Avançar para o conteúdo principal

Caverna Da Violência

Agora que acabei com a parvoíce dos Otávios, apetece-me virar-me para coisas mais sérias como, por exemplo, a questão da violência doméstica.

Acho piada que, hoje em dia, os temas noticiados sigam uma moda. Assim como aqui nos blogues e nas redes sociais, a comunicação social entra nestas andanças de nos bombardear com o mesmo assunto enquanto lhe dura a fama e depois, quando a opinião pública fica saturada, esquece o assunto como se este nunca tivesse existido.
Noto que, de repente, tudo o que produz notícias fala da mesma coisa, ele é urgências hospitalares, jihadistas ou casais a matarem-se.
De repente, todos os hospitais têm mortes nas urgências devido a demasiado tempo de espera (pessoalmente, já passei dias quase inteiros à espera de ser atendida nas urgências e há muito tempo, não recentemente), todos os bairros têm um grupinho de jihadistas e há vários maridos a matar mulheres. Portanto, tudo coisas que anteriormente não aconteciam. Novidades fresquinhas.
Claro que o facto de não serem novidades não quer dizer que não se fale neles, mas o bombardeamento com o mesmo assunto, como se acontecesse só a partir do momento em que o mundo olhou para ele e de forma tão intensiva que o torna tão corriqueiro quanto cansativo, faz-me impressão, porque lhe tira a seriedade que lhe é devida.

O caso das urgências é flagrante.
É verdade que o presente ministro da saúde tem conseguido estragar na perfeição os nossos hospitais em geral e o SNS em particular. Em matéria de estragar o senhor é exímio. Temos que lhe dar o devido crédito. Mas dar as notícias das mortes nas urgências como se antes não acontecessem parece-me um bocado forçado e de um jornalismo feito em cima do joelho e, a modos que, "popularucho".

Como disse no princípio deste texto, queria falar de violência doméstica e vou fazer um esforço para não fugir ao assunto. Prometo.

DAQUI
Infelizmente, a violência doméstica é uma prática ancestral. Todos estamos familiarizados com a imagem do homem das cavernas a puxar a mulher pelos cabelos. Por mais estranho que possa parecer, ainda há quem ache normal um homem dar uns tabefes à mulher quando ela se porta mal. Assim como se ele fosse uma espécie de educador daquele ser considerado inferior e assim como se alguém tivesse o supremo saber para avaliar o comportamento do outro e puni-lo por esse mesmo comportamento.
Não acredito nisto como argumento para se castigarem as crianças, acredito ainda menos quando aplicado a adultos.
O problema maior aqui, se é que há problema maior do que o de agredir quem é suposto amar-se, é que às vezes a punição já nem sequer é suportada por qualquer argumento. Chega-se ao ponto de se punir o outro por tudo e por nada. Chega-se ao ponto em que o que interessa é punir, mesmo sem se ter o cuidado de tentar justificar o acto ao outro ou, e especialmente, a si próprio. A intenção passa a ser exercer a supremacia de um ser sobre o outro. Tudo o que a civilização nos ensinou é aqui esquecido, volta-se instantaneamente aos homens das cavernas e às mulheres arrastadas pelos cabelos. Volta-se tão atrás que o caminho de regresso à sanidade mental transforma-se num percurso extremamente difícil porque ficou muito acidentado.

Não é preciso ir mais longe do que aqui abaixo ao continente nosso vizinho ou à pequena aldeia nos recônditos deste país, ou até mesmo ali à capital, onde um tal de um antigo ministro agrediu publicamente uma tal apresentadora de televisão para nos depararmos com esta modalidade ancestral. As chapadas do ex-ministro não sabemos (ou eu não sei) se foram públicas, mas as declarações à comunicação social e os comentários no perfil da agredida numa tal rede social mais públicos não podiam ter sido.
Apetece-me olhar para este caso como exemplo de todos os outros em que um homem maltrata uma mulher. Porque é um padrão. As chapadas, a chantagem psicológica que usa os filhos do casal como arma de arremesso, a difamação, as injúrias.
Quando um homem maltrata a mulher age quase sempre da mesma forma. Por isso há sinais a que se deve estar atento. Há pequenas violências que não se devem ignorar, mas assinalar e fazer parar antes que cresçam, ou volta-se, rapidamente, ao tempo dos homens das cavernas.

DAQUI
Mas a violência doméstica não é exclusiva dos homens. Ah pois não. Há mulheres que violentam os seus parceiros durante toda uma vida. Só que a violência das mulheres normalmente não deixa marcas físicas que se possam mostrar. A violência das mulheres geralmente é psicológica e aparece muito em forma de manipulação do outro. Ok, não abre feridas na pele. Mas escortinha a alma. As mulheres geralmente não usam a força física para maltratar os homens, até porque esta é menor do que a deles, mas usam a força psicológica que normalmente é maior, porque as mulheres ao longo da evolução da espécie foram obrigadas a sofrer mais e em silêncio e foram-se habituando a conviver com algum sofrimento e até calejando o âmago. Ainda há quem ache que mulher que é mulher deve sofrer sem proferir um ai, deve engolir ofensas, deve esconder o que lhe dói. Ainda há quem ache que a mulher deve servir o homem, preparar-lhe as refeições, tratar-lhe da roupa, levar-lhe os chinelos e baixar-lhe a cabeça. Há quem ache que a mulher deve servir e o homem ser servido.

E é por ainda haver quem ache tanta coisa que se achava no tempo dos homens das cavernas, como os homens e as mulheres terem papéis rígidos nos relacionamentos, que ainda há homens e mulheres que se agridem de parte a parte, que ainda há liberdades esquecidas, que ainda há o desejo de controlar o outro como se este lhe pertencesse.
É por isto, e por não se verem dentro das relações de igual para igual, que mulheres manipulam homens durante uma vida inteira e que homens lhes batem até à morte.
E é por ainda não se ter conseguido mudar a mente das gentes, que há quem more com a violência dentro das quatro paredes e a deixe corroer-lhe o amor até que este faleça.

DAQUI

Mensagens populares deste blogue

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à…