Avançar para o conteúdo principal

Desamor

O amor torna-nos maiores. Crescemos à medida que somos capazes de amar. É o amor que nos faz melhores. Melhores amantes, melhores pais, melhores filhos, melhores pessoas. Melhores.
O amor não é uma ilusão. É concreto.

Vejo um mundo despojado de amor. Cheio de ódio. O ódio está a comandá-lo, a comandar-nos. O ódio e o medo.
A vitória no Euro trouxe, junto com a adoração exacerbada aos atletas portugueses, o ódio aos franceses. A selecção francesa foi estraçalhada nas redes sociais. Difamada, mal-tratada. As pessoas quiseram atirar-lhes o "caneco" às ventas. Depois, camuflaram o veneno em ternura pelo menino que consolou o adepto francês, pensando "além de sermos melhores no futebol, também somos melhores em sentimentos. Vêem como somos tão melhores do que vocês, franceses do cara$&/"%?"

O mundo e o amor estão em perigo.
Atentados terroristas em todo o lado. De repente, odeia-se os franceses e, logo a seguir, tem-se-lhes piedade.
Armas e mortes. Torturas. Autoritarismo. Desrespeito. Desprezo. Desprezo, tanto desprezo.
Deixam-se morrer milhares de pessoas nas águas do mediterrâneo... Matam-se crianças, negros, homossexuais, polícias e ladrões. Mata-se indiscriminadamente. Por nada. Para nada.
As armas despejam ódio para os dois lados. O tiro sai pelo cano e pela culatra. Sempre.

Pendemos aos extremos. Ou somos contra ou somos a favor. Já nem pensamos em prós e contras. Descaímos para um dos lados. Só. Porque não temos tempo para assimilar toda a informação que nos cai no colo; porque nos cai no colo um só tipo de informação; porque nos demitimos de pensar ou porque simplesmente não nos apetece.
Na Era da informação, voltámos a ser seres irracionais. Movemo-nos ao sabor do vento. No fundo, andamos à deriva. Deixámos de viver. Ilustramos a nossas vidas com fotografias de todos os lugares que pisámos. E só os pisámos realmente. Não os vivemos, não nos demos aos lugares que pisámos, não aprendemos nada com eles. Fotografámo-los. Só. E roubámo-lhes o encanto, desacreditando-os quando não os conseguimos ver.
Na verdade, nós não estamos nas fotografias. Na verdade, nós não estamos em lado nenhum. Somos corpos a deambular pelo espaço que tocamos. E destilamos ódios. Dizemos mal de tudo e todos. Insurgimo-nos como se fossemos agir. Mas não agimos. Paramos a olhar para o telemóvel, rasgamos um sorriso e clicamos aquilo que gostaríamos de ser. Mas não somos.

Estamos vazios de amor, de pensamento, de raciocínio. E temos medo. Temos medo de tudo e de todos. Somos a nossa própria censura. Censurámo-nos no momento em que deixámos de lutar, de ver, de ouvir, de sentir, de pensar, de viver. Estamo-nos a tornar autómatos de nós próprios.

Somos a nossa própria fotografia, estampada numa qualquer rede social, cheia de likes e vazia de amor. E vazia de nós.

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…