Avançar para o conteúdo principal

Castigo ou Consequência?

Dizem que os castigos são correctivos; que ensinam as crianças a não cometerem os mesmos erros; que penalizam aos maus comportamentos. Dizem.

Os castigos não servem para nada, senão para revoltar as crianças. Digo eu. Não ensinam nada, chateiam. Chateiam todos: os filhos e os pais. E impregnam a sociedade de vícios nocivos à sua evolução.

As crianças não aprendem nadinha quando são castigadas. Mentira, aprendem que a autoridade é injusta; que a autoridade não está ali senão para as chatear e que a melhor forma de lhes escapar é esconderem bem os erros de maneira a não serem descobertas. Também as ensina a mentir e a terem medo das sanções, tornando-as cobardes e dissimuladas.

Temos os exemplos de inúmeros colegas de trabalho que, ao fazerem asneira no serviço, escondem-na debaixo da mesa para não serem apontados ou castigados.
A sociedade move-se para encobrir falhas, erros, incompetências, acreditando que é na perfeição que está o sucesso. Se calhar até está, mas o sucesso é efémero. É na competência progressivamente construída e na capacidade de assumir e de corrigir os erros que todos tentam encobrir, que está a evolução, a aprendizagem e o profissionalismo. Tanto no trabalho como na vida.

Os castigos são o caminho mais fácil para quem exerce autoridade, porque é difícil agir como a vida, mostrando as consequências dos actos. É difícil, mas não é impossível.
Só as consequências ensinam verdadeiramente. E as consequências não são castigos, são consequências. 
Se não se estuda tem-se negativa. Se se tem negativa tem de se estudar mais para não ter outra vez. Se partimos o brinquedo do amigo temos que lhe arranjar um novo, nem que seja o nosso. São consequências. Não são castigos. 

As crianças entendem as consequências, não entendem os castigos. "Se tive negativa, porque não posso jogar Playstation?", pensam as crianças.
Uma coisa não tem nada a ver com a outra, a não ser que o tempo que se use a jogar Playstation seja necessário para se estudar mais. Mas aí a consequência de ter negativa também é estudar mais, não é não jogar Playstation. Não jogar Playstation, ou jogar menos, é consequência de se ter de estudar mais, porque não há tempo e não porque se teve negativa.

A recorrente teoria dos castigos "foste mau, por isso ficas sem uma coisa de que gostas muito" é injusta. E falaciosa. Primeiro, porque as crianças não são más, têm atitudes más, ou melhor, têm atitudes incorrectas que são incorrectas especialmente para elas próprias. São estas atitudes que devemos corrigir. Não porque o mundo as penaliza, mas porque as atitudes incorrectas lhes fazem mal, a elas, crianças, e lhes trazem consequências igualmente negativas.

"Ai, eu fui castigado imensas vezes em criança e não me fez mal nenhum!". Fez. Tanto fez que temos uma sociedade mentirosa e dissimulada, incapaz de assumir os erros ou de os corrigir que, em vez disso, esconde-os debaixo do tapete e assobia para o lado; é, também, por isso que este país tem tanta gente perita na canção do bandido, para encobrir o mal feito e atirar areia para os olhos dos outros.

É esta sociedade constituída por pessoas que foram castigadas em crianças que, em vez de louvar os "loucos" que se denunciam e que querem colmatar as falhas, premiando a reconstrução do que ficou lesado, os castiga, humilha e condena. É a castigar as crianças que a sociedade trava a própria evolução, impedindo a correcção dos comportamentos através da aprendizagem e, assim, o desenvolvimento das pessoas tanto por dentro, quanto para fora.

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…