuviar, mudar de ares e recarregar baterias e, nestas férias, seguimos o costume.

Este ano, fartos de andarmos agarrados a computadores e tecnologias, sedentos de ar livre e aventura, pegámos no carro e seguimos a sul, rumo somewhere. A única coisa que acordámos com antecedência foi ir para sul junto à costa. Metemos o filho, sacos com alguma roupa, tenda e sacos-cama na bagageira (não o filho não foi na bagageira, só as tralhas) e lá fomos por este país abaixo.

Deixámos os computadores arrumaditos em casa e usámos os telemóveis só quando estritamente necessário. E o estritamente necessário foi sossegar a minha mãe dizendo-lhe que estávamos vivos e dar um espiadela ao Facebook profissional e responder a mensagens de amigos e colaboradores.

Por cá, também nunca ligamos os GPSs dos telefones, que não temos outros e estes vêm encastrados nos bichos, por isso os silenciamos.
Ainda vivemos no tempo dos mapas das estradas. Lembram-se daqueles papelitos dobrados várias vezes com riscos que simulam as estradas do país e nos indicam direcções? Isso! Usámos isso! Eu como o co-piloto, de mapa em punho, e o pai do J. como piloto a seguir minhas instruções, o que me provocou uma sensação de poder incrível. (Vá, miúdo, é mentira, estou a brincar!)

Saímos de casa mais ou menos à hora do almoço e fomos parando onde nos apeteceu.
Seguíamos junto à costa e íamos dormir mais para o interior que é mais barato e tem menos gente.
(Para dizer a verdade, não chegámos a usar os sacos-cama nem a tenda. Para a próxima já não os levamos que só ocupam espaço).

Fomos a praias só ver o mar ou tomar uns banhitos, a castelos, a serras, a praias fluviais. Enfim, fomos por aí e ao sabor do acaso.

As dormidas eram decididas cerca de uma hora antes. Rondávamos a terra escolhida para pernoitar à procura de pensões ou residenciais, entrávamos e perguntávamos se tinham quarto para nós três. Por incrível que possa parecer, arranjámos quarto quase sempre no primeiro sítio em que entrámos. E mais, como chegávamos sem avisar, só tinham quartos duplos para os três, o que nos saiu bem mais baratinho.

Almoçávamos qualquer coisa amanhada nos supermercados e jantávamos nos restaurantes que nos cheiravam bem. Num dos dias, seguimos o cheiro a frango assado, noutro o cheiro a esplanada fresca e agradável.
Seguimos instintos e vontades, livres de compromissos, o que nos soube a ginjas.

Mantivemos as férias quase em segredo, já que para isso acontecer basta não publicar uma única foto no Facebook, nem gritar aos sete ventos "estamos aqui!"; "agora, vamos à casa-de-banho ali da praia X, ok?"; "estamos tão lindos e sensuais com o pezinho enterrado na areia, não estamos?"; "comemos sandocha de presunto ao almoço e um sushi cheio de glamour ao jantar, estão ver! Se estão, metam lá o like, se fazem favor!"

Em vez disso, inspirámos o ar das terras por onde passámos e falámos com as pessoas que se foram cruzando no nosso caminho. Só a rádio M80 não nos largou o caminho todo, já que era o único posto que se ouvia bem em todo lado. Nem tudo pode ser perfeito!

Quando voltámos, contámos a algumas pessoas as nossas férias e algumas mostraram-se muito admiradas por termos seguido sem rumo e sem agenda, por aí fora.
"Não viram os hotéis locais na Internet?"; "Não consultaram a aplicação xpto para saberem o tempo?"; "Não marcaram as estadias com antecedência?", ouvimos de algumas pessoas.

Sentimo-nos uns aliens. Como se viver sem Internet durante uma mísera semaninha fosse uma coisa do outro mundo...
Não é, garanto-vos! Não fizemos nada de especial, apenas vivemos um pouco a vida real. Aquela onde não precisamos de ecrãs para estarmos lá, lembram-se qual é?

Ok, somos estranhos!

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…