Avançar para o conteúdo principal

A morte do encantamento

DAQUI

O excesso de informação, conjugado com o fácil acesso ao esclarecimento de dúvidas pontuais e com a falsa proximidade do que dantes se sentia inalcançável, tem contribuído para a morte do encantamento.

Se o que nos era distante se fez perto, mesmo que virtualmente perto, o fascínio da descoberta foi-se esvaindo na ilusão do conhecimento.

A falsa proximidade e o aparente saber como a perda do pudor no exibicionismo parvo.

Lembro-me do constrangimento em se venerar a própria imagem; do recato no orgulho das qualidades estéticas ou na admissão das virtudes pessoais.
Sei que em muitos casos a suposta modéstia se fazia por polidez. E, por isso, não a tenho de grande valor, mas não tenho dúvidas que o excessivo culto do corpo e da aparência, assim como a auto-promoção das qualidades e competências de cada um, em praça pública ou gritados aos sete ventos, num narcisismo assoberbado, têm a sua dose de responsabilidade no definhar do encantamento.

Temos vindo a perder o mistério da descoberta e a capacidade de deslumbramento quando a curiosidade nos vem sendo facilmente saciada. Quando perante uma breve interrogação alcançamos uma breve, mas imediata, resposta. Não que acredite que todas as respostas que nos chegam sejam verdadeiras, claro que não, mas a rapidez e ligeireza com que atingimos um estado de contentamento, mesmo que fugaz, fazem-me acreditar que o processo encantatório se tem perdido com a proximidade a uma qualquer e ilusória solução. A verdade é que nos sentimos cheios com bocadinhos de quase nada. Transbordamos horas a ver as montras dos outros e a assimilar aquilo de que não precisamos. Empilhamos informações que nos são dispensáveis ao mesmo tempo que desenvolvemos a montra para nos vendermos. 

Somos, hoje, seres de uma vaidade desmesurada que abrimos a porta da intimidade para nos promovermos; que saltamos as fases da dúvida e do esclarecimento, do erro e da correcção; que roubamos o vagar à procura do que somos realmente porque exigimos o fácil e descartável, porque não nos queremos demorar no processo, nem arranhar a imagem que, constantemente, esculpimos de nós.

Vejo uma sociedade frenética em busca de prazeres diminutos. Vejo a tolerância à frustração e a degustação da vida diminuírem a cada passo para o futuro. Vejo o ser inteiro dissolver-se na construção de um imaginário, permitindo às almas sentirem-se completas na venda de um produto que não é mais do que a idealização daquilo que gostariam de ser. Vejo a procura perder-se no imediato e na ostentação da imagem, em detrimento da essência das pessoas e das coisas.

Guardo a esperança de que nos cansemos de prazeres efémeros e de que larguemos a necessidade de nos vendermos, ressuscitando, assim, o encantamento.


Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Parabéns ao Blogue!

Este blogue fez dois anos, no sábado passado, mas, para variar, esqueci-me.  Bad girl, bad bad girl!
Parabéns atrasados a ele e a mim (que sou uma atrasada nestas coisas, e noutras...).