Avançar para o conteúdo principal

O Perigoso Mundo do Zapping

Preparo-me a rigor: pijama, pantufas, manta a tapar tudo desde os pés até às axilas, gato sobre os joelhos, comando da televisão na mão direita. Dou início ao zapping. 
Passo depressa pelas telenovelas dos primeiros canais, corro através da Casa dos Segredos de olhos e ouvidos fechados para não ficar contaminada pelas Legionelas que por ali pairam e estaciono num canal de notícias pensando-me a salvo. Quando ainda estou a arrumar o veículo, sou bombardeada por jactos de escárnio e devassa Socrática e fujo para o canal seguinte. Aqui, sou brutalmente atropelada por tanques de análise futebolística. Volto a fugir a sete pés e caio que nem uma patinha num canal até ao presente desconhecido. No canto superior esquerdo posso ler Sic Caras. Por ser estranho, demoro-me uns minutos a observar o espécime. Quatro seres alinham-se em poltronas que formam uma meia-lua. Oiço-os comentar o que outros seres, que vão aparecendo em fotografias, trazem vestido. Assustada, interrogo-me como pode haver quem goste de fazer aquilo. E quem goste de ver e ouvir aquilo. Como ninguém me responde, nem eu própria consigo arranjar uma resposta que me satisfaça, fico ali entre a indignação e o terror. Reparo que um dos joelhos por debaixo do gato começa a tremer. Ele incomoda-se e muda de posição. Sinto os nervos a pulsarem-me nas têmporas, a respiração aproxima-se do arfar, os batimentos cardíacos aceleram, toda eu estou agora em alerta. Procuro desesperadamente um local seguro onde ninguém, daquela gente, me encontre. Debaixo da mesa? Da manta? Do gato? 
Volto atrás no zapping. O polegar aumenta a velocidade a cada canal que se vai. Encontro um onde só há gente de facas nas mãos, comida, tachos e uns gajos que falam aos saltinhos. Peço refúgio aos gajos dos saltinhos. 

Pouso o comando, deslizo no sofá até ficar com o gato ao colo e adormeço na paz das maioneses e dos ovos estrelados. 
Ámen!

DAQUI

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…