Avançar para o conteúdo principal

Vacinar?

Não sou extremista quanto ao tema das vacinas. Acho que os pais têm o direito de decidir o que acharem melhor para os seus filhos em todas as áreas das suas vidas, mas com apenas uma pequena ressalva: Desde que não ponham em risco as suas vidas deliberada e desnecessariamente.
Deste modo, vacinar ou não vacinar é uma decisão que lhes compete, mas unicamente quando devidamente fundamentada, porque tomar uma decisão destas, que põe em risco a vida das suas crianças, e das crianças dos outros, não pode ser apenas sustentada em crenças pseudo-religiosas, há que provar cientificamente que os malefícios das vacinas são superiores aos benefícios e provar através de estudos credíveis, não de balelas pseudo-científicas. De outra forma, estes pais estarão a cometer crimes idênticos aos de quaisquer outros fundamentalistas religiosos. E aí, não há tolerância que me valha, pois se há coisa que me deixa louca é sacrificarem-se pessoas por questões religiosas e ainda pior quando se tratam de crianças.

Por isso, não consigo ler notícias destas e destas sem ficar mesmo muito preocupada. 
Os pais que optam por não vacinar os filhos, além de não protegerem os seus de doenças já quase erradicadas em muitos países, estão a contribuir para que estas voltem em forma de epidemias.
Parece-me que esta escolha só deveria ser possível quando/se as pessoas tivessem a capacidade de proteger os não-vacinados e os que lidam com eles de uma forma igualmente eficaz à das vacinas na prevenção da infecção e da contaminação. Visto, segundo o que me foi possível apurar, não existir outra forma igualmente eficaz, não me parece plausível a opção de não vacinar, ou estes pais correm o risco de tomar uma decisão irresponsavelmente criminosa.

Mas nada melhor do que lerem este texto de um senhor que tem a incrível capacidade de escrever, ainda por cima maravilhosamente, aquilo que penso.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

Marcadores #3

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…