Avançar para o conteúdo principal

Da Nostalgia À Aflição

Estava o meu homem a pôr gasolina no nosso modesto automóvel, quando olho para o lado e vejo o condutor de um BMW a pôr qualquer coisa no carro que não percebi se era gasolina ou "gasóile" e, lembrei-me do Telmo. Sim, do Telmo do Big Brother.
Lembrei-me do Telmo porque o homem do BMW era parecido com ele. O mesmo corte de cabelo, vestido com um fato-de-treino tipo Telmo e condutor de um BMW que o Telmo, com certeza, também gostaria de conduzir. Digo eu!
Pensei "o que terá acontecido ao Telmo e aos outros do Big Brother?" Pensei isto com uma espécie de nostalgia. "Oh, o que lhes terá acontecido?"
Fiquei meia assustada por "nostalgiar" aquela gente, mas se há algo que justifique esta nostalgia que senti por gente que não me diz nada enquanto pessoas, eu tinha-a. Não que gostasse deles, que não gostava, mas ainda os conseguia ver na televisão mais de... de... um segundo. A estes da Casa dos Segredos não consigo. E confesso que já tentei. Devo ter uma costeleta virada para a sociologia, porque me dá um certo prazer tentar avaliar estes fenómenos sociais. Claro que não tenho conhecimentos científicos para os aprofundar, mas gosto de os observar e tirar as minhas conclusões com a objectividade que me é possível.
Comecei a pensar na evolução dos reality shows e em como estes concorrentes que os integra mudou. O Telmo, o Zé Maria, a Sónia e até o Marco eram genuínos e estes não são. São fabricados sob todos os aspectos e são de muito pior qualidade. Infelizmente, não os consigo estudar com mais minúcia para poder estabelecer uma melhor comparação, pois não aguento ver o programa nem um minuto. Sempre que passo pelo canal e eles estão lá, a "refilice" é tão grande e aos berros que não aguento a pressão e mudo de canal. No entanto, às vezes, vejo-os nas capas das revistas cor-de-rosa e parecem-me tão artificiais que me chega a afligir. E eu não sou pessoa que se aflija com facilidade, mas a artificialidade é coisa para me constranger.

Depois, na minha dissertação sociológica privada, atrevi-me a fazer um paralelismo entre as criaturas dos Segredos e a sociedade em que vivemos e fui arrebatada por uma tristeza profunda. Constatei que os Telmos, os Marcos e os Zés Marias foram engolidos por esta gente estranha. E não me venham dizer que só há este tipo de pessoas no programa, porque as audiências são grandes e vendem-se milhares de revistas e jornais que alimentam polémicas criadas por estes concorrentes. Já para não falar nas intrigas à volta das figuras públicas que movem milhões de euros e entretêm populações inteiras.
Esta preocupação com a vida alheia e a facilidade com que se fabricam pessoas à escala daquilo que se pretende vender assusta-me, aflige-me e constrange-me. E eu não sou pessoa que facilmente se assuste, aflija ou constranja.

Volta Telmo que estás perdoado!

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Parabéns ao Blogue!

Este blogue fez dois anos, no sábado passado, mas, para variar, esqueci-me.  Bad girl, bad bad girl!
Parabéns atrasados a ele e a mim (que sou uma atrasada nestas coisas, e noutras...).