Avançar para o conteúdo principal

Estou Mesmo A Ficar Velhota!

Bem me parecia que a Clínica do Avô não estava aqui por acaso. É que esta que vos escreve anda com problemas de memória como os mais velhotes. Ou melhor, não é bem como os mais velhotes, porque, segundo me parece, eles lembram-se melhor do passado mais remoto do que do mais recente. Eu sou o contrário. Lembro-me com relativa clareza de coisinhas sem importância que tenham acontecido há... minutos, mas já não me lembro bem se este planeta é a Terra ou Marte. 
É que a humanidade apareceu por aqui há já muito tempo.

Não é que no post anterior troquei a Terra por Marte?
Chegou aqui o pai do J. a dizer "o quê? Marte? Não era isso que eu dizia, era Terra!". 
Ups!
Respondi-lhe que realmente não me suava bem Marte, mas que me tinha saído assim e acabei por deixar ficar.
"Desculpa lá, mas vais ter que mudar isso! Não tem lógica nenhuma ser Marte. Quem é que anda a chamar um bebé de Marte e para Marte? Nós estamos é na Terra!" 

Dei a mão à palmatória e mudei, um bocado contra vontade. 
Podem ir lá ver que o bebé, afinal, era chamado para a Terra. 

Se soubéssemos o que sabemos hoje, provavelmente tê-lo-íamos chamado mas era mesmo para Marte que se deve estar lá bem melhor do que aqui! Digo eu que gosto pouco de dar a mão à palmatória!

Comentários

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…