Avançar para o conteúdo principal

Crianças Sós

Há crianças abandonadas por aí. Telefones e tablets olham por elas.
Largadas à sua sorte e ao que estes aparelhos lhes podem ensinar, mordem-nos ao nascer dos dentes e chocalham-nos como se fossem rocas. É a fase oral de Freud em 4,7 polegadas de telefone.
Outras, maiorezinhas, em vez de os comerem, procuram o mundo nos seus ecrãs tácteis. Nos jogos, que ao toque dos seus pequeninos dedos lhes dão poderes de fazer saltar bonequinhos pelo ar ou matar bichinhos imaginários, encontram a única realidade que as acompanha.
E estão sozinhas ali. Longe dos pais que se demitiram de as ouvir, de lhes falar, de lhes tocar. Longe do que é a linguagem do amor, sufixos da palavra esquecimento. Crianças que perderam o crescimento, antes mesmo do seu começo. Crianças sós acompanhadas de pais ausentes.

Comentários

  1. Nos anos 70 éramos aconchegados num cesto (canastra - assim se designa aqui no norte) e éramos assim deixados enquanto as mães cavavam a terra ou lavavam a roupa no tanque. Metíamos à boca pedras, ervas e bichos. Mal começávamos a caminhar, ficávamos sozinhos com os mais velhinhos. a partir dos 4 / 5 anos já podíamos fazer tarefas como apanhar pequenos galhos, batatas, guardar ovelhas, etc. Aos 14 já praticamente todos trabalhávamos nas fábricas de calçado. Talvez a realidade da grande cidade fosse diferente, mas no Portugal rural as crianças sempre cresceram sozinhas e entregues a si mesmas. Hoje, apenas têm tecnologia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo,

      Não deixa de ser verdade o que aqui nos expôs, no entanto não queria deixar de o lembrar que nos anos 70 não havia a informação e o conhecimento do que à educação e relações pessoais diz respeito, que há hoje em dia.
      O que mais me indigna e entristece é que o facto de haver toda uma panóplia de formações, workshops e coachings, não contribuiu para uma grande mudança nas relações humanas desde essa altura e as pessoas continuam longe umas das outras.
      Como tão bem disse, "hoje, apenas têm tecnologia". Pergunto, o que surgirá no futuro para as manter afastadas?

      Eliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

Marcadores #3

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…