Avançar para o conteúdo principal

Não Gosto de Princesas!

Estava aqui a pensar porque não gosto nada da ideia das princesas e no quanto me irrita chamar-se princesa a tudo o que é menina...
Enquanto criança sempre quis ser índia. As princesas pareciam-me sempre demasiado inactivas, não faziam nada senão esperar que os cavaleiros as viessem buscar ao cimo das torres onde alguém as tinha prendido. Já as índias conduziam canoas, andavam a cavalo, costuravam roupas com peles de animais e viviam entre os animais. Tinham uma vida muito mais interessante e, na minha opinião, eram muito mais bonitas. Adorava os cabelos longos e negros, as roupas de cabedal com missangas e franjinhas, as tranças e as penas coloridas.
Pelo contrário, as princesas viviam apertadas em espartilhos e passavam os dias em frente ao espelho a pentear uns cabelos demasiado desenxabidos e à espera de um príncipe que nunca mais vinha. Demasiado monótono para quem, como eu, gostava de aventuras e de trepar às árvores e detestava esperar. Se tivesse de escolher entre a vida das princesas e a dos príncipes, por exemplo, sem dúvida que escolhia a dos príncipes. Eles sim tinham vidas entusiasmantes, passavam os dias a cavalo, trepavam às torres, lutavam com dragões e com outros cavaleiros e não se preocupavam com as unhas ou com os cabelos desalinhados.
Ainda hoje não gosto do que se relaciona com princesas. Sou pelo conforto acima do bonito, raramente pinto as unhas, maquilho-me poucas vezes e apenas de forma básica, não uso saltos altos a não ser que seja estritamente necessário, não gosto especialmente de malas e sapatos e detesto estar dentro de roupa que me aperte (o que visto justo tem de ser confortável).
Resumindo, continuo ainda hoje a encaixar-me mais no perfil da índia ou do príncipe do que no da princesa e, talvez por isso, me pareça redutor adjectivar as meninas de princesas, porque as vidas das princesas sempre me pareceram demasiado reduzidas, pequeninas até. Passar o tempo em redor de um espelho e à espera que alguém nos traga uma vida numa bandeja é entediante, e redutor, muito redutor, e encaixar as meninas, futuras mulheres, neste padrão chega a ser ofensivo.
Pelo menos para mim é.

DAQUI

Comentários

  1. Apesar de concordar com a essência do que diz acaba por ter um toque de paradoxo o papel de parede do seu blog...coraçõezinhos diria que é algo bastante à princesa, ou não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)
      Não, amigo anónimo, é amor mesmo, neste caso de mãe! :)
      Mas gostei da pertinência da sua observação. ;)

      Eliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…