Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2014

Dejectos Verbais

Ando a abusar da imprensa on-line.  Chego a esta conclusão quando o resumo das notícias que guardo na cabeça são os insultos nos comentários no final das notícias e no Facebook.  Fico na dúvida se as pessoas acham mesmo as alarvidades que dizem ou se apenas esperam um motivo para despejar a raiva. Ler "que volte o Hitler" ou "que volte o Salazar", fora todos os outros dejectos verbais que por lá escarrapacham, faz-me sentir a única sã do manicómio.
Ou então a maluca sou eu.

A Ressaca (Podem Passar à Frente Que Este Post é Só Para Matar o Vício)

Há precisamente dez dias que não escrevo nada aqui no blogue.  Tenho tido uma certa (imensa) preguiça, a inspiração foi dar volta, há um vazio qualquer neste peito (ou cérebro)... Enfim... Não sei! Só sei que estou a ressacar a escrita. Por isso, hoje escrevo esta porcaria de texto só para escrever alguma coisa e não ir para a cama cheia de comichões como nas noites passadas.  Carregar nas teclas e ter a sensação que estou a dizer alguma coisa, por pior que seja a qualidade dessa coisa, faz-me sentir bem. Ridículo, não? Mas verdade.
Pronto, já me sinto um bocadinho melhor. Boa noite e até amanhã.

A Educação Também Está...

... no exemplo.

# 26 Músicas Que Entranham...

Histórias Guardadas

O peso dos ombros inclina-a um pouco para a frente. Sentada na cadeira de napa azul-esverdeada encostada à parede da sala de convívio, junta as mãos no regaço. Os dedos entrelaçados como que a fechar o abraço à volta do próprio corpo cerram em si histórias mil. Oitenta e sete anos de agitadas aventuras dentro daquela vida, agora, estagnada. 
Quem diria que um dia enclausurada entre os momentos em que se lembra, e os que esquece, que naquela sala de convívio não se convive?
Se o olhar se levanta das mãos que guardam todos os anos, vê velhos em estado meio demente, entregues à falta de tempo dos familiares e à distância protectora dos profissionais, que aguardam a morte no vazio do agora.
Ela bem conhece o passado cheio que, também eles, trazem e ninguém vê. Bem sente o peso das lutas e conquistas que lhes preenche os corpos inúteis à vontade de fugir.
Tal como eles, acaba por calar a revolta no entorpecimento dos medicamentos e na resignação da vida que ficou no que foi e já não é. Ma…

Podia Avaliar-se o Nível de Civismo de um Povo Pelas Condições em Que Encontramos as Casa-de-Banho Públicas

Não há dúvidas de que Portugal estaria atirado para os últimos lugares!

- Estou a Falar da Empresa X e o Meu Nome é Luís!

De pasta de cabedal a tira-colo, Luís faz todos os dias o caminho para o call-center. Num passo decidido e forçado, segue para mais um dia de chamadas telefónicas.
Mal chega, repete o ritual diário. Senta-se na pequena secretária, por onde tem de puxar a perna com a mão para a conseguir encaixar debaixo da mesa, espalha pela secretária alguns pertences de forma meticulosamente ordenada: a caneta, o minúsculo bloco de notas, os óculos de ver ao perto. Por fim, coloca os auscultadores nos ouvidos com cerimoniosa concentração.

- Estou a falar da empresa X e o meu nome é Luís!

Enquanto tenta convencer os clientes que aquele é o melhor pacote de telefone, televisão, Internet e telemóveis, Luís imagina os átomos e as moléculas que anteriormente estudava a formar combinações químicas inusitadas dentro do cérebro dos seus interlocutores.

Antes de ter sido despedido, Luís liderava uma equipa que estudava as reacções químicas no cérebro dos doentes de Alzheimer.
Quando lhe disseram "Luís,…

Pessoal do Estrume

Sei que me olham com algum respeito e interesse enquanto não sabem quais as minhas habilitações académicas. Provavelmente, pensam que tenho algum curseco superior. Talvez por não ser uma completa ignorante ou até por saber ler. Vá-se lá saber! Sinto que só lhes interesso até de me perguntarem "qual é o teu curso?", "o que é que fazes?" ou "o que é que fazias?". Quando lhes digo que não tenho nem licenciatura nem mestrado e que por acaso até frequentei o ensino superior, mas nunca o acabei e remato a conversa a dizer que fui tratadora de cavalos ou assistente administrativa, já não lhes interesso.  De repente, todo o interesse que tinham demonstrado pela minha pela pessoa, esfuma-se no ar. Noto isto, mas não deixo de lhes dizer o que fiz na vida, já que lhes interessa tanto. Muitas vezes até faço questão de acrescentar que carreguei fardos de palha, sacas de ração e limpei estrume.  Se pensar bem, ter sido administrativa foi das merdas mais leves que fiz,…