Avançar para o conteúdo principal

Criminalização de Maus-Tratos a Animais de Companhia, Guerra na Faixa de Gaza e Selfies aos Molhos

Aparentemente, estes três assuntos nada têm a ver uns com os outros. Aparentemente não, não têm mesmo nada a ver uns com os outros. Se procurarmos bem, talvez encontremos um ténue ponto em comum. Esse ponto quase invisível estará situado lá para os lados do ridículo de cada um deles, mas só os mais perspicazes o encontrarão, já que o ponto se vê mesmo muito mal.

A criminalização de maus-tratos a animais de companhia traz o "ridículo" nos animais de companhia. Haver animais denominados "de companhia" já é um maltrato mais do que suficiente, já não é preciso sequer dar um safanão ao animal. A existência de animais-coisas basta-se a si própria como agressora. Mas o Homem de tão poderoso que é, não se podia deixar ficar numa amena posse animal, e inventou uma classificação para certos animais que os coloca abaixo de animal-coisa ou "de companhia". São os animais cuja agressão gera dinheiro e que, por isso, já se podem bater e abater à vontade. Estes animais além de serem considerados coisas, são umas coisas mais reles do que as outras, as "de companhia", por isso são legalmente agredidas e servem essencialmente para isso, para serem agredidas.

DAQUI

Ainda no ridículo desta lei, constatamos que a maior parte dos seus apoiantes são os auto-proclamados "defensores dos direitos dos animais" que, na minha opinião, são do piorzinho no que toca a defender os animais, pois atribuem-lhes direitos humanos e não direitos animais que, podendo parecer a mesma coisa, não é e contribui para os agredir praticamente o mesmo que umas pauladas ou uns encontrões. Mas como estes auto-proclamados defensores dão "banho ao cão" todas as semanas e cortam-lhe as unhas com regularidade para o bicho ficar todo janota e "muito limpinho", já não faz mal que o cão se sinta realmente bem é quando se rebola na lama ou desgasta as unhas ao escavar um buraco onde esconder o osso mais precioso. Que se sinta bem e no direito de o fazer quando lhe apetecer e não quando o "dono" assim o decidir e se o decidir. 
Enfim, visões diferentes da mesma realidade e talvez seja mesmo eu que estou errada. Para variar!

DAQUI
Saltando de ridículo em ridículo e aterrando no da guerra em Gaza percebemos que o mesmo Homem dos direitos dos animais "de companhia" (que não são "dos animais" mas "de humanos" e que talvez por isso mesmo não se devessem chamar "direitos") mata indiscriminadamente seres da mesma espécie que fazem parte de uma tal de "Humanidade" por causa de uma coisa super importante que apelida de "religião" e de um ser (ou dois ou três, ou cem) que nem sabe se realmente existe.
Enfim, visões diferentes da mesma realidade e talvez seja mesmo eu que sou fundamentalista e ande a precisar de mudar de óculos. 

Daqui
Por fim, não será difícil esborracharmos a cara no ridículo de uma selfie qualquer, basta haver um único elemento da dita espécie "humanidade", um aparelhómetro que tire fotografias e um ego narcisista às pazadas que, voilà, esta revela-se ao mínimo clic.

DAQUI
*Afinal enganei-me, os pontos ténues são dois e não um, além do "ridículo", há uma sombra quase transparente, que apenas se vê se pusermos uns óculos de infra-vermelhos e que passa facilmente despercebida a qualquer um de nós, diz que se chama qualquer coisa parecida com "Homem" e segundo parece a junção destes dois pontos costuma resultar em selfies. É o que dizem, eu cá não sei de nada!

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…