Avançar para o conteúdo principal

Isto aqui não é o da Joana!

Imagem DAQUI

A mochila da Joana correu o país inteiro. Toda a gente falou da tralha que a moça levaria na mochila da RTP para uma tal de estância de férias chamada "Campo de Refugiados".
A rapariga só levaria: o Iphone, os phones, o Ipad, as lãs e a agulha, o caderno e os lápis, as jóias, os óculos de sol e mais não sei o quê.
Qual é o problema? Nem me parece muita coisa!
Não entendo tamanho falatório. A única coisa que me parece absurda ali é ela não levar o carregador para o Iphone e Ipad, mas, enfim, ela lá sabe.
(Já o adorado recém-presidente da República levava o carregador. É um rapaz mais esperto ou não teria chegado a presidente da república com tanta facilidade!) 
Quanto à Joana parece-me disparatada tamanha indignação, ainda mais com o caso dos papéis do Panamá por aí aos saltos que, se Deus quiser (até fiquei religiosa de repente, que só mesmo a fé num ser inexistente poderá fazer justiça neste caso), atirará para as prisões deste mundo fora imensa gente que nos anda a roubar a todos há imenso tempo. 
Para ser sincera, parecer-me-ia bem mais normal o povo indignar-se com a roubalheira que poderá agora ser provada (se Deus quiser) do que com as tralhas que a Joana irá levar para um campo de refugiados.
Na verdade, nunca gostei muito da Joana. Gosto do trabalho dela, mas, dizem as más-línguas, a rapariga não é lá muito boa nas relações pessoais e, apesar de não a conhecer pessoalmente, fiquei, assim, meio de pé atrás com ela. Por isso, sentir-me-ia até bem confortável em vir para aqui dizer mal dela. O problema é que não vejo razão para isso. Cada um tem o direito de levar o que quiser para onde quiser. Se ela não roubar nada a ninguém para fugir à guerra, que leve o que lhe der na gana! 
O que me indigna aqui é ver a indignação em massa por causa de uma merda destas. Parece-me que as pessoas não têm mais nada que fazer do que se entreterem com merdices desta espécie. Ainda não consegui perceber se são mesmo estes assuntinhos que as preocupam ou se estas coisinhas servem apenas para as distrair e não terem de pensar em coisas realmente importantes. Das duas, preferia a segunda, apesar de não acreditar muito que esta possa ser a verdadeira razão. 
De uma coisa tenho, praticamente, a certeza: os verdadeiros refugiados estão-se nas tintas para as porcarias que a Joana levaria na mochila para onde quer que fosse. Até porque eles têm muito mais em que pensar.

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…