Avançar para o conteúdo principal

Criminalização de Maus-Tratos a Animais de Companhia, Guerra na Faixa de Gaza e Selfies aos Molhos

Aparentemente, estes três assuntos nada têm a ver uns com os outros. Aparentemente não, não têm mesmo nada a ver uns com os outros. Se procurarmos bem, talvez encontremos um ténue ponto em comum. Esse ponto quase invisível estará situado lá para os lados do ridículo de cada um deles, mas só os mais perspicazes o encontrarão, já que o ponto se vê mesmo muito mal.

A criminalização de maus-tratos a animais de companhia traz o "ridículo" nos animais de companhia. Haver animais denominados "de companhia" já é um maltrato mais do que suficiente, já não é preciso sequer dar um safanão ao animal. A existência de animais-coisas basta-se a si própria como agressora. Mas o Homem de tão poderoso que é, não se podia deixar ficar numa amena posse animal, e inventou uma classificação para certos animais que os coloca abaixo de animal-coisa ou "de companhia". São os animais cuja agressão gera dinheiro e que, por isso, já se podem bater e abater à vontade. Estes animais além de serem considerados coisas, são umas coisas mais reles do que as outras, as "de companhia", por isso são legalmente agredidas e servem essencialmente para isso, para serem agredidas.

DAQUI

Ainda no ridículo desta lei, constatamos que a maior parte dos seus apoiantes são os auto-proclamados "defensores dos direitos dos animais" que, na minha opinião, são do piorzinho no que toca a defender os animais, pois atribuem-lhes direitos humanos e não direitos animais que, podendo parecer a mesma coisa, não é e contribui para os agredir praticamente o mesmo que umas pauladas ou uns encontrões. Mas como estes auto-proclamados defensores dão "banho ao cão" todas as semanas e cortam-lhe as unhas com regularidade para o bicho ficar todo janota e "muito limpinho", já não faz mal que o cão se sinta realmente bem é quando se rebola na lama ou desgasta as unhas ao escavar um buraco onde esconder o osso mais precioso. Que se sinta bem e no direito de o fazer quando lhe apetecer e não quando o "dono" assim o decidir e se o decidir. 
Enfim, visões diferentes da mesma realidade e talvez seja mesmo eu que estou errada. Para variar!

DAQUI
Saltando de ridículo em ridículo e aterrando no da guerra em Gaza percebemos que o mesmo Homem dos direitos dos animais "de companhia" (que não são "dos animais" mas "de humanos" e que talvez por isso mesmo não se devessem chamar "direitos") mata indiscriminadamente seres da mesma espécie que fazem parte de uma tal de "Humanidade" por causa de uma coisa super importante que apelida de "religião" e de um ser (ou dois ou três, ou cem) que nem sabe se realmente existe.
Enfim, visões diferentes da mesma realidade e talvez seja mesmo eu que sou fundamentalista e ande a precisar de mudar de óculos. 

Daqui
Por fim, não será difícil esborracharmos a cara no ridículo de uma selfie qualquer, basta haver um único elemento da dita espécie "humanidade", um aparelhómetro que tire fotografias e um ego narcisista às pazadas que, voilà, esta revela-se ao mínimo clic.

DAQUI
*Afinal enganei-me, os pontos ténues são dois e não um, além do "ridículo", há uma sombra quase transparente, que apenas se vê se pusermos uns óculos de infra-vermelhos e que passa facilmente despercebida a qualquer um de nós, diz que se chama qualquer coisa parecida com "Homem" e segundo parece a junção destes dois pontos costuma resultar em selfies. É o que dizem, eu cá não sei de nada!

Comentários

  1. Falta de valores, de se preocuparem com coisas sérias ou o calor, estão a afectar a humanidade e os países que se dizem desenvolvidos, como o nosso.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…