Avançar para o conteúdo principal

Amores Confessados ao Vento

Ontem, fui dar um passeio com o J. junto ao rio. 
Mãe e filho vimos o sol pôr-se lá longe enquanto conversámos sobre a vida, sobre as pessoas, sobre as relações. 
O vento, que teimava em despentear-nos os cabelos, levou confissões de amores antigos contados em segredo a um filho demasiado curioso.

- Acho que nunca vou gostar de ninguém - disse meio desiludido.
- Porquê?
- Porque sessenta e cinco por cento das pessoas são parvas.
- Eh!!! Também não é assim.
- É pois. 
- Acreditando que isso é verdade, ainda há trinta e cinco por cento que não são parvas. Nessas trinta e cinco por cento pode haver alguém de quem gostes.
- Não acredito.
- Então e a M.?
- A M. é parva. Só diz parvoíces.
- Não acredito que isso seja verdade.
- É, mãe, garanto-te. Tens um gravador para eu levar para a escola e gravar o que ela diz para te mostrar?
- Não. Só tenho o do telemóvel.
- Se eu gravasse depois vias como tenho razão.
- As raparigas, tal como os rapazes, passam por umas idades um bocado parvas, mas depois isso passa-lhes.
- Acho que ela ainda vai ficar mais parva.
- Eh, que mau!

E voltámos aos meus amores antigos, à quantidade de namorados que tive, ao tipo de relações. Até que me pediu que lhe contasse como conheci o pai e como começámos a namorar. Quis saber do primeiro beijo. Contei-lhe da noite inteira que passámos juntos, deitados num colchão no chão da sala em que falámos horas de testas coladas sem nos beijarmos, apenas selando os lábios um no outro pela manhã.

Olhou-me com olhos doces e disse:
- Quero um amor assim. Como o vosso.

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…