Avançar para o conteúdo principal

Caverna Da Violência

Agora que acabei com a parvoíce dos Otávios, apetece-me virar-me para coisas mais sérias como, por exemplo, a questão da violência doméstica.

Acho piada que, hoje em dia, os temas noticiados sigam uma moda. Assim como aqui nos blogues e nas redes sociais, a comunicação social entra nestas andanças de nos bombardear com o mesmo assunto enquanto lhe dura a fama e depois, quando a opinião pública fica saturada, esquece o assunto como se este nunca tivesse existido.
Noto que, de repente, tudo o que produz notícias fala da mesma coisa, ele é urgências hospitalares, jihadistas ou casais a matarem-se.
De repente, todos os hospitais têm mortes nas urgências devido a demasiado tempo de espera (pessoalmente, já passei dias quase inteiros à espera de ser atendida nas urgências e há muito tempo, não recentemente), todos os bairros têm um grupinho de jihadistas e há vários maridos a matar mulheres. Portanto, tudo coisas que anteriormente não aconteciam. Novidades fresquinhas.
Claro que o facto de não serem novidades não quer dizer que não se fale neles, mas o bombardeamento com o mesmo assunto, como se acontecesse só a partir do momento em que o mundo olhou para ele e de forma tão intensiva que o torna tão corriqueiro quanto cansativo, faz-me impressão, porque lhe tira a seriedade que lhe é devida.

O caso das urgências é flagrante.
É verdade que o presente ministro da saúde tem conseguido estragar na perfeição os nossos hospitais em geral e o SNS em particular. Em matéria de estragar o senhor é exímio. Temos que lhe dar o devido crédito. Mas dar as notícias das mortes nas urgências como se antes não acontecessem parece-me um bocado forçado e de um jornalismo feito em cima do joelho e, a modos que, "popularucho".

Como disse no princípio deste texto, queria falar de violência doméstica e vou fazer um esforço para não fugir ao assunto. Prometo.

DAQUI
Infelizmente, a violência doméstica é uma prática ancestral. Todos estamos familiarizados com a imagem do homem das cavernas a puxar a mulher pelos cabelos. Por mais estranho que possa parecer, ainda há quem ache normal um homem dar uns tabefes à mulher quando ela se porta mal. Assim como se ele fosse uma espécie de educador daquele ser considerado inferior e assim como se alguém tivesse o supremo saber para avaliar o comportamento do outro e puni-lo por esse mesmo comportamento.
Não acredito nisto como argumento para se castigarem as crianças, acredito ainda menos quando aplicado a adultos.
O problema maior aqui, se é que há problema maior do que o de agredir quem é suposto amar-se, é que às vezes a punição já nem sequer é suportada por qualquer argumento. Chega-se ao ponto de se punir o outro por tudo e por nada. Chega-se ao ponto em que o que interessa é punir, mesmo sem se ter o cuidado de tentar justificar o acto ao outro ou, e especialmente, a si próprio. A intenção passa a ser exercer a supremacia de um ser sobre o outro. Tudo o que a civilização nos ensinou é aqui esquecido, volta-se instantaneamente aos homens das cavernas e às mulheres arrastadas pelos cabelos. Volta-se tão atrás que o caminho de regresso à sanidade mental transforma-se num percurso extremamente difícil porque ficou muito acidentado.

Não é preciso ir mais longe do que aqui abaixo ao continente nosso vizinho ou à pequena aldeia nos recônditos deste país, ou até mesmo ali à capital, onde um tal de um antigo ministro agrediu publicamente uma tal apresentadora de televisão para nos depararmos com esta modalidade ancestral. As chapadas do ex-ministro não sabemos (ou eu não sei) se foram públicas, mas as declarações à comunicação social e os comentários no perfil da agredida numa tal rede social mais públicos não podiam ter sido.
Apetece-me olhar para este caso como exemplo de todos os outros em que um homem maltrata uma mulher. Porque é um padrão. As chapadas, a chantagem psicológica que usa os filhos do casal como arma de arremesso, a difamação, as injúrias.
Quando um homem maltrata a mulher age quase sempre da mesma forma. Por isso há sinais a que se deve estar atento. Há pequenas violências que não se devem ignorar, mas assinalar e fazer parar antes que cresçam, ou volta-se, rapidamente, ao tempo dos homens das cavernas.

DAQUI
Mas a violência doméstica não é exclusiva dos homens. Ah pois não. Há mulheres que violentam os seus parceiros durante toda uma vida. Só que a violência das mulheres normalmente não deixa marcas físicas que se possam mostrar. A violência das mulheres geralmente é psicológica e aparece muito em forma de manipulação do outro. Ok, não abre feridas na pele. Mas escortinha a alma. As mulheres geralmente não usam a força física para maltratar os homens, até porque esta é menor do que a deles, mas usam a força psicológica que normalmente é maior, porque as mulheres ao longo da evolução da espécie foram obrigadas a sofrer mais e em silêncio e foram-se habituando a conviver com algum sofrimento e até calejando o âmago. Ainda há quem ache que mulher que é mulher deve sofrer sem proferir um ai, deve engolir ofensas, deve esconder o que lhe dói. Ainda há quem ache que a mulher deve servir o homem, preparar-lhe as refeições, tratar-lhe da roupa, levar-lhe os chinelos e baixar-lhe a cabeça. Há quem ache que a mulher deve servir e o homem ser servido.

E é por ainda haver quem ache tanta coisa que se achava no tempo dos homens das cavernas, como os homens e as mulheres terem papéis rígidos nos relacionamentos, que ainda há homens e mulheres que se agridem de parte a parte, que ainda há liberdades esquecidas, que ainda há o desejo de controlar o outro como se este lhe pertencesse.
É por isto, e por não se verem dentro das relações de igual para igual, que mulheres manipulam homens durante uma vida inteira e que homens lhes batem até à morte.
E é por ainda não se ter conseguido mudar a mente das gentes, que há quem more com a violência dentro das quatro paredes e a deixe corroer-lhe o amor até que este faleça.

DAQUI

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …