Avançar para o conteúdo principal

História do ladrão

Às vezes vem-me à cabeça aquela tua história do assalto... Aquela parte em que dizias:
- E ele perguntou-me "é aqui a casa do Neto?". E eu respondi-lhe "Casa do Neto? Oh não, o senhor está enganado, aqui não é a casa do Neto!" e conduzi-o para a porta.
Lembro-me bem da tua expressão e de como sorríamos quando contavas a tua façanha, reforçando como soubeste ser inteligente e manter a cabeça fria numa altura como aquela. E repetias:
- "É aqui a casa do Neto?, Oh não, o senhor está enganado, aqui não é a casa do Neto!" - e rias, e nós ríamos contigo.
- E depois disse-lhe como se soubesse muito bem quem era o tal Neto "O senhor vai até lá ao fundo e depois vira à esquerda. A casa do Neto é mesmo ali" - contavas como tinhas enganado tão bem o ladrão, enquanto o punhas fora de casa. E continuavas - E ele saiu. Quando o vi fora de casa nem queria acreditar como tive coragem para fazer aquilo! Ele era muito maior do que eu, se quisesse dava-me uma pantufada e eu ficava ali estendida no chão! 
E nós sentíamos orgulho em ti... Uma velhota como tu, tão pequenina, magrinha e frágil, conseguiu pôr um ladrão fora de casa quase sem ele se aperceber que estava a ser delicadamente expulso e tão bem enganado. 
- Ele deve ter pensado "a velhota está maluca, de certeza!" Ah ah ah! - rias da estupidez do ladrão e da tua esperteza em fazeres-te passar por maluca. 

Contaste-nos esta história tantas vezes que já quase a sabíamos de cor. Contava-la como se fosse a primeira vez e nós ouviamo-la como se fosse a primeira vez. Era uma espécie de acordo sem que tivéssemos combinado nada. Até o J. gostava de ouvir a história do ladrão... Dizias-lhe:
- Gostas, J.? Gostas de ouvir a tizinha contar a história de como pôs o ladrão na rua? - e seguravas-lhes o rosto entre as mãos para lhe dares um beijo na face. Ele franzia-se todo com o teu beijo inesperado e dizia-te que sim para ficares contente. Mesmo já sabendo a história, não se importava de a volta a ouvir. E nós também não. Sabia-nos bem ver o teu entusiasmo a contar a história e gostávamos de nos rirmos contigo. Sabes, sentia um verdadeiro orgulho em ti? Foste mesmo uma velhota valente! Ainda me pergunto como conseguiste continuar a viver ali, naquela casa isolada, sozinha, depois do ladrão lá ter entrado. Nem toda a gente que teria a tua coragem. Podes ter a certeza que não!

Gostava de te voltar a ouvir contar a história do ladrão...
Tenho saudades tuas, sabes? 
Fazes-me falta! 

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…