Avançar para o conteúdo principal

Música deles

Os óculos do contrabaixista dão um pulo em direcção à ponta do nariz a cada nota tocada na parte mais baixa do instrumento.
O guitarrista estende a guitarra para trás com emoção para deixar soltar os sons mais estridentes.
Ao fundo, o baterista toca de olhos fechados, vivendo a percussão nos tambores e pratos dentro de si mesmo.
O saxofone desce aos joelhos do músico quando a música se torna mais vibrante.

No banquinho de cortiça, que dá para a lateral do baterista, o miúdo. Nos seus 12, 13 anos,  numa luta com o sono, esforça-se para manter os olhos abertos e sorver cada gesto do músico dos tambores. Observa atentamente como que a beber cada pancada, cada toque, das baquetas.

Em frente ao palco, sentado no sofá de napa que dá o ombro à banda, um homem mais velho. De olhos fechados como os do baterista, coca-cola à frente e dedos a tactearem timidamente por debaixo da mesa ao som da música. O gesto da mão direita do homem repete os dedos do saxofonista na transição de notas que empresta ao jazz.
Os pontos altos da melodia são assentidos com um movimento de cabeça discreto, como que a dizer "sim, é isso, perfeito". Dentro dele, o improviso dança. Há anos que lá deve dançar... Vive ali, numa compreensão incompreendida dos leigos. Mora-lhe na ponta dos dedos e sai-lhe pelos poros: o jazz.

O homem mais velho e o miúdo entendem-se no amor à música. Um pelo seu perfeito entendimento, outro pela sede de a aprender.
Estão longe em anos e no espaço, mas perto, tão perto, nessa leitura de sons que lhes embala, só a eles, a alma.

DAQUI

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…