Avançar para o conteúdo principal

Dar música aos macaquinhos

O meu filho quis ir aprender a tocar bateria. 
Tinha apenas andado na música para bebés e na que tem como disciplina na escola. 
A música para bebés não durou muito tempo porque ele queria era dançar e ver-se ao espelho da sala de ginásio onde eram dadas as aulas e não queria nada com os instrumentos. 
Em pouco tempo, acabámos com a música. Achámos que não valia a pena estarmos a gastar tempo e dinheiro se ele não aproveitava as aulas. 
Desde aí, só teve a música da disciplina na escola. 
Até ao dia em que fomos passar o ano a casa de uns amigos que tinham uma bateria... O puto apaixonou-se. 
Já lá passámos três passagens de ano e ele tenta sempre ficar com o lugar cativo na bateria. 
Nesta última vez foi demais, só saiu da bateria para comer e ir à casa-de-banho. Não parou de tocar toda a noite. Por isso, achámos que era boa opção ele ir experimentar ter aulas para ver se gostava assim tanto daquilo. Gostou. 
As aulas ficaram melhor opção do que lhe comprar uma bateria. Pelo preço, pelo critério "ir à experiência" e, especialmente, pelo barulho do qual livrámos os nossos ouvidos e os dos nossos vizinhos.

Esta semana, inscrevemo-lo nas ditas aulas.

Na escola de música, durante a inscrição, perguntaram-me:
- Quem escolheu o instrumento? Foi ele?
- Sim, claro! - respondi, surpreendida com a pergunta.
- Estou a perguntar isto, porque, sabe, a bateria é um instrumento que não toca, assim... uma melodia... Ele não vai tocar uma música com melodia... Os bateristas são quase considerados não-músicos, o que na realidade, é uma grande injustiça, porque são músicos como outros quaisquer. E os pais, geralmente, não gostam muito que os filhos toquem bateria, preferem outros instrumentos que tenham a possibilidade de fazer melodia. Isto está bem para vocês?
- Sim, claro, não tem problema nenhum, ele vem aprender a tocar bateria porque gosta e porque isso lhe dá prazer. Não esperamos que ele, depois, saia daqui a fazer gracinhas para mostrarmos aos amigos.
- Ah bom, ok... Surpreende-me a vossa abertura.


A sério? Isto está mesmo a chegar a este ponto? São os pais que escolhem o instrumento que os filhos vão aprender? A música serve para atribuir aptidões às criancinhas ou para as pôr a fazer gracinhas para os amigos como maquinhos de circo? Já os maquinhos estão praticamente proibidos nos circos e as crianças continuam a ser veículo do exibicionismo barato dos pais? Ou são antes um produto que se deve melhorar para poder competir com outros produtos idênticos no selvático mercado de trabalho? Ou são as duas coisas e esqueceram-se que estamos aqui a falar de crianças que, por sua vez, são pessoas? Hã? Está tudo maluquinho, é?
O simples prazer que as coisas podem dar às crianças já não interessam nada se houver uma qualquer aptidão a ser trabalhada para que elas se tornem mais competitivas ou melhores do que as outras?

Porra! Vão, mas é todos à merda, que o meu filho vai aprender a tocar bateria só porque curte bué! Olha que merda!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…