Avançar para o conteúdo principal

- Estou a Falar da Empresa X e o Meu Nome é Luís!

De pasta de cabedal a tira-colo, Luís faz todos os dias o caminho para o call-center. Num passo decidido e forçado, segue para mais um dia de chamadas telefónicas.
Mal chega, repete o ritual diário. Senta-se na pequena secretária, por onde tem de puxar a perna com a mão para a conseguir encaixar debaixo da mesa, espalha pela secretária alguns pertences de forma meticulosamente ordenada: a caneta, o minúsculo bloco de notas, os óculos de ver ao perto. Por fim, coloca os auscultadores nos ouvidos com cerimoniosa concentração.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Enquanto tenta convencer os clientes que aquele é o melhor pacote de telefone, televisão, Internet e telemóveis, Luís imagina os átomos e as moléculas que anteriormente estudava a formar combinações químicas inusitadas dentro do cérebro dos seus interlocutores.

Antes de ter sido despedido, Luís liderava uma equipa que estudava as reacções químicas no cérebro dos doentes de Alzheimer.
Quando lhe disseram "Luís, acabou-se o subsídio do Estado para este projecto. Não há mais fundos que o continuem a financiar. Vamos ter de ficar por aqui." caiu-lhe tudo ao chão.
O estômago foi o primeiro. Correu para a casa-de-banho e despejou tudo o que tinha comido ao almoço sanita adentro. Depois vieram as lágrimas que lhe saltaram dos olhos como se se quisessem atirar de uma ponte abaixo. As mãos tremiam-lhe como doidas e a boca desenhava um "quinze anos nisto para acabar assim" silencioso.
Luís sempre tinha vivido no meio de moléculas, átomos, protões, electrões e todas essas partículas que tanto estudou. Tirarem-lhe a química era enfiarem-lhe a vida num tubo de ensaio, aquecerem-na numa lamparina e fazerem-na explodir.
E foi isso mesmo que fizeram, quando lhe entregaram a carta de despedimento.
Durante uns meses, andou a bater mal. Pensou em acabar com a vida várias vezes. Numa delas, chegou a pendurar uma corda nas traves do tecto do sótão, mas a mulher apanhou-o pendurado no banco a ajeitar a corda e fê-lo jurar que não colocaria aquela gravata e a abandonaria no meio de tanta aflição.
A partir desse dia, decidiu que, já que não se podia matar, iria tentar arranjar um trabalho. Sem átomos ou moléculas, mas com um salário ao fim do mês.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Arranjou-o ali, num call center. No meio de colegas com vinte e poucos anos, Luís entregou-se a fazer telefonemas a gente que não está para o ouvir, a troco de umas moedinhas que dão para comprar qualquer coisa que comer até ao dia vinte de cada mês. A partir daí, a mulher faz umas invenções culinárias para chegarem vivos aos dias trinta.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Mas nem só os seus colegas são miúdos, os chefes também ainda estão a maturar. Especialmente aquela coordenadora que o persegue e fica a ver se há algo que o distraia da exímia tarefa de telefonar. Sempre que lhe nota alguma desatenção faz questão de o chamar:
- Luís, está a pensar em quê? Faça já outro telefonema! Não há tempo para ficar a pensar!
Ao mesmo tempo que marca mais um número, (só para contrariar a coordenadora) fica a pensar na frase "não há tempo para ficar a pensar". E não há.
Se dantes lhe pagavam para pensar, agora pagam-lhe para não o fazer. A verdade, é que lhe pagam menos, o que quer dizer que os seus raciocínios anteriores eram mais valiosos do que o seu, agora, vazio mental.
Perante tamanha ausência química, e quiçá física, Luís sabe que se ainda procura O2 em cada inspiração, se deve precisamente a isso, à consciência do valor da sua insaciável mente.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Comentários

  1. Dá um nó no estomoga ler e ouvir relatos desses.
    Ao que chegou o nosso pais.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…