Avançar para o conteúdo principal

Rubrica "O Melhor do Meu Dia"

Aderi a está rubrica, criada pela Catarina Beato, do blogue dias de uma princesa, porque a achei uma boa ideia, positiva, alegre, para cima.
Hoje, cheguei à conclusão que não faz sentido continuar com este sol ali ao lado. Não por achar que a rubrica deixou de fazer sentido, mas porque acho que nunca fez grande sentido neste blogue.
Não sou uma pessoa positiva (pronto não sou, tenho que admitir) e as coisas boas da vida também não me impelem a escrever. Não escrevo só desgraças, é certo, também gosto de escrever humor, amor e outras coisas acabadas em "or", como dor por exemplo, mas "o melhor do meu dia" não é aquilo que me faz pegar na caneta, ou melhor abrir a folha das mensagens do blogger, e desatar a escrevinhar cenas. Não é, pá, pronto!
Por estas razões e por outras, como por exemplo a vontade de fazer remodelações aqui no cantinho-mais-lindo-da-blogosfera, vou retirar o sol dali, ok? 
No heart feelings! Amigos como dantes!

dias de uma princesa

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…