Avançar para o conteúdo principal

Histórias Guardadas

O peso dos ombros inclina-a um pouco para a frente. Sentada na cadeira de napa azul-esverdeada encostada à parede da sala de convívio, junta as mãos no regaço. Os dedos entrelaçados como que a fechar o abraço à volta do próprio corpo cerram em si histórias mil. Oitenta e sete anos de agitadas aventuras dentro daquela vida, agora, estagnada. 

Quem diria que um dia enclausurada entre os momentos em que se lembra, e os que esquece, que naquela sala de convívio não se convive?

Se o olhar se levanta das mãos que guardam todos os anos, vê velhos em estado meio demente, entregues à falta de tempo dos familiares e à distância protectora dos profissionais, que aguardam a morte no vazio do agora.
Ela bem conhece o passado cheio que, também eles, trazem e ninguém vê. Bem sente o peso das lutas e conquistas que lhes preenche os corpos inúteis à vontade de fugir.
Tal como eles, acaba por calar a revolta no entorpecimento dos medicamentos e na resignação da vida que ficou no que foi e já não é. Mas o segredo que guarda em si não está nos males que o corpo insiste em suportar, mas no peso das histórias que viveu, que a inclina um pouco para a frente, quando está sentada na cadeira de napa azul-esverdeada, e que faz questão de carregar para todo o lado, imponentemente, sobre os ombros.

Comentários

  1. Avó??
    Belo texto com sempre...

    Beijinho,.
    ANDA BEM , mammyeu?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma espécie de avó, mas não minha.
      Ando bem. Obrigada.

      Beijinhos Anamar

      Eliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…