Avançar para o conteúdo principal

O Tuga é Fixe!

Sim, o tuga é fixe. E bondoso. Tão bondoso que até quando tira a selfie em frente ao velho monumento, o faz com cara de anjo e dentes arreganhados. Não interessa o calhau que lhe serve de fundo, interessa apenas o sorriso repleto de bondade. Resplandecente de bondade. 
A benevolência é tal que está sempre pronto a dar o pedaço de pão ao pobre, a fazer o voluntariadozinho junto dos coitadinhos, a salvar o cão que lhe matou o filho, a levar o refugiado para casa... Coração imenso, grandioso.

Só tem um bocadito de medo de votar diferente nas urnas, não vá um estranho para o poder e lhe troque as voltas. E mude alguma coisa no país que o faça deixar de saber onde está o coitadinho, como se pode desviar do pobre, se cortaram as unhas ao cão ou quem é o refugiado. E tem medo de exigir que os governos governem e que a igualdade se torne realidade. (É que estas coisas acabadas em "ade" sempre foram tão perigosas... Assim como a liberdade que, ao fim de quarenta anos, ainda não sabe bem como gerir.)

Oh, mas está completamente disponível para receber refugiados em casa! (Até porque os cãezinhos fazem mais porcaria e precisam de espaço para correr...) O refugiado pode ficar no chão do quarto dos miúdos ou no sofá da sala e ainda lhe vai agradecer. Sim, agradecer e dizer ao amigos lá da terra dele que o tuga é fixe. Que o tuga é muito fixe. O tuga é tão fixe que até lhe serve comida quente ao jantar. E ensina-lhe umas palavrinhas em português, vá.

Mas impor-se como um homenzinho e obrigar o governo a fazer frente à Europa para evitar que estes povos abandonem as suas terras e se atirem ao mar em desespero? Eh pá, isso já não dá! Eh pá, isso já não é nada cool. Eles podem chatear-se connosco e atirarem-nos para o fundo da sala de aula com umas orelhas de burro. E isso não é fixe. As orelhas de burro não cabem nas selfies e fica feio. (Se fossem umas orelhas moucas, ou assim... Isso já lhe dava um certo charme, à lá povo rico e elegante.)
Não interessa que dêem à costa mais mortos que algas. Enquanto forem lá longe, o tuga disponibiliza-se a receber os que sobreviverem.
Só os que sobreviverem, claro, que para aturar mortos, o tuga não tem paciência!

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…