Avançar para o conteúdo principal

Dos blogues

DAQUI

Comecei isto dos blogues faz tempo. Mais precisamente em 2011. Faz tanto tempo que este menino aqui já completou cinco anos em Agosto.

Há cinco anos e picos que venho para aqui arrotar as minhas postas de pescada. Primeiro, em núpcias das delícias da maternidade; depois confrontada com o fim das núpcias; hoje, com a consciência de que a maternidade se expande por tudo o que é lado da vida da gente.

Nunca, mas mesmo nunca, tentei tornar este blogue num lugar cuchi-cuchi, fofinho e queridinho. Este lugar não é de todo fofinho. Não há por aqui adoçantes da vida, nem marcas a embelezar o que se passa por dentro e por fora da minha experiência enquanto mãe, ou enquanto pessoa, ou até mesmo a comandar o que escrevo. Não me deixo limitar por "politicamente correctos" ou estereótipos que atentem contra a minha liberdade na escrita. Escrevo o que me dá na real gana, quando me dá na real gana.

Em tempos, cheguei a ter por aqui uma publicidade, mas nada que me prendesse e algo de que até gostava. Hoje, tenho a do Google por aí espalhada que não me rende nadinha, mas adorna os espaços vagos, fica bonitinho e dá um ar de homenzinho a este blogue imaturo.

Talvez por nunca ter tido a sorte, ou o azar, do blogue ir para além de umas diminutas visualizações, nunca ficou na moda, nunca se encheu de "gostantes" no Facebook ou noutra rede social qualquer.
Se houver por aí alguma marca que se queira associar a este modelo anti-cuchi-cuchi, não me importarei que ponham aqui a sua montra, no entanto não me ralo muito com isso, não empreendo esforços para que o façam, nem vou a correr atrás delas a dizer "estou aqui, olhem lá para este sítio tão giro. Não querem que vos venda uns produtos, fingindo que os aprecio bué?". Se fosse uma livraria, até não me importava de experimentar alguns produtos... Fica dica, hã?!

De certa maneira, até estou agradecida que não venham colar-se aqui para que não me sinta presa ou condicionada a elas. Gosto de andar por aqui em liberdade, gosto de sentir que, mais do que dos leitores, este espaço é meu.
Falo convosco com a sinceridade que gosto de usar, mas, na verdade, falo mais comigo do que convosco. Sinto este cantinho como muito meu, mas tenho todo o prazer nas vossas visitas e, especialmente, nas nossas trocas de impressões. E sermos poucos até torna isto mais intimista e acolhedor e por isso mais agradável.
Nem consigo imaginar se tivesse para aqui um monte de gente mal-educada a meter-se na minha vida e a opinar. Acho que as enxotava a pontapé. Vá, a pontapé não, mas à vassourada que é mais meigo.

Porém, este ano concorri ao concurso Blogs do Ano, promovido pela TVI. Honestamente, não sei muito bem porque o fiz. Pensei "já tens uns aninhos nestas andanças de arrotar postas de pescada, vamos lá ver no que isto dá", sem grandes esperanças de chegar onde quer que fosse, pois sei bem quais os critérios de avaliação dos blogues actualmente e, já que não respeito nenhuns, o mais certo seria ficar de fora.

Como tão bem adivinhei, não fui seleccionada para nada... Os assuntos que por aqui falo interessam a uma ínfima minoria, nunca atingindo as massas. Não tenho uma vida idílica, uns filhos vestidos com fatinhos feitos por medida com ar de betinhos, não passo férias em resorts de luxo, nem vou às festinhas das mamãs babadas. Realmente, tenho uma vidinha bem desinteressante como a maioria dos portugueses...
Porque raio alguém se interessaria pela minha conversa? Ainda mais quando ela é tão monótona que mostra tantas vezes os lados mais negros e chatos da vida?
Não há cá espaço para as pessoas sonharem ou se apoderarem da minha vida ou até para se misturam comigo (como acontece com os blogues das figuras públicas); não ofereço prendinhas, nem empreendo concursos em que tenham de gostar da minha página de Facebook em troca de um sabonete; ou sequer faço campeonatos de larachas que contribuam para aumentar a minha auto-estima. Resumindo, sou desconhecida, desinteressante, sem grande piada e não ofereço nada a ninguém. Pronto, estou out, como diria um qualquer fashion blog.

Apesar da minha insignificância, sinto-me francamente agradecida, porque tenho a liberdade, que aqueles que se fundem com marcas ou respeitam estereótipos não têm (se eles saírem do rumo que tomaram são apedrejados e eu posso andar para aqui aos ziguezagues que ninguém me liga nenhuma. Eh eh eh!); tenho a ler este blogue quem realmente se interessa por aquilo que escrevo e os blogues cuchi-cuchi têm a maralha toda mal-educada e metediça. Eu não tenho por cá nem os gulosos das prendinhas nem as sanguessugas de personalidades e eles têm de levar com eles a chuparem-lhes o sangue.

Ok, não tenho dinheiro a partir daqui, mas como sempre dei mais valor à liberdade do que ao dinheiro, estou feliz assim.

Enfim, sou pobrezinha mas livre.

Obrigada aos poucos, mas bons, que me vão aturando! Prontos para os próximos cinco anos???

...

...

...

Hello?? Está aí alguém? Hello????


...

...

...

Oh pá, querem ver que fugiram todos?!

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à…

Vida eterna

Passou algum tempo desde a última vez que por aqui escrevi, mas não morri. Continuo viva.
Andei meio moribunda por uns tempos. Hoje estou melhor, sem estar completamente curada.

Uma depressão entrou-me cérebro adentro, matou-me os sonhos e adormeceu-me a vontade de viver. Desejei enfiar-me no escuro dos lençóis para a eternidade, quis morrer muitas vezes, pensei em formas de terminar com tudo.
Fui ao médico, aos médicos. Comecei a tomar medicação e voltei a sonhar à custa dos comprimidos para dormir. Agora já não tomo esses, estou apenas com os que me ajudam a levantar da cama, a encarar o dia e a minimizar os problemas.
Deixei de tremer e de suar de nervos, a ansiedade foi-se dissipando e só volta de vez em quando.
E voltei a sonhar sem comprimidos.

Ontem sonhei com o meu avô. Às vezes, ele vem visitar-me nos sonhos como que para me matar as saudades. Chega devagarinho e toma conta da história. Faz com que eu queira estar apenas na sua companhia como se, no sonho, eu saiba que ele vá…

O barulho das fraldas

O meu filho já me passou em altura. Pouso a cabeça no seu ombro sem a baixar. Olho-o nos olhos de frente, como a um adulto. As longas pernas, agora com pêlos a tornarem-se escuros, são as mesmas que, em tempos, ainda não andavam e se mexiam em simultâneo com os braços, enquanto lhe mudava a fralda.
É um homem aquele bebé que viveu em mim oito meses e pouco e que deu um grito quando me saiu das entranhas. Um homem que enche a cama e a quem vou, à noite, tapar os pés que teimam em sair debaixo dos lençóis.
É um homem o bebé que, nas manhãs de fins-de-semana, se vem deitar ao meu lado; a quem tento envolver todo num abraço gigante; a quem beijo a testa e cheiro o cabelo; e a quem dou palmadinhas no rabo, pensando que ali ainda vou encontrar o barulho das fraldas.