Avançar para o conteúdo principal

- Estou a Falar da Empresa X e o Meu Nome é Luís!

De pasta de cabedal a tira-colo, Luís faz todos os dias o caminho para o call-center. Num passo decidido e forçado, segue para mais um dia de chamadas telefónicas.
Mal chega, repete o ritual diário. Senta-se na pequena secretária, por onde tem de puxar a perna com a mão para a conseguir encaixar debaixo da mesa, espalha pela secretária alguns pertences de forma meticulosamente ordenada: a caneta, o minúsculo bloco de notas, os óculos de ver ao perto. Por fim, coloca os auscultadores nos ouvidos com cerimoniosa concentração.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Enquanto tenta convencer os clientes que aquele é o melhor pacote de telefone, televisão, Internet e telemóveis, Luís imagina os átomos e as moléculas que anteriormente estudava a formar combinações químicas inusitadas dentro do cérebro dos seus interlocutores.

Antes de ter sido despedido, Luís liderava uma equipa que estudava as reacções químicas no cérebro dos doentes de Alzheimer.
Quando lhe disseram "Luís, acabou-se o subsídio do Estado para este projecto. Não há mais fundos que o continuem a financiar. Vamos ter de ficar por aqui." caiu-lhe tudo ao chão.
O estômago foi o primeiro. Correu para a casa-de-banho e despejou tudo o que tinha comido ao almoço sanita adentro. Depois vieram as lágrimas que lhe saltaram dos olhos como se se quisessem atirar de uma ponte abaixo. As mãos tremiam-lhe como doidas e a boca desenhava um "quinze anos nisto para acabar assim" silencioso.
Luís sempre tinha vivido no meio de moléculas, átomos, protões, electrões e todas essas partículas que tanto estudou. Tirarem-lhe a química era enfiarem-lhe a vida num tubo de ensaio, aquecerem-na numa lamparina e fazerem-na explodir.
E foi isso mesmo que fizeram, quando lhe entregaram a carta de despedimento.
Durante uns meses, andou a bater mal. Pensou em acabar com a vida várias vezes. Numa delas, chegou a pendurar uma corda nas traves do tecto do sótão, mas a mulher apanhou-o pendurado no banco a ajeitar a corda e fê-lo jurar que não colocaria aquela gravata e a abandonaria no meio de tanta aflição.
A partir desse dia, decidiu que, já que não se podia matar, iria tentar arranjar um trabalho. Sem átomos ou moléculas, mas com um salário ao fim do mês.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Arranjou-o ali, num call center. No meio de colegas com vinte e poucos anos, Luís entregou-se a fazer telefonemas a gente que não está para o ouvir, a troco de umas moedinhas que dão para comprar qualquer coisa que comer até ao dia vinte de cada mês. A partir daí, a mulher faz umas invenções culinárias para chegarem vivos aos dias trinta.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Mas nem só os seus colegas são miúdos, os chefes também ainda estão a maturar. Especialmente aquela coordenadora que o persegue e fica a ver se há algo que o distraia da exímia tarefa de telefonar. Sempre que lhe nota alguma desatenção faz questão de o chamar:
- Luís, está a pensar em quê? Faça já outro telefonema! Não há tempo para ficar a pensar!
Ao mesmo tempo que marca mais um número, (só para contrariar a coordenadora) fica a pensar na frase "não há tempo para ficar a pensar". E não há.
Se dantes lhe pagavam para pensar, agora pagam-lhe para não o fazer. A verdade, é que lhe pagam menos, o que quer dizer que os seus raciocínios anteriores eram mais valiosos do que o seu, agora, vazio mental.
Perante tamanha ausência química, e quiçá física, Luís sabe que se ainda procura O2 em cada inspiração, se deve precisamente a isso, à consciência do valor da sua insaciável mente.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…