Avançar para o conteúdo principal

Os Vampiros

Imagem DAQUI

Vampirizam momentos, pessoas, monumentos, arte, paisagem. Vampirizam de telefone em riste, sugam tudo até ao último pingo através daquela caixinha de ecrã brilhante que trazem na mão.
Sugam para possuir, sem perceber que só possuem aquilo que vêem, ouvem, entendem. E não vêem, ouvem, entendem aquilo que à bruta tentam subjugar.
Devoram violentamente e destroem antes de sorver o que coleccionam e submetem aos seus egos incompletos e sedentos de provas da própria existência.
Existem tão somente naquilo que extorquem com o clique do obturador. Vampirizam os pais, os filhos, as árvores, as casas, a comida, os amantes. Vampirizam em desespero atroz até à exaustão.

Os vampiros vivem à beira deles próprios e do mundo. O que não fotografam não existe. Morrem na ausência de momentos captados e de se verem reflectidos em imagens. Só mesmo a imagem da estaca que trazem no peito é que os vampiros não captam.

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…