Avançar para o conteúdo principal

Pessoal do Estrume

Sei que me olham com algum respeito e interesse enquanto não sabem quais as minhas habilitações académicas. Provavelmente, pensam que tenho algum curseco superior. Talvez por não ser uma completa ignorante ou até por saber ler. Vá-se lá saber!
Sinto que só lhes interesso até de me perguntarem "qual é o teu curso?", "o que é que fazes?" ou "o que é que fazias?".
Quando lhes digo que não tenho nem licenciatura nem mestrado e que por acaso até frequentei o ensino superior, mas nunca o acabei e remato a conversa a dizer que fui tratadora de cavalos ou assistente administrativa, já não lhes interesso. 
De repente, todo o interesse que tinham demonstrado pela minha pela pessoa, esfuma-se no ar.
Noto isto, mas não deixo de lhes dizer o que fiz na vida, já que lhes interessa tanto. Muitas vezes até faço questão de acrescentar que carreguei fardos de palha, sacas de ração e limpei estrume. 
Se pensar bem, ter sido administrativa foi das merdas mais leves que fiz, mas não a de que mais me orgulho. No fundo, no fundo, orgulho-me mais de ter carregado o estrume dos cavalos do que o de executivos. É mais limpinho, biológico e saudável. Porém, este não é tão bem aceite pelos ex-interessados em mim, que deixam automaticamente de me perguntar seja o que for.
Para ser sincera, não me sinto nada diminuída perante os mestres ou licenciados que este tipo de interessados/desinteressados em mim respeitam. Sei que todo o estrume que carreguei nesta vida me deu um arcaboiço que eles nunca terão nem compreenderão. Tal como eu não terei a "experiência" de vida que lhes deu as brincadeiras das praxes durante os anos em que frequentaram as universidades. (Esta foi mazinha, eu sei!) Mas também não trocava. 
(Eh pá, pronto, gosto do estrume, o que é que querem?)

Mas, apesar de não ser rapariga de muito estudo, gosto de olhar para estes comportamentos humanos de uma forma analítica e tentar perceber o que move esta gente a agir desta forma. [Desculpem lá, mas deve ser o contacto com o estrume que faz estes efeitos no cérebro das pessoas como eu, que não estudaram muito. Põe-nas a pensar, assim, um bocado. Ou então é a falta das praxes! 
(Ai que eu sou tão má! A culpa é do estrume, hã!) ]

Olho para estas pessoas ex-interessadas noutras e parece-me que o excesso de informação que as cerca (e a nós, pessoal do estrume, também), as obriga a fazer uma selecção dos outros com que se poderão querer relacionar de uma forma muito mais rápida, porque como todo o tipo de gente e informação lhes aparece quase à velocidade do som, elas não têm tempo de aprofundar o conhecimento, tanto das pessoas como do saber em geral. E aí seleccionam-nas baseadas em critérios completamente superficiais, como as habilitações por exemplo. 
Penso que, primeiro, poderá por ser já uma questão cultural avaliar os outros pelas habilitações académicas. Segundo porque, como já há tantos licenciados e mestrados completamente ignorantes, parte-se do princípio que os não são nem uma coisa nem outra só podem ser perfeitos asnos. 

Lamento, mas vou ter que os desiludir e tornar este processo de selecção de pessoas um pouco mais difícil ao dar-lhes esta pequena informação de borla:

NEM TODOS SÃO PERFEITOS ASNOS. HÁ TAMBÉM OS QUE LHES LIMPAM O ESTRUME! 
OK?

Comentários

  1. A parte positiva é que tu própria podes fazer logo uma selecção com base em quem selecciona dessa forma. Limpinho! (Depois de tanto estrume, tinha que dizer isto)

    ResponderEliminar
  2. Eh eh eh. E já o faço quando dá. Ou não fosse eu perita a limpar estrume!
    Ui, que maldade minha!
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Poisssssssssssssss! e quando a selecção inclui a nome de família ou o local onde moras dá mesmo vontade de lhes encher a cara de......estrume!

    ResponderEliminar
  4. tenho uns amigos que respondem "vendemos merda" quando alguém lhes pergunta o que fazem :P (http://www.kingpooplanet.com/)

    p.s. cuidado a generalizar com o ensino universitário e a relação directa com as praxes, pois se fez frequência do mesmo, poderei concluir que também andou por lá ;)

    ResponderEliminar
  5. Isa,
    Qualquer catalogação é má. O problema é que acho que não há mesmo tempo para se ir mais fundo e, geralmente, fica-se pela rama.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Cipreste,
    A menção/relação com as praxes é maldade pura da minha parte. Por vezes, também gosto, ora! ;)
    Na verdade, andei por lá, mas não pelas praxes porque a minha universidade era à distância.

    ResponderEliminar
  7. Quanto sinto isso dá-me um gozo deitar por terra toda a ideia que fizeram da minha pessoa, porque também não tenho curso superior, sou administrativa desde que me lembro e adoro o que faço, mas muito superior em postura e trato com as pessoas, como pessoas e não com o que tem.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…