Avançar para o conteúdo principal

Caverna Da Violência

Agora que acabei com a parvoíce dos Otávios, apetece-me virar-me para coisas mais sérias como, por exemplo, a questão da violência doméstica.

Acho piada que, hoje em dia, os temas noticiados sigam uma moda. Assim como aqui nos blogues e nas redes sociais, a comunicação social entra nestas andanças de nos bombardear com o mesmo assunto enquanto lhe dura a fama e depois, quando a opinião pública fica saturada, esquece o assunto como se este nunca tivesse existido.
Noto que, de repente, tudo o que produz notícias fala da mesma coisa, ele é urgências hospitalares, jihadistas ou casais a matarem-se.
De repente, todos os hospitais têm mortes nas urgências devido a demasiado tempo de espera (pessoalmente, já passei dias quase inteiros à espera de ser atendida nas urgências e há muito tempo, não recentemente), todos os bairros têm um grupinho de jihadistas e há vários maridos a matar mulheres. Portanto, tudo coisas que anteriormente não aconteciam. Novidades fresquinhas.
Claro que o facto de não serem novidades não quer dizer que não se fale neles, mas o bombardeamento com o mesmo assunto, como se acontecesse só a partir do momento em que o mundo olhou para ele e de forma tão intensiva que o torna tão corriqueiro quanto cansativo, faz-me impressão, porque lhe tira a seriedade que lhe é devida.

O caso das urgências é flagrante.
É verdade que o presente ministro da saúde tem conseguido estragar na perfeição os nossos hospitais em geral e o SNS em particular. Em matéria de estragar o senhor é exímio. Temos que lhe dar o devido crédito. Mas dar as notícias das mortes nas urgências como se antes não acontecessem parece-me um bocado forçado e de um jornalismo feito em cima do joelho e, a modos que, "popularucho".

Como disse no princípio deste texto, queria falar de violência doméstica e vou fazer um esforço para não fugir ao assunto. Prometo.

DAQUI
Infelizmente, a violência doméstica é uma prática ancestral. Todos estamos familiarizados com a imagem do homem das cavernas a puxar a mulher pelos cabelos. Por mais estranho que possa parecer, ainda há quem ache normal um homem dar uns tabefes à mulher quando ela se porta mal. Assim como se ele fosse uma espécie de educador daquele ser considerado inferior e assim como se alguém tivesse o supremo saber para avaliar o comportamento do outro e puni-lo por esse mesmo comportamento.
Não acredito nisto como argumento para se castigarem as crianças, acredito ainda menos quando aplicado a adultos.
O problema maior aqui, se é que há problema maior do que o de agredir quem é suposto amar-se, é que às vezes a punição já nem sequer é suportada por qualquer argumento. Chega-se ao ponto de se punir o outro por tudo e por nada. Chega-se ao ponto em que o que interessa é punir, mesmo sem se ter o cuidado de tentar justificar o acto ao outro ou, e especialmente, a si próprio. A intenção passa a ser exercer a supremacia de um ser sobre o outro. Tudo o que a civilização nos ensinou é aqui esquecido, volta-se instantaneamente aos homens das cavernas e às mulheres arrastadas pelos cabelos. Volta-se tão atrás que o caminho de regresso à sanidade mental transforma-se num percurso extremamente difícil porque ficou muito acidentado.

Não é preciso ir mais longe do que aqui abaixo ao continente nosso vizinho ou à pequena aldeia nos recônditos deste país, ou até mesmo ali à capital, onde um tal de um antigo ministro agrediu publicamente uma tal apresentadora de televisão para nos depararmos com esta modalidade ancestral. As chapadas do ex-ministro não sabemos (ou eu não sei) se foram públicas, mas as declarações à comunicação social e os comentários no perfil da agredida numa tal rede social mais públicos não podiam ter sido.
Apetece-me olhar para este caso como exemplo de todos os outros em que um homem maltrata uma mulher. Porque é um padrão. As chapadas, a chantagem psicológica que usa os filhos do casal como arma de arremesso, a difamação, as injúrias.
Quando um homem maltrata a mulher age quase sempre da mesma forma. Por isso há sinais a que se deve estar atento. Há pequenas violências que não se devem ignorar, mas assinalar e fazer parar antes que cresçam, ou volta-se, rapidamente, ao tempo dos homens das cavernas.

DAQUI
Mas a violência doméstica não é exclusiva dos homens. Ah pois não. Há mulheres que violentam os seus parceiros durante toda uma vida. Só que a violência das mulheres normalmente não deixa marcas físicas que se possam mostrar. A violência das mulheres geralmente é psicológica e aparece muito em forma de manipulação do outro. Ok, não abre feridas na pele. Mas escortinha a alma. As mulheres geralmente não usam a força física para maltratar os homens, até porque esta é menor do que a deles, mas usam a força psicológica que normalmente é maior, porque as mulheres ao longo da evolução da espécie foram obrigadas a sofrer mais e em silêncio e foram-se habituando a conviver com algum sofrimento e até calejando o âmago. Ainda há quem ache que mulher que é mulher deve sofrer sem proferir um ai, deve engolir ofensas, deve esconder o que lhe dói. Ainda há quem ache que a mulher deve servir o homem, preparar-lhe as refeições, tratar-lhe da roupa, levar-lhe os chinelos e baixar-lhe a cabeça. Há quem ache que a mulher deve servir e o homem ser servido.

E é por ainda haver quem ache tanta coisa que se achava no tempo dos homens das cavernas, como os homens e as mulheres terem papéis rígidos nos relacionamentos, que ainda há homens e mulheres que se agridem de parte a parte, que ainda há liberdades esquecidas, que ainda há o desejo de controlar o outro como se este lhe pertencesse.
É por isto, e por não se verem dentro das relações de igual para igual, que mulheres manipulam homens durante uma vida inteira e que homens lhes batem até à morte.
E é por ainda não se ter conseguido mudar a mente das gentes, que há quem more com a violência dentro das quatro paredes e a deixe corroer-lhe o amor até que este faleça.

DAQUI

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…