Avançar para o conteúdo principal

Blogue, Para Que Te Quero?

De vez em quando, o J. lê este blogue. Diz que um dia quer lê-lo todo, de uma ponta à outra. Hoje, leu o último post, aquele ali em baixo, e gostou.

Na verdade, o homem da mosca é um bocadinho obra dele também. Temos por hábito escolher personagens para as minhas histórias. Diz-me "mãe, tens de escrever sobre esta pessoa", aponta-me características a explorar na ficção e inventamos em conjunto outras coisas sobre ela.

Leu mais do que o último post. Foi andando para trás e descobrindo o que fui escrevendo sobre ele. Saltou os últimos parágrafos do Pai Natal "porque é feio e não consegui ficar a olhar para a cara dele", explicou. 
Quando chegou aos Pedaços de amor que se exilam ralhou-me "não devias ter escrito aquilo. Eu pedi-te...". Ao que lhe respondi que também acho as coisas menos boas importantes. Confessou-me que não leu este post todo porque não quis lembrar aquilo que o fez sofrer na altura.

"Quanto tempo achas que vou demorar a ler o blogue todo?", perguntou. "Não muito tempo, descansa", sosseguei-o, "são quase quatro anos de blogue, mas não tem muito para ler".

Sei que podia não lhe contar o que escrevo e até impedir que lesse o que vou dizendo sobre ele, podia esconder-lhe alguns textos ou mentir sobre o seu conteúdo. Mas não quero isso, o blogue é meu, mas é dele também. Até é mais dele do que meu. É ele que aqui está, sob os meus olhos, mas não deixa de ser ele.

Quero que este blogue seja uma carta de mãe para filho e que sirva para, mais tarde quando eu já não estiver e ele precisar, poder vir aqui sentar-se ao meu colo e ouvir as minhas palavras de conforto. Quero que possa rever as alegrias, mas também as angústias, que a maternidade me ofereceu; quero que sinta que me pode encontrar sempre neste cantinho da blogosfera e que aqui terá sempre os meus braços, e coração, abertos para ele; quero que saiba que o meu carinho fica cá guardado para as emergências e que, neste lugar, o meu amor será sempre só dele e imenso como se diz que só é o amor das mães.

Comentários

  1. Acho bonito essa partilha.
    Por vezes escrevemos coisas que não conseguimos dizer cara a cara com as pessoas que amamos e elas lerem e sentirem o que escrevemos acho saudavel.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…