Avançar para o conteúdo principal

Vacinar?

Não sou extremista quanto ao tema das vacinas. Acho que os pais têm o direito de decidir o que acharem melhor para os seus filhos em todas as áreas das suas vidas, mas com apenas uma pequena ressalva: Desde que não ponham em risco as suas vidas deliberada e desnecessariamente.
Deste modo, vacinar ou não vacinar é uma decisão que lhes compete, mas unicamente quando devidamente fundamentada, porque tomar uma decisão destas, que põe em risco a vida das suas crianças, e das crianças dos outros, não pode ser apenas sustentada em crenças pseudo-religiosas, há que provar cientificamente que os malefícios das vacinas são superiores aos benefícios e provar através de estudos credíveis, não de balelas pseudo-científicas. De outra forma, estes pais estarão a cometer crimes idênticos aos de quaisquer outros fundamentalistas religiosos. E aí, não há tolerância que me valha, pois se há coisa que me deixa louca é sacrificarem-se pessoas por questões religiosas e ainda pior quando se tratam de crianças.

Por isso, não consigo ler notícias destas e destas sem ficar mesmo muito preocupada. 
Os pais que optam por não vacinar os filhos, além de não protegerem os seus de doenças já quase erradicadas em muitos países, estão a contribuir para que estas voltem em forma de epidemias.
Parece-me que esta escolha só deveria ser possível quando/se as pessoas tivessem a capacidade de proteger os não-vacinados e os que lidam com eles de uma forma igualmente eficaz à das vacinas na prevenção da infecção e da contaminação. Visto, segundo o que me foi possível apurar, não existir outra forma igualmente eficaz, não me parece plausível a opção de não vacinar, ou estes pais correm o risco de tomar uma decisão irresponsavelmente criminosa.

Mas nada melhor do que lerem este texto de um senhor que tem a incrível capacidade de escrever, ainda por cima maravilhosamente, aquilo que penso.

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…