Avançar para o conteúdo principal

Adolescência e liberdade

Os casos de adolescentes que se agridem têm inundado a comunicação social. Ora os irmãos, filhos de um embaixador, que espancaram um rapaz de 15 anos; ora o rapaz de 16 anos que espancou outro de 14 até à morte.
Para a comunicação social, estes casos são "doces". Geram polémica, opiniões controversas, ódios e amores e duram, duram, gerando imensos artigos com informações e contra-informações.

O primeiro caso, conhecido por "caso dos irmãos iraquianos" pode ter "origens xenófobas", diz-se por aí. A verdade é que se não teve "origens xenófobas" pode vir a ter "fins xenófobos". O facto de se sublinhar que os gémeos são iraquianos na divulgação das notícias sobre este caso está a abrir caminho para potenciar ódios de cariz xenófobo. A opinião pública revolta-se contra os agressores, que não tendo desculpa pelas agressões, seja qual for a origem destas, relacionam-nos com a sua nacionalidade. "Ah e tal, são iraquianos!"; "Essa gente, desses países estranhos como o Iraque...".
Se não havia a tal xenofobia à partida, haverá, com certeza, na análise popular da situação.
Parece-me que estampar-se a nacionalidade nos agressores não será a forma mais correcta de se falar sobre o caso. Claro que é uma informação importante, ainda mais por se tratarem de filhos de um embaixador e da questão da imunidade diplomática, mas não é a principal e, por isso, não devia estar no título de praticamente todas as notícias sobre este assunto e, muito menos, este passar a ser conhecido como o "caso dos irmãos iraquianos". Parece-me impróprio e potenciador de racismos especialmente perigosos, devido aos visados serem miúdos.

Não tenho conhecimento do caso a fundo, como ninguém deve ter neste momento, excepto agressores e agredido, por isso não sei se estas posições serão assim tão estáticas quanto aparentam: se os agressores não terão sido também agredidos e se o agredido não terá sido também agressor. Não sei. E não quero com isto desculpar os irmãos pela brutal agressão ao miúdo de 15 anos! Não têm desculpa! Mas pode haver uma explicação melhor do que realmente aconteceu e, penso, que é essa que se deve procurar, não só para se poder perceber este caso, como também para se tentar descortinar o que se passa com esta adolescência que se agride tão violentamente.

E aqui surge o segundo caso, o do miúdo de 16 anos que espancou o de 14 até à morte com uma soqueira.
Parece-me estranho eu não ter conseguido encontrar uma única referência à nacionalidade do agressor neste segundo caso... Será o rapaz "anacionalizado" (sei que a palavra não existe, mas gosto dela, ok?)? Ou será português e, por isso, "isso não interessa nada", porque somos sempre os "máiores"?
Pois... lá está mais uma vez: Não sei! Apenas coloco questões.

Na verdade, o que realmente me importa é debruçar-me sobre a violência entre jovens e, como mãe de um pré-adolescente, importa-me preveni-la, porque não estamos sempre com os nossos filhos para os proteger e, mesmo se estivéssemos, não os poderíamos estar sempre a proteger, por mais que nos apetecesse.

Como dizia José Saramago "filho é um ser que nos emprestam para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos", e eu acrescento, "amor tão grande que nos transcende a todos os níveis".

Tenho acreditado, nesta travessia de 12 anos de maternidade, e até hoje ainda nada veio contrariar a teoria (o que não quer dizer que isso não venha a acontecer no futuro, que isto da maternidade /paternidade é coisa volúvel) que é por dentro que se estruturam as pessoas.
Arranjar ferramentas de auto-protecção e prevenção de situações deste tipo, talvez seja a melhor forma de ajudarmos os nossos filhos a "construírem-se" e a perceberem o que significa "voar sozinho pelo mundo".
Princípios como o da não-agressão gratuita; o do respeito pelos outros; o da não-discriminação; o do não-julgamento precipitado, talvez sejam de levar em conta quando tentamos esta "estruturação por dentro" das pessoínha que geramos. E digo "talvez" de propósito, por causa da tal volubilidade da maternidade /paternidade...
Indicações preventivas como não falar com estranhos; estar acompanhado em situações de risco potencial; informar os familiares onde se vai; etc., etc., também me parecem importantes. Sem alarmismos, dar um plano geral de como o mundo funciona pode preparar os miúdos para situações em que precisem de se defender e, também, para situações em que precisem de evitar agredir os outros. Porque os nossos filhos não são imunes ao erro, às acções mal pensadas, aos maus sentimentos. Os nossos filhos não são perfeitos, assim como não são os dos outros.

Nunca fui apologista da vigilância às escondidas dos filhos. Tal como dos namorados, amigos, etc... Vasculhar bolsos, ler mensagens de telemóvel, ou invadir a privacidade dos outros de qualquer outra forma não é coisa que me agrade ou que use com os meus próximos.
Acredito em relações baseadas na confiança mútua. Acho que só assim podem ser verdadeiras relações.
Se não confiamos em quem amamos, perdemo-nos em dúvidas, incertezas, desconfianças. Perdemo-nos e acabamos por perder quem amamos.
Prefiro correr o risco de ser enganada do que viver assombrada com uma desconfiança permanente. Prefiro que me desiludam ao enganarem-me do que me desiludir comigo própria e viver em ansiedade constante. Por isso, se tenho dúvidas, pergunto directamente, assim como digo directamente o que me perturba.

E na relação com o meu filho, faço questão que ele saiba que estou atenta, não para o controlar (que não acredito nisso do controle) mas para o ajudar a aprender a viver solto. Porque, acima de tudo, o quero soltar para o mundo e para ele próprio; porque, acima de tudo, quero que ele experimente a liberdade, de preferência, consciente do que é isso de se ser livre.

É claro que a volubilidade da maternidade pode dizer-me, daqui a uns anos, que isto está tudo errado, mas enquanto não diz, vou acreditando que o caminho é por aqui e seguindo em frente.

Mensagens populares deste blogue

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…