Avançar para o conteúdo principal

Strangers in the life

Já vos disse que os seres desta casa são estranhos?
Ups, está escrito a um "post" daqui, mesmo ali em baixo!

Este Verão, fomos de férias a nossa habitual semanita. Há anos que não temos mais de uma semana de férias. Para ser sincera, acho que nunca tivemos mais do que isso. Não, pensando bem, já tivemos sim, uma vez ou outra. Normalmente chega-nos esse tempo para desanuviar, mudar de ares e recarregar baterias e, nestas férias, seguimos o costume.

Este ano, fartos de andarmos agarrados a computadores e tecnologias, sedentos de ar livre e aventura, pegámos no carro e seguimos a sul, rumo somewhere. A única coisa que acordámos com antecedência foi ir para sul junto à costa. Metemos o filho, sacos com alguma roupa, tenda e sacos-cama na bagageira (não o filho não foi na bagageira, só as tralhas) e lá fomos por este país abaixo.

Deixámos os computadores arrumaditos em casa e usámos os telemóveis só quando estritamente necessário. E o estritamente necessário foi sossegar a minha mãe dizendo-lhe que estávamos vivos e dar um espiadela ao Facebook profissional e responder a mensagens de amigos e colaboradores.

Por cá, também nunca ligamos os GPSs dos telefones, que não temos outros e estes vêm encastrados nos bichos, por isso os silenciamos.
Ainda vivemos no tempo dos mapas das estradas. Lembram-se daqueles papelitos dobrados várias vezes com riscos que simulam as estradas do país e nos indicam direcções? Isso! Usámos isso! Eu como o co-piloto, de mapa em punho, e o pai do J. como piloto a seguir minhas instruções, o que me provocou uma sensação de poder incrível. (Vá, miúdo, é mentira, estou a brincar!)

Saímos de casa mais ou menos à hora do almoço e fomos parando onde nos apeteceu.
Seguíamos junto à costa e íamos dormir mais para o interior que é mais barato e tem menos gente.
(Para dizer a verdade, não chegámos a usar os sacos-cama nem a tenda. Para a próxima já não os levamos que só ocupam espaço).

Fomos a praias só ver o mar ou tomar uns banhitos, a castelos, a serras, a praias fluviais. Enfim, fomos por aí e ao sabor do acaso.

As dormidas eram decididas cerca de uma hora antes. Rondávamos a terra escolhida para pernoitar à procura de pensões ou residenciais, entrávamos e perguntávamos se tinham quarto para nós três. Por incrível que possa parecer, arranjámos quarto quase sempre no primeiro sítio em que entrámos. E mais, como chegávamos sem avisar, só tinham quartos duplos para os três, o que nos saiu bem mais baratinho.

Almoçávamos qualquer coisa amanhada nos supermercados e jantávamos nos restaurantes que nos cheiravam bem. Num dos dias, seguimos o cheiro a frango assado, noutro o cheiro a esplanada fresca e agradável.
Seguimos instintos e vontades, livres de compromissos, o que nos soube a ginjas.

Mantivemos as férias quase em segredo, já que para isso acontecer basta não publicar uma única foto no Facebook, nem gritar aos sete ventos "estamos aqui!"; "agora, vamos à casa-de-banho ali da praia X, ok?"; "estamos tão lindos e sensuais com o pezinho enterrado na areia, não estamos?"; "comemos sandocha de presunto ao almoço e um sushi cheio de glamour ao jantar, estão ver! Se estão, metam lá o like, se fazem favor!"

Em vez disso, inspirámos o ar das terras por onde passámos e falámos com as pessoas que se foram cruzando no nosso caminho. Só a rádio M80 não nos largou o caminho todo, já que era o único posto que se ouvia bem em todo lado. Nem tudo pode ser perfeito!

Quando voltámos, contámos a algumas pessoas as nossas férias e algumas mostraram-se muito admiradas por termos seguido sem rumo e sem agenda, por aí fora.
"Não viram os hotéis locais na Internet?"; "Não consultaram a aplicação xpto para saberem o tempo?"; "Não marcaram as estadias com antecedência?", ouvimos de algumas pessoas.

Sentimo-nos uns aliens. Como se viver sem Internet durante uma mísera semaninha fosse uma coisa do outro mundo...
Não é, garanto-vos! Não fizemos nada de especial, apenas vivemos um pouco a vida real. Aquela onde não precisamos de ecrãs para estarmos lá, lembram-se qual é?

Ok, somos estranhos!

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à…

Vida eterna

Passou algum tempo desde a última vez que por aqui escrevi, mas não morri. Continuo viva.
Andei meio moribunda por uns tempos. Hoje estou melhor, sem estar completamente curada.

Uma depressão entrou-me cérebro adentro, matou-me os sonhos e adormeceu-me a vontade de viver. Desejei enfiar-me no escuro dos lençóis para a eternidade, quis morrer muitas vezes, pensei em formas de terminar com tudo.
Fui ao médico, aos médicos. Comecei a tomar medicação e voltei a sonhar à custa dos comprimidos para dormir. Agora já não tomo esses, estou apenas com os que me ajudam a levantar da cama, a encarar o dia e a minimizar os problemas.
Deixei de tremer e de suar de nervos, a ansiedade foi-se dissipando e só volta de vez em quando.
E voltei a sonhar sem comprimidos.

Ontem sonhei com o meu avô. Às vezes, ele vem visitar-me nos sonhos como que para me matar as saudades. Chega devagarinho e toma conta da história. Faz com que eu queira estar apenas na sua companhia como se, no sonho, eu saiba que ele vá…

O barulho das fraldas

O meu filho já me passou em altura. Pouso a cabeça no seu ombro sem a baixar. Olho-o nos olhos de frente, como a um adulto. As longas pernas, agora com pêlos a tornarem-se escuros, são as mesmas que, em tempos, ainda não andavam e se mexiam em simultâneo com os braços, enquanto lhe mudava a fralda.
É um homem aquele bebé que viveu em mim oito meses e pouco e que deu um grito quando me saiu das entranhas. Um homem que enche a cama e a quem vou, à noite, tapar os pés que teimam em sair debaixo dos lençóis.
É um homem o bebé que, nas manhãs de fins-de-semana, se vem deitar ao meu lado; a quem tento envolver todo num abraço gigante; a quem beijo a testa e cheiro o cabelo; e a quem dou palmadinhas no rabo, pensando que ali ainda vou encontrar o barulho das fraldas.