Avançar para o conteúdo principal

Da Nostalgia À Aflição

Estava o meu homem a pôr gasolina no nosso modesto automóvel, quando olho para o lado e vejo o condutor de um BMW a pôr qualquer coisa no carro que não percebi se era gasolina ou "gasóile" e, lembrei-me do Telmo. Sim, do Telmo do Big Brother.
Lembrei-me do Telmo porque o homem do BMW era parecido com ele. O mesmo corte de cabelo, vestido com um fato-de-treino tipo Telmo e condutor de um BMW que o Telmo, com certeza, também gostaria de conduzir. Digo eu!
Pensei "o que terá acontecido ao Telmo e aos outros do Big Brother?" Pensei isto com uma espécie de nostalgia. "Oh, o que lhes terá acontecido?"
Fiquei meia assustada por "nostalgiar" aquela gente, mas se há algo que justifique esta nostalgia que senti por gente que não me diz nada enquanto pessoas, eu tinha-a. Não que gostasse deles, que não gostava, mas ainda os conseguia ver na televisão mais de... de... um segundo. A estes da Casa dos Segredos não consigo. E confesso que já tentei. Devo ter uma costeleta virada para a sociologia, porque me dá um certo prazer tentar avaliar estes fenómenos sociais. Claro que não tenho conhecimentos científicos para os aprofundar, mas gosto de os observar e tirar as minhas conclusões com a objectividade que me é possível.
Comecei a pensar na evolução dos reality shows e em como estes concorrentes que os integra mudou. O Telmo, o Zé Maria, a Sónia e até o Marco eram genuínos e estes não são. São fabricados sob todos os aspectos e são de muito pior qualidade. Infelizmente, não os consigo estudar com mais minúcia para poder estabelecer uma melhor comparação, pois não aguento ver o programa nem um minuto. Sempre que passo pelo canal e eles estão lá, a "refilice" é tão grande e aos berros que não aguento a pressão e mudo de canal. No entanto, às vezes, vejo-os nas capas das revistas cor-de-rosa e parecem-me tão artificiais que me chega a afligir. E eu não sou pessoa que se aflija com facilidade, mas a artificialidade é coisa para me constranger.

Depois, na minha dissertação sociológica privada, atrevi-me a fazer um paralelismo entre as criaturas dos Segredos e a sociedade em que vivemos e fui arrebatada por uma tristeza profunda. Constatei que os Telmos, os Marcos e os Zés Marias foram engolidos por esta gente estranha. E não me venham dizer que só há este tipo de pessoas no programa, porque as audiências são grandes e vendem-se milhares de revistas e jornais que alimentam polémicas criadas por estes concorrentes. Já para não falar nas intrigas à volta das figuras públicas que movem milhões de euros e entretêm populações inteiras.
Esta preocupação com a vida alheia e a facilidade com que se fabricam pessoas à escala daquilo que se pretende vender assusta-me, aflige-me e constrange-me. E eu não sou pessoa que facilmente se assuste, aflija ou constranja.

Volta Telmo que estás perdoado!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…