Avançar para o conteúdo principal

E Ainda Dizem que os Aliens Não Existem...

O meu miúdo tem andado meio estranho. De manhã, quando acorda, tem vómitos. Depois passa-lhe e não tem mais durante todo o dia. 
Fui com ele ao médico que isto de o ver sofrer, por mais leve que seja, dá-me a volta ao estômago e aperta-me o peito. Tento fingir que não, que sou forte e muito racional, mas a verdade é que me apetece ir logo com ele ao médico em completo histerismo. A sorte é que a minha mãe faz esse papel da histérica mais rápido do que eu, o que me dá algum espaço de manobra para me armar em racional.
Foi o papel da racional e ponderada que encarnei durante duas semanas em que experimentámos tudo: mudámos de pequeno-almoço, tomou-o mais tarde, não lavou os dentes a seguir a comer, lavou os dentes antes de comer, não lavou os dentes de todo, jantou mais cedo no dia anterior, dormiu de cabeceira levantada, etc., etc. Depois destas experiências, do miúdo continuar com vómitos e de eu já poder ser histérica de consciência tranquila, fomos mesmo ao médico que lhe passou análises. Por causa delas, hoje fomos tirar sangue. 
O miúdo é um corajoso nestas coisas e foi impecável. A parte do sangue a sair foi serena, o problema foi a papelada e... comigo, claro.
Ok, eu sou uma chata, eu sei, mas há princípios que não largo, o que é que querem? 
A minha chatice de hoje foi no final da senhora receber a credencial e registar o que tinha a registar, no momento em que entregou um papel ao meu miúdo para ele assinar. Mal sabia ela o que estava a fazer... 
Perguntei se podia ser eu a assinar.
- Ah... ah... sim, mas tem que pôr o número do BI... Se for ele é mais fácil. 
- Ok, eu ponho o número do BI. Assino eu que ele não tem idade para ser responsável. Deixemo-lo aproveitar enquanto pode - respondi com meio sorriso.
- Mas não tem a ver com responsabilidade... Basta assinar - insistiu a senhora.
- Ok, assino eu. Quando ele tiver idade, ele assina.
- Temos que os deixar crescer... E eles até gostam de ser eles a assinar...
- Sim, mas é uma questão de princípios como outra qualquer, prefiro ser eu a assinar.
Assinei, pus o malvado do número do BI que custa tanto a pôr e fomos tirar sangue. A senhora e restantes clientes trocaram olhares cúmplices como quem diz "esta é maluquinha, ainda se agarra a essas porcarias chamadas princípios... dá tanto mais trabalho pôr o número do BI do que fazer como manda a burocracia..."
Fomos embora com a etiqueta de aliens colada às costas e o J. não esperou muito para me perguntar porque não o tinha deixado assinar. Também quis saber se eu achava que ele tinha sido totó por estar prestes a assinar quando a senhora lhe tinha dado a caneta e dito para ele o fazer.
Disse-lhe que não o achava nada totó e que era normalíssimo ele aceitar assinar já que a senhora lhe tinha dito para o fazer e expliquei-lhe que tinha insistido para ser eu, porque assinar um documento é responsabilizarmo-nos por ele, é um acto de cidadania em que pomos o nosso nome por baixo daquilo que lemos e aceitamos e que ele ainda tem dez anos, por isso não tem responsabilidade para o fazer e nem precisa preocupar-se com isso. Disse-lhe ainda que, quando ele tiver idade para isso, ele assinará as coisas dele com a devida responsabilidade sobre aquilo que assina e não porque gosta de brincar aos adultos como a senhora disse que os miúdos gostam de fazer. Ainda me perguntou se estava chateada. Disse-lhe que mais ou menos, que estas coisas me irritavam um bocado, mas que não era nada com ele.

Sinceramente, acho a assinatura de documentos uma coisa muito importante e que se a passarmos às crianças como uma brincadeira, elas crescerão a pensar que não tem qualquer importância e não se responsabilizarão por aquilo que assinam. 
Ao contrário do que a senhora disse, deixo o meu filho crescer, mas dou-lhe espaço e tempo para isso, porque quero que ele quando tiver que se responsabilizar pelas coisas se responsabilize mesmo e não ande por aí a fingir que é muito consciencioso com coisas que não faz a mínima ideia do que são e, como algumas pessoas que vejo, finja que sabe o que anda a fazer. Quero que ele saiba mesmo, mas no tempo devido, não cedo demais e só porque me dá mais trabalho.

Sim, esta porcaria dos princípios que os aliens têm a mania de usar não os deixa agir como lhes mandam, feitos autómatos. É coisa para os fazer pensar um bocado, mesmo naquilo que, à partida, parece uma insignificância. Sim, dá algum trabalho e isso é chato e aborrece os terrestres que são seres muito atarefados e não têm tempo para andar por aí a pôr o número do BI em tudo o que é papel.

Temos pena, vão para Marte!

Mensagens populares deste blogue

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à…