Avançar para o conteúdo principal

Ainda o Centro...

Há uns anos, numa outra situação de desemprego, também estive inscrita num Centro de Emprego e a situação era completamente diferente. Tratavam-nos bem, tentavam conciliar as nossas opções com o mercado de trabalho, propunham-nos cursos em vez de nos obrigarem a frequentá-los e não havia as maravilhosas apresentações periódicas.

Acredito que muitas das alterações que se têm notado vêm da elevada taxa de desemprego e do número astronómico de pessoas em situações precárias sem fim à vista. Acredito que o factor mais penalizador para os desempregados e para resolução deste problema crescente das sociedades actuais é a falta de empregos generalizada.
Desde a Revolução Industrial que a mão-de-obra tem vindo a ser menos necessária, essencialmente pelo desenvolvimento tecnológico e pelo aumento da população (muito devido à evolução da medicina e, por conseguinte, ao aumento da esperança média de vida que é coisa boa, mas que, neste caso, torna a população excedente), já para não falar no número de pessoas com menor capacidade de trabalho como os idosos que, como é óbvio, também têm direito a subsistir.

O problema do desemprego não é um problema fácil de resolver, nada fácil mesmo.
Mas será que estas políticas o vão melhorar? Será que a solução, ou pelo menos a diminuição do número de desempregados, não estará mais na valorização da força trabalhadora? Ou até numa solução perto disto?

Não sei. Pergunto-me apenas.

A verdade é que as políticas instituídas em Portugal (e agora vou bater no antigo governo, desculpem-me lá!) tornaram os Centro de Emprego locais onde se têm de cumprir regras ridículas que, para as pessoas que lá trabalham, também não serão fáceis de cumprir e defender, pois são elas que, todos os dias, levam com as queixas e frustração dos desempregados. Na verdade, são elas quem dá a cara por aquilo que alguém, fechadinho na segurança de um qualquer gabinete e longe dos olhares ameaçadores de quem tem de se sujeitar a regras idiotas, determinou este desrespeito por uma classe potencialmente trabalhadora. Não quero com isto desculpar os maus modos de certos funcionários dos Centros, que há alguns indesculpáveis, mas quero sim tentar compreendê-los, porque afinal também eles estão neste barco de possíveis futuros desempregados. E, felizmente, também ainda há excepções e pessoas que resistem a tornarem-se maus fígados ambulantes.

Quero, essencialmente, tentar perceber que caminho é este que se trilha e que nos levará a todos para um não-retorno neste tipo de sociedade em que vivemos.

Se não tivermos trabalho e forma de subsistência, como vamos sobreviver? Haverá uma elevada taxa de mortalidade, devido a situações de pobreza extrema que nivelará a relação quantidade de empregos/quantidade de cidadãos? Teremos que passar por isso para haver trabalho digno para todos?

O pior, e o que mais me atormenta, é que há dinheiro suficiente neste mundo para todos cá cabermos, mas ele está maioritariamente concentrado em práticas que determinam a destruição da espécie humana e do planeta.
Não será altura de tentarmos reverter este processo para preservarmos a nossa própria subsistência enquanto espécie?

No seguimento deste texto.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…