Avançar para o conteúdo principal

Tempo Sem Fim

Cheiro da rua sem escapes
Ar, narinas adentro, até ao fundo
Céu rosa e amarelo lá longe onde a paisagem se faz tela

Saudades da terra e da erva
Saudades dos fios da palha nos dedos

Rua que passa na janela do comboio à distância do vento na face
Boca aberta e língua encortiçada pela pressa da viagem

Saudades do tempo sem fim

Comentários

  1. Gosto do que escreves, mas este não gosto ........ adorei. :) quando se lê entranha se na pele e transporta me para os cheiros e para a visao. Muito bom !

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue