Avançar para o conteúdo principal

Correr é...

...Uma merda!

Que me desculpem os apologistas da corrida (inclusive o pai do J.), mas correr sucks! Eh pá, não gosto! Eu esforço-me, e estampo um sorriso nos lábios, e digo a mim mesma que depois dos quinze minutos é que é, é que me vou sentir super bem, e livre, e essas cenas todas que vocês, amantes da corrida, sentem. 
Mas aos quinze minutos não acontece nada e a vontade de parar de correr é cada vez maior, e grito-me (para não ter a desculpa de que não ouvi) que afinal não é aos quinze, mas aos vinte minutos que a magia acontece. Mas a magia não acontece, que eu tenho o mágico avariado, e aos vinte e cinco minutos de tortura ainda estou a pôr a cenoura à frente do burro (ou da burra) com a treta que aos trinta é que é. 
E corro trinta, a trinta e cinco, minutos a enganar-me de que aquilo é bom, e faz bem, e que já estou mais magra, e que correr é uma sensação de liberdade e de superação, e que basta eu deixar de resistir e deixar-me ir que começo a aproveitar o momento e a magia a acontecer. 
Durante trinta e cinco minutos, ecoa na minha cabeça a frase do meu filho "mesmo que estejas a morrer, não pares!". Obedeço em sofrimento até chegar o fim do tempo estipulado (ou a burra zangar-se e comer a cenoura duma dentada só).

Mal paro, voilà, a magia acontece e sinto a tal sensação de liberdade percorrer-me o corpo todo ao mesmo tempo que me diz:

Finalmente parei de correr, porra!

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…