Avançar para o conteúdo principal

A educação dos porcos

Assusta-me o que andamos a ensinar às crianças. Avaliarmos o nível de qualidade de ensino pela oferta pedagógica... Repugna-me a expressão "a oferta pedagógica". Não sei porquê, repugna-me apenas.

A liberdade de escolha por que tantos pais vestem t-shirts amarelas não é liberdade nenhuma. É seguidismo. Seguidismo do que é caro, do que é "bem", do que é politicamente correcto proporcionar-se aos filhos.
"Proporcionar-se aos filhos" é outra expressão que me repugna. Aos filhos não se proporciona nada. Dá-se de peito aberto e por inteiro. Ou não se dá. Não se proporcionam ofertas pedagógicas. Não se proporciona o desenvolvimento de capacidades. Estimula-se através do contacto, do exemplo, do carinho, do amor.
Os filhos não são projectos, são filhos, são pessoas que devíamos amar acima de tudo e preparar para a vida logo a seguir. E preparar para a vida não é só escola, ou competências, é o toque, a palavra e a atenção.

Já pouco se amam os filhos. Proporciona-se-lhes coisas: uma boa escola, uma boa educação, actividades extra-curriculares e curriculares, um telemóvel, uma Playstation, um brinquedo qualquer para que estejam calados e quietos.
Olho em volta e acho tudo errado. O conceito de boa escola, o valor imensurável que se dá à "qualidade da escola" que não está senão na qualidade de pessoas que lá estão. Pensa-se apenas em rankings, em estatísticas, em relatórios, em regras e esquecem-se as pessoas que, se forem mal formadas, irão formar mal os nossos filhos. E pessoas mal formadas é o que não falta por aí.
Quem educa outrem devia ser escolhido a dedo. Não em termos de canudos, habilitações, testes de matemática ou português, mas em termos pessoais, em carácter, em humanidade.

Educar alguém é o trabalho mais importante que existe. Porque se está a construir o futuro. São as pessoas que educamos hoje que vão fazer ou não guerra amanhã; são quem vai cuidar ou destruir o planeta; são quem vai levar avante ou reduzir a cinzas a humanidade. Por isso, é preciosa a educação que damos, ou não damos, aos nossos filhos. E somos nós, pais, quem dá a educação, não são as escolas. Mas o mundo tira, transforma, ou defrauda a educação que lhes damos. E não é o estéril colégio privado (por vezes, interno) que os prepara para a vida, é a escola pública, com todo o mundo que lá existe, com todo o tipo de gente e connosco atentos, a tomar conta, prontos a ouvir os nossos filhos e a explicar-lhes que a vida e as pessoas, às vezes, são injustas e cruéis e que temos que arranjar escudos para nos protegermos da maldade, da falta de carácter ou da simples ignorância alheia.

Só assim eles poderão ir percebendo que viver é maravilhoso, mas também é duro que se farta. E que nos têm ali para o que der e vier, porque os amamos acima de tudo e os preparamos para a vida logo a seguir.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…