Avançar para o conteúdo principal

Ainda o Centro...

Há uns anos, numa outra situação de desemprego, também estive inscrita num Centro de Emprego e a situação era completamente diferente. Tratavam-nos bem, tentavam conciliar as nossas opções com o mercado de trabalho, propunham-nos cursos em vez de nos obrigarem a frequentá-los e não havia as maravilhosas apresentações periódicas.

Acredito que muitas das alterações que se têm notado vêm da elevada taxa de desemprego e do número astronómico de pessoas em situações precárias sem fim à vista. Acredito que o factor mais penalizador para os desempregados e para resolução deste problema crescente das sociedades actuais é a falta de empregos generalizada.
Desde a Revolução Industrial que a mão-de-obra tem vindo a ser menos necessária, essencialmente pelo desenvolvimento tecnológico e pelo aumento da população (muito devido à evolução da medicina e, por conseguinte, ao aumento da esperança média de vida que é coisa boa, mas que, neste caso, torna a população excedente), já para não falar no número de pessoas com menor capacidade de trabalho como os idosos que, como é óbvio, também têm direito a subsistir.

O problema do desemprego não é um problema fácil de resolver, nada fácil mesmo.
Mas será que estas políticas o vão melhorar? Será que a solução, ou pelo menos a diminuição do número de desempregados, não estará mais na valorização da força trabalhadora? Ou até numa solução perto disto?

Não sei. Pergunto-me apenas.

A verdade é que as políticas instituídas em Portugal (e agora vou bater no antigo governo, desculpem-me lá!) tornaram os Centro de Emprego locais onde se têm de cumprir regras ridículas que, para as pessoas que lá trabalham, também não serão fáceis de cumprir e defender, pois são elas que, todos os dias, levam com as queixas e frustração dos desempregados. Na verdade, são elas quem dá a cara por aquilo que alguém, fechadinho na segurança de um qualquer gabinete e longe dos olhares ameaçadores de quem tem de se sujeitar a regras idiotas, determinou este desrespeito por uma classe potencialmente trabalhadora. Não quero com isto desculpar os maus modos de certos funcionários dos Centros, que há alguns indesculpáveis, mas quero sim tentar compreendê-los, porque afinal também eles estão neste barco de possíveis futuros desempregados. E, felizmente, também ainda há excepções e pessoas que resistem a tornarem-se maus fígados ambulantes.

Quero, essencialmente, tentar perceber que caminho é este que se trilha e que nos levará a todos para um não-retorno neste tipo de sociedade em que vivemos.

Se não tivermos trabalho e forma de subsistência, como vamos sobreviver? Haverá uma elevada taxa de mortalidade, devido a situações de pobreza extrema que nivelará a relação quantidade de empregos/quantidade de cidadãos? Teremos que passar por isso para haver trabalho digno para todos?

O pior, e o que mais me atormenta, é que há dinheiro suficiente neste mundo para todos cá cabermos, mas ele está maioritariamente concentrado em práticas que determinam a destruição da espécie humana e do planeta.
Não será altura de tentarmos reverter este processo para preservarmos a nossa própria subsistência enquanto espécie?

No seguimento deste texto.

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à…

Vida eterna

Passou algum tempo desde a última vez que por aqui escrevi, mas não morri. Continuo viva.
Andei meio moribunda por uns tempos. Hoje estou melhor, sem estar completamente curada.

Uma depressão entrou-me cérebro adentro, matou-me os sonhos e adormeceu-me a vontade de viver. Desejei enfiar-me no escuro dos lençóis para a eternidade, quis morrer muitas vezes, pensei em formas de terminar com tudo.
Fui ao médico, aos médicos. Comecei a tomar medicação e voltei a sonhar à custa dos comprimidos para dormir. Agora já não tomo esses, estou apenas com os que me ajudam a levantar da cama, a encarar o dia e a minimizar os problemas.
Deixei de tremer e de suar de nervos, a ansiedade foi-se dissipando e só volta de vez em quando.
E voltei a sonhar sem comprimidos.

Ontem sonhei com o meu avô. Às vezes, ele vem visitar-me nos sonhos como que para me matar as saudades. Chega devagarinho e toma conta da história. Faz com que eu queira estar apenas na sua companhia como se, no sonho, eu saiba que ele vá…

O barulho das fraldas

O meu filho já me passou em altura. Pouso a cabeça no seu ombro sem a baixar. Olho-o nos olhos de frente, como a um adulto. As longas pernas, agora com pêlos a tornarem-se escuros, são as mesmas que, em tempos, ainda não andavam e se mexiam em simultâneo com os braços, enquanto lhe mudava a fralda.
É um homem aquele bebé que viveu em mim oito meses e pouco e que deu um grito quando me saiu das entranhas. Um homem que enche a cama e a quem vou, à noite, tapar os pés que teimam em sair debaixo dos lençóis.
É um homem o bebé que, nas manhãs de fins-de-semana, se vem deitar ao meu lado; a quem tento envolver todo num abraço gigante; a quem beijo a testa e cheiro o cabelo; e a quem dou palmadinhas no rabo, pensando que ali ainda vou encontrar o barulho das fraldas.