Avançar para o conteúdo principal

Dar música aos macaquinhos

O meu filho quis ir aprender a tocar bateria. 
Tinha apenas andado na música para bebés e na que tem como disciplina na escola. 
A música para bebés não durou muito tempo porque ele queria era dançar e ver-se ao espelho da sala de ginásio onde eram dadas as aulas e não queria nada com os instrumentos. 
Em pouco tempo, acabámos com a música. Achámos que não valia a pena estarmos a gastar tempo e dinheiro se ele não aproveitava as aulas. 
Desde aí, só teve a música da disciplina na escola. 
Até ao dia em que fomos passar o ano a casa de uns amigos que tinham uma bateria... O puto apaixonou-se. 
Já lá passámos três passagens de ano e ele tenta sempre ficar com o lugar cativo na bateria. 
Nesta última vez foi demais, só saiu da bateria para comer e ir à casa-de-banho. Não parou de tocar toda a noite. Por isso, achámos que era boa opção ele ir experimentar ter aulas para ver se gostava assim tanto daquilo. Gostou. 
As aulas ficaram melhor opção do que lhe comprar uma bateria. Pelo preço, pelo critério "ir à experiência" e, especialmente, pelo barulho do qual livrámos os nossos ouvidos e os dos nossos vizinhos.

Esta semana, inscrevemo-lo nas ditas aulas.

Na escola de música, durante a inscrição, perguntaram-me:
- Quem escolheu o instrumento? Foi ele?
- Sim, claro! - respondi, surpreendida com a pergunta.
- Estou a perguntar isto, porque, sabe, a bateria é um instrumento que não toca, assim... uma melodia... Ele não vai tocar uma música com melodia... Os bateristas são quase considerados não-músicos, o que na realidade, é uma grande injustiça, porque são músicos como outros quaisquer. E os pais, geralmente, não gostam muito que os filhos toquem bateria, preferem outros instrumentos que tenham a possibilidade de fazer melodia. Isto está bem para vocês?
- Sim, claro, não tem problema nenhum, ele vem aprender a tocar bateria porque gosta e porque isso lhe dá prazer. Não esperamos que ele, depois, saia daqui a fazer gracinhas para mostrarmos aos amigos.
- Ah bom, ok... Surpreende-me a vossa abertura.


A sério? Isto está mesmo a chegar a este ponto? São os pais que escolhem o instrumento que os filhos vão aprender? A música serve para atribuir aptidões às criancinhas ou para as pôr a fazer gracinhas para os amigos como maquinhos de circo? Já os maquinhos estão praticamente proibidos nos circos e as crianças continuam a ser veículo do exibicionismo barato dos pais? Ou são antes um produto que se deve melhorar para poder competir com outros produtos idênticos no selvático mercado de trabalho? Ou são as duas coisas e esqueceram-se que estamos aqui a falar de crianças que, por sua vez, são pessoas? Hã? Está tudo maluquinho, é?
O simples prazer que as coisas podem dar às crianças já não interessam nada se houver uma qualquer aptidão a ser trabalhada para que elas se tornem mais competitivas ou melhores do que as outras?

Porra! Vão, mas é todos à merda, que o meu filho vai aprender a tocar bateria só porque curte bué! Olha que merda!

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Parabéns ao Blogue!

Este blogue fez dois anos, no sábado passado, mas, para variar, esqueci-me.  Bad girl, bad bad girl!
Parabéns atrasados a ele e a mim (que sou uma atrasada nestas coisas, e noutras...).