Avançar para o conteúdo principal

Centro de quê?

Há mais de um ano que trabalho sem parar num projecto no qual acredito. Trabalho dia e noite, normalmente mais noites do que dias.
Ainda não recebi um tostão e já gastei alguns neste projecto. Mas continuo a acreditar nele. Nele e em mim. Porque, apesar de não ganhar um tostão com o meu esforço, não desisti de viver. Porque, ao contrário do que se possa pensar, não vivo para as férias, para festas, para os fins-de-semana. Provavelmente, sou demasiado ambiciosa em pensar em viver para mim todos os dias e em querer fazer aquilo que gosto e viver daquilo que gosto de fazer. Mas, infelizmente, também tenho que comer para continuar a viver. Tenho que vestir e respirar. E, hoje, tudo isso custa dinheiro. Por isso, procuro empregos, envio e-mails e candidato-me a lugares de que não gosto. Porque preciso de subsistir, porque preciso de sobreviver. Porque amo a liberdade e a independência e já vivo há demasiado tempo dependente financeiramente.

Tenho 41 anos e não há empregos para velhas como eu. Nem para velhas, nem para novos. Na realidade não há empregos. Há exploração, abuso, trapaças...

Estou desempregada há tempo suficiente para já ter encontrado de tudo. E as piores coisas que fui encontrando vêm de onde seria menos provável depararmo-nos com desrespeito, abuso, exploração, trapaças. O pior local para um desempregado é um Centro de Emprego. Além de nos tratarem como cidadãos de segunda categoria, respondem-nos mal, obrigam-nos a apresentações periódicas como se fossemos prisioneiros (sim, já sei que foi aprovada uma lei para acabar com as apresentações, felizmente), obrigam-nos a frequentar cursos que não servem para nada, a não ser justificar gastos de dinheiros públicos, pois nem sequer se faz uma relação com o percurso profissional das pessoas que os frequentam ou com os seus planos de procura de emprego, ou, até com cursos que se tiram por iniciativa própria.
Ameaçam-nos com a anulação da inscrição no Centro de Emprego se nos negamos a fazer o que nos obrigam, e, anulada a inscrição, saímos das estatísticas e baixamos as taxas de desemprego, perdemos o acesso a programas que facilitam as entidades empregadoras de nos contratarem e ficamos impedidos de nos reinscrevermos por um período de 90 dias.

Se este tratamento é mau e improdutivo na intenção de empregar desempregados, pior ainda são as ofertas de emprego que surgem na plataforma da dita instituição. (Algumas bem piores do que as dos sites de emprego comuns).
Lá, há ofertas de emprego para licenciados, técnicos e especialistas com ordenados iguais aos que se oferece a empregados domésticos com o 4º ano: 530€.
Isto devia ser terminantemente proibido, ainda mais numa plataforma estatal. (Deviam nivelar-se os salários por habilitações, por baixo e por cima. Um licenciado, não devia receber menos do que x nem ganhar mais do que y. E por aí adiante, conforme as habilitações necessárias para determinada função).

Andou o Estado, e o próprio trabalhador, a gastar dinheiro e tempo para dar formação às pessoas para os empregadores lhes pagarem o salários mínimo? É para esta desvalorização da mão-de-obra, pelo mercado de trabalho com o conluio do IEFP, que se anda a estudar anos a fio?

Como se pretende empregar, assim, as pessoas? Como queremos ter profissionais competentes e um país a evoluir e a recuperar economicamente? É pela exploração dos trabalhadores? É colocando empregados a fazer o que não gostam, e como se isso já não fosse suficiente para baixar a produtividade, a receber salários miseráveis para as suas habilitações?

Pois eu não percebo nada disto. Afinal sou só mais uma desempregada.

Continua AQUI.

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Parabéns ao Blogue!

Este blogue fez dois anos, no sábado passado, mas, para variar, esqueci-me.  Bad girl, bad bad girl!
Parabéns atrasados a ele e a mim (que sou uma atrasada nestas coisas, e noutras...).