Avançar para o conteúdo principal

Desamor

O amor torna-nos maiores. Crescemos à medida que somos capazes de amar. É o amor que nos faz melhores. Melhores amantes, melhores pais, melhores filhos, melhores pessoas. Melhores.
O amor não é uma ilusão. É concreto.

Vejo um mundo despojado de amor. Cheio de ódio. O ódio está a comandá-lo, a comandar-nos. O ódio e o medo.
A vitória no Euro trouxe, junto com a adoração exacerbada aos atletas portugueses, o ódio aos franceses. A selecção francesa foi estraçalhada nas redes sociais. Difamada, mal-tratada. As pessoas quiseram atirar-lhes o "caneco" às ventas. Depois, camuflaram o veneno em ternura pelo menino que consolou o adepto francês, pensando "além de sermos melhores no futebol, também somos melhores em sentimentos. Vêem como somos tão melhores do que vocês, franceses do cara$&/"%?"

O mundo e o amor estão em perigo.
Atentados terroristas em todo o lado. De repente, odeia-se os franceses e, logo a seguir, tem-se-lhes piedade.
Armas e mortes. Torturas. Autoritarismo. Desrespeito. Desprezo. Desprezo, tanto desprezo.
Deixam-se morrer milhares de pessoas nas águas do mediterrâneo... Matam-se crianças, negros, homossexuais, polícias e ladrões. Mata-se indiscriminadamente. Por nada. Para nada.
As armas despejam ódio para os dois lados. O tiro sai pelo cano e pela culatra. Sempre.

Pendemos aos extremos. Ou somos contra ou somos a favor. Já nem pensamos em prós e contras. Descaímos para um dos lados. Só. Porque não temos tempo para assimilar toda a informação que nos cai no colo; porque nos cai no colo um só tipo de informação; porque nos demitimos de pensar ou porque simplesmente não nos apetece.
Na Era da informação, voltámos a ser seres irracionais. Movemo-nos ao sabor do vento. No fundo, andamos à deriva. Deixámos de viver. Ilustramos a nossas vidas com fotografias de todos os lugares que pisámos. E só os pisámos realmente. Não os vivemos, não nos demos aos lugares que pisámos, não aprendemos nada com eles. Fotografámo-los. Só. E roubámo-lhes o encanto, desacreditando-os quando não os conseguimos ver.
Na verdade, nós não estamos nas fotografias. Na verdade, nós não estamos em lado nenhum. Somos corpos a deambular pelo espaço que tocamos. E destilamos ódios. Dizemos mal de tudo e todos. Insurgimo-nos como se fossemos agir. Mas não agimos. Paramos a olhar para o telemóvel, rasgamos um sorriso e clicamos aquilo que gostaríamos de ser. Mas não somos.

Estamos vazios de amor, de pensamento, de raciocínio. E temos medo. Temos medo de tudo e de todos. Somos a nossa própria censura. Censurámo-nos no momento em que deixámos de lutar, de ver, de ouvir, de sentir, de pensar, de viver. Estamo-nos a tornar autómatos de nós próprios.

Somos a nossa própria fotografia, estampada numa qualquer rede social, cheia de likes e vazia de amor. E vazia de nós.

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Parabéns ao Blogue!

Este blogue fez dois anos, no sábado passado, mas, para variar, esqueci-me.  Bad girl, bad bad girl!
Parabéns atrasados a ele e a mim (que sou uma atrasada nestas coisas, e noutras...).