Avançar para o conteúdo principal

Proibição e Educação

"O mais fácil é proibir."
Em tempos, quando me dei ao trabalho, ou ao prazer, de me dedicar a analisar comportamentos humanos, nomeadamente de professores, pais, educadores, etc., reparei que a lei do menor esforço anda, geralmente, de mãos dadas com as proibições. Proibir é o mais fácil: não há explicações a dar, não há intenção de educar, ou de justificar o porquê de uma causa surtir num determinado efeito. Nada. Proíbe-se e está feito. Se não se respeitar a proibição é-se sancionado, ponto final parágrafo. Vai-se de castigo, leva-se uma palmada, ou qualquer outra coisa que faça uma mossa idêntica à falha cometida. Assunto arrumado, não se fala mais nisso.
Ora eu sou teimosa e detesto castigos. E só dou palmadas se achar que o meu filho precisa de um abanão para estar mais atento ao que lhe quero dizer. Sim, admito, dou palmadas de vez quando. Muito raramente, porque não lhes vejo grande utilidade. Prefiro abrir as portas da consciência dos próprios actos do que abrir a mão e espetar um tabefe ao miúdo. 
Além de me parecer uma atitude mais útil, confesso que vislumbrar a compreensão da causa / efeito nos olhos do meu filho e o entendimento de uma parte importante da vida me dá maior satisfação do que o ver chorar por lhe doer o rabo. Na verdade, as palmadas que lhe dei, doeram-me sempre mais a mim do que a ele e, se não fosse por mais nada senão para proteger este coração demasiado sensível de mãe, evito magoar o meu filho seja com as mãos, seja com as palavras ou com castigos. Por isso, não dou a mão à preguiça e sou, amiúde, chata p'ra caraças. Explico tudo e mais alguma coisa e mostro que os efeitos das nossas acções não falham, e, infelizmente, nem sempre tardam. Gasto tempo a explicar-lhe as coisas, gasto tempo com o assunto, mas asseguro-me de que a mensagem passou e de que ele aprendeu alguma coisa com o erro, a falha ou a experiência, ou como lhe queiram chamar. Só assim me parece que serviu de alguma coisa, só assim vejo que aprendeu, que cresceu.
Mas às vezes, tenho que deixar o erro acontecer e ficar à espera que ele ponha o pé no buraco para aprender a olhar para o chão - para ser sincera, esta é a parte que mais me custa, mas nem por isso a acho menos importante. Antes pelo contrário, acho-a das mais importantes e decisivas para o crescimento saudável das crianças e, parece-me que andamos todos a querer saltar esta parte.
"Ah e tal, proibimos o consumo de álcool e eles já não se embebedam"; "ah e tal, controlamos as saídas da escola através de cartõezinhos electrónicos e eles já não saem da escola para irem fazer asneiras"; "ah e tal, damos-lhes uma PSP cheia de jogos giros e educativos e eles já não se distraem com coisas potencialmente perigosas como drogas e coisas dessas que viciam muito".
Explicar que há coisas que lhes fazerem mal? "Oh não, não é preciso que eles nem lhes vão chegar perto!" Deixá-los queimar os dedos para perceberem que o fogo queima? "Oh não, não é preciso que eles nunca vão usar isqueiro, porque estão proibidos de fumar e o fogão é de vitrocerâmica"

Mas um dia a bolha rebenta e eles saem lá de dentro virgens para uma vida cheia de coisas novas (boas e más) e caem no primeiro buraco que lhes aparece, porque não fazem ideia que o chão pode ter buracos. Não sabem que, além dos jogos, o álcool e o tabaco também viciam; que a escola existe fora dos muros e da porta; que o lume queima e que há gente má que, às vezes, faz mal a outras gentes.

Nesse dia, o fácil torna-se difícil. Muito difícil.

Comentários

  1. Sou a favor do "queima-te" uma vez, para veres como é.
    À segunda já pensa duas vezes.

    ResponderEliminar
  2. Este texto faz muito, muito sentido...hoje quando adormecer vou pensar muito nisto oh se vou...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

Marcadores #3

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…