Avançar para o conteúdo principal

Há um "quê" de machismo na adopção da linguagem inclusiva

Imagem DAQUI

A linguagem inclusiva visa não discriminar as mulheres pelo uso do género masculino para generalizar um todo, do qual há mulheres que o compõem.
A evolução da linguagem arrastou-se por vários períodos em que os homens eram tidos como pessoas e as mulheres como seus acessórios.
A linguagem, assim como a humanidade, à medida que se foi desenvolvendo, foi passando a incluir as mulheres nos plurais, nos grupos, no todo.

Hoje, as mulheres fazem parte do todo e deixaram de ser acessórios (não em todo o lado, mas na sua maioria). "O requerente" inclui "a requerente", "o Homem" designa a Humanidade que integra homens e mulheres, coisa que há alguns anos não acontecia - as mulheres não eram, sequer, consideradas quanto mais incluídas no que quer que seja.

Partir-se do princípio que é alterando as designações ou passando a utilizar os dois géneros no mesmo sujeito de uma frase que se incluiu as mulheres e se deixa de as discriminar parece-me uma completa aberração. Primeiro, porque se complica a linguagem; segundo, porque quem o faz não deixa de utilizar aquela nota de cavalheirismo bacoco que é designar primeiro as "senhoras" e só depois os "homens": "todas e todos", "deputadas e deputados", etc., etc... Além de que se a linguagem é inclusiva, ela deve incluir e não excluir. Se estamos a querer incluir, porque discriminamos os dois sexos? Porque temos a comiseração parva para com as "miseráveis mulheres" nomeando-as em primeiro lugar?

Se queremos incluir e igualar, porque não acabamos antes com os "homens" e as "senhoras" nas portas das casas-de-banho e passamos a ter "homens" e "mulheres" ou "senhoras" e "senhores"?
Se queremos igualar porque não passamos aleatoriamente uns à frente dos outros em vez de os homens terem de dar passagem sempre às "senhoras"?
Porque distinguimos "senhoras" de "mulheres" e achamos que as "senhoras" merecem um maior cuidado? (Já para não falar que consideramos "um senhor" aquele que nos serve com solicitude exagerada e "homenzeco" aquele que não nos cumprimenta com uma vénia).
Porque ainda fazemos questão que um homem nos abra a porta ou se levante quando chegamos?
Porque ainda aceitamos esta veneração forçada cavalheiresca como recompensa da desconsideração que sofremos durante séculos?

Se há coisa mais discriminatória e machista é o cavalheirismo que obriga os homens a "delicadezas" para provarem reverência às "senhoras" e para se afastarem do estereótipo do homem das cavernas, levando-os a comportamentos sem qualquer profundidade afectiva ou verdade. Pior que o cavalheirismo genuíno só mesmo o cavalheirismo transvestido de inclusão e esse é o "quê" que pontua muita da linguagem dita "inclusiva".

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…