Avançar para o conteúdo principal

A Anos-Luz

Sei que ando um bocadinho afastada daqui. 
No fundo, no fundo, não é só daqui ou nem é daqui. Ando afastada desta coisa da escrita porque também destas coisas que se passam na vida. Das notícias, das polémicas, das conversas, das pessoas. Das pessoas. Cada vez mais das pessoas. Afligem-me muito. O que pensam, o que dizem, o que sentem. Mas o mal é meu que não consigo entendê-las. O mal é meu que não consigo dar a importância necessária a coisas, para mim, frívolas. Ou é meu que não encontro pessoas com quem sinta proximidade intelectual além dos meus muito próximos. Não que me sinta superior, que não sinto, é mais uma coisa de sintonia - não me sinto em sintonia com mais ninguém além dos meus muito próximos. Parece que estou sempre noutra, numa muito diferente da dos outros. 
Às vezes, chego a ter a sensação que vivo num planeta diferente. 
O que a mim me parece claro e lógico, aos outros parece completamente ridículo e sem nexo. E vice-versa. Não que eu ou os outros sejamos melhores ou piores. Somos diferentes, muito diferentes, tão diferentes que poderíamos ter um oceano ou um céu a separar-nos. Daí a sensação de assincronia. Daí a ideia de imensidão entre nós, de incompreensão.

De solidão.  

Comentários

  1. Compreendo muito bem, sinto o mesmo muitas vezes. Mas penso que nunca estamos sozinhos naquilo que somos ou pensamos, apenas desencontrados dos semelhantes. E por vezes à nossa volta até andem pessoas com realidades interiores talvez parecidas, mas que não se vislumbram na parte de fora ou que simplesmente não se conseguem comunicar e que por isso é como se não existissem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, pode ser. Mas essa inexpressão dos sentimentos torna as relações um pouco vazias.
      :(

      Eliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…