Avançar para o conteúdo principal

História do ladrão

Às vezes vem-me à cabeça aquela tua história do assalto... Aquela parte em que dizias:
- E ele perguntou-me "é aqui a casa do Neto?". E eu respondi-lhe "Casa do Neto? Oh não, o senhor está enganado, aqui não é a casa do Neto!" e conduzi-o para a porta.
Lembro-me bem da tua expressão e de como sorríamos quando contavas a tua façanha, reforçando como soubeste ser inteligente e manter a cabeça fria numa altura como aquela. E repetias:
- "É aqui a casa do Neto?, Oh não, o senhor está enganado, aqui não é a casa do Neto!" - e rias, e nós ríamos contigo.
- E depois disse-lhe como se soubesse muito bem quem era o tal Neto "O senhor vai até lá ao fundo e depois vira à esquerda. A casa do Neto é mesmo ali" - contavas como tinhas enganado tão bem o ladrão, enquanto o punhas fora de casa. E continuavas - E ele saiu. Quando o vi fora de casa nem queria acreditar como tive coragem para fazer aquilo! Ele era muito maior do que eu, se quisesse dava-me uma pantufada e eu ficava ali estendida no chão! 
E nós sentíamos orgulho em ti... Uma velhota como tu, tão pequenina, magrinha e frágil, conseguiu pôr um ladrão fora de casa quase sem ele se aperceber que estava a ser delicadamente expulso e tão bem enganado. 
- Ele deve ter pensado "a velhota está maluca, de certeza!" Ah ah ah! - rias da estupidez do ladrão e da tua esperteza em fazeres-te passar por maluca. 

Contaste-nos esta história tantas vezes que já quase a sabíamos de cor. Contava-la como se fosse a primeira vez e nós ouviamo-la como se fosse a primeira vez. Era uma espécie de acordo sem que tivéssemos combinado nada. Até o J. gostava de ouvir a história do ladrão... Dizias-lhe:
- Gostas, J.? Gostas de ouvir a tizinha contar a história de como pôs o ladrão na rua? - e seguravas-lhes o rosto entre as mãos para lhe dares um beijo na face. Ele franzia-se todo com o teu beijo inesperado e dizia-te que sim para ficares contente. Mesmo já sabendo a história, não se importava de a volta a ouvir. E nós também não. Sabia-nos bem ver o teu entusiasmo a contar a história e gostávamos de nos rirmos contigo. Sabes, sentia um verdadeiro orgulho em ti? Foste mesmo uma velhota valente! Ainda me pergunto como conseguiste continuar a viver ali, naquela casa isolada, sozinha, depois do ladrão lá ter entrado. Nem toda a gente que teria a tua coragem. Podes ter a certeza que não!

Gostava de te voltar a ouvir contar a história do ladrão...
Tenho saudades tuas, sabes? 
Fazes-me falta! 

Comentários

  1. se repetires muitas vezes, aposto que quase acreditas que te a está a contar ao ouvido

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…