Avançar para o conteúdo principal

Castigo ou Consequência?

Dizem que os castigos são correctivos; que ensinam as crianças a não cometerem os mesmos erros; que penalizam aos maus comportamentos. Dizem.

Os castigos não servem para nada, senão para revoltar as crianças. Digo eu. Não ensinam nada, chateiam. Chateiam todos: os filhos e os pais. E impregnam a sociedade de vícios nocivos à sua evolução.

As crianças não aprendem nadinha quando são castigadas. Mentira, aprendem que a autoridade é injusta; que a autoridade não está ali senão para as chatear e que a melhor forma de lhes escapar é esconderem bem os erros de maneira a não serem descobertas. Também as ensina a mentir e a terem medo das sanções, tornando-as cobardes e dissimuladas.

Temos os exemplos de inúmeros colegas de trabalho que, ao fazerem asneira no serviço, escondem-na debaixo da mesa para não serem apontados ou castigados.
A sociedade move-se para encobrir falhas, erros, incompetências, acreditando que é na perfeição que está o sucesso. Se calhar até está, mas o sucesso é efémero. É na competência progressivamente construída e na capacidade de assumir e de corrigir os erros que todos tentam encobrir, que está a evolução, a aprendizagem e o profissionalismo. Tanto no trabalho como na vida.

Os castigos são o caminho mais fácil para quem exerce autoridade, porque é difícil agir como a vida, mostrando as consequências dos actos. É difícil, mas não é impossível.
Só as consequências ensinam verdadeiramente. E as consequências não são castigos, são consequências. 
Se não se estuda tem-se negativa. Se se tem negativa tem de se estudar mais para não ter outra vez. Se partimos o brinquedo do amigo temos que lhe arranjar um novo, nem que seja o nosso. São consequências. Não são castigos. 

As crianças entendem as consequências, não entendem os castigos. "Se tive negativa, porque não posso jogar Playstation?", pensam as crianças.
Uma coisa não tem nada a ver com a outra, a não ser que o tempo que se use a jogar Playstation seja necessário para se estudar mais. Mas aí a consequência de ter negativa também é estudar mais, não é não jogar Playstation. Não jogar Playstation, ou jogar menos, é consequência de se ter de estudar mais, porque não há tempo e não porque se teve negativa.

A recorrente teoria dos castigos "foste mau, por isso ficas sem uma coisa de que gostas muito" é injusta. E falaciosa. Primeiro, porque as crianças não são más, têm atitudes más, ou melhor, têm atitudes incorrectas que são incorrectas especialmente para elas próprias. São estas atitudes que devemos corrigir. Não porque o mundo as penaliza, mas porque as atitudes incorrectas lhes fazem mal, a elas, crianças, e lhes trazem consequências igualmente negativas.

"Ai, eu fui castigado imensas vezes em criança e não me fez mal nenhum!". Fez. Tanto fez que temos uma sociedade mentirosa e dissimulada, incapaz de assumir os erros ou de os corrigir que, em vez disso, esconde-os debaixo do tapete e assobia para o lado; é, também, por isso que este país tem tanta gente perita na canção do bandido, para encobrir o mal feito e atirar areia para os olhos dos outros.

É esta sociedade constituída por pessoas que foram castigadas em crianças que, em vez de louvar os "loucos" que se denunciam e que querem colmatar as falhas, premiando a reconstrução do que ficou lesado, os castiga, humilha e condena. É a castigar as crianças que a sociedade trava a própria evolução, impedindo a correcção dos comportamentos através da aprendizagem e, assim, o desenvolvimento das pessoas tanto por dentro, quanto para fora.

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…