Avançar para o conteúdo principal

O palco

Do trabalho ligado às redes sociais, da análise de comportamentos e tendências, do meu lugar recôndito na plateia a que assisto às interpretações de um imenso leque de actores, tenho constatado que todos ganhámos um novo palco. Pequeno, é certo, mas suficiente para que encarnemos personagens diárias e fiquemos à espera dos aplausos.

No palco da vida somos mais espontâneos, exigentes, verdadeiros. No palco das redes sociais somos actores, plateia e os nossos próprios lobbies. Vivemos à espera da notificação que nos aplaude e gostamos do que é nosso ou a nós diz respeito.

Dos presos políticos em Angola e sua libertação, pouco queremos saber. Dos mortos no Bangladesh, dos atentados em Istambul, pouco nos importamos. É lá longe e não nos diz, directamente, respeito.
Todos os dias morre gente por aí. Mas se o gatinho do vizinho partiu desta para melhor, atiramos-lhe um "RIP" sentido e choroso.

O gatinho como as vítimas do terrorismo em França. Estes, sim, dizem-nos respeito, porque temos lá um ou dois familiares emigrados, porque já fomos à Torre Eiffel e gostámos muito e porque somos todos Charlies e os Charlies querem-se unidos.

Gostamos de nos ver espelhados nos olhos dos outros. Se falam de nós, se aparecemos nas fotografias, se a nossa imagem é projectada para outros palcos, isso sim, interessa, preocupa-nos. Queremos que nos digam que estamos certos, que somos bonitos e que tocamos os limites da bondade. Queremos que nos aprovem e nos venerem, que nos lambam as botas e que façam vénias à nossa passagem. Queremos permanecer em palco e que se encha a plateia.

E esquecemo-nos, realmente, de nós. Do que temos dentro e não se vê. Do que sentimos e de pensar. Cerramos a linha do pensamento porque isso nos dá trabalho e aborrece; porque isso nos faz sair do papel que interpretamos. Cortamos a empatia com o que não nos é, particularmente, próximo, porque vivemos à espera da crítica positiva ao nosso espectáculo.

Estamos a esvaziar-nos sem sequer nos enchermos com a personagem que escolhemos. Estamos ocos e o eco são as palmas que esperamos dos outros. Vivemos para as palmas e para o palco. Um palco tão vazio quanto nós.

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…