Avançar para o conteúdo principal

Não Batam Mais No Carlitos!

Li por aí várias críticas, tanto à entrevista do Dr. Carlos González, quanto aos comentários do Dr. Mário Cordeiro à mesma entrevista. Para ser sincera não li os comentários do Dr. Mário Cordeiro, apenas a entrevista do Dr. Carlos González e não achei nada de tão terrível na entrevista do espanhol que valesse tamanha exaltação. Antes pelo contrário, concordo com a maior parte das opiniões ali expressas, mas penso que a mensagem ou não foi passada da melhor maneira ou a maior parte das pessoas que a critica sentiu-se picada e começou a defender-se desenfreadamente como se o Carlitos a estivesse a recriminar de algo abominável.

Dividindo a entrevista por temas, escolho os seguintes, que me parecem mais relevantes:
1- Castigos
2- Dormir com os pais
3- Disciplina (qualidade interna versus imposição externa)
4- Creches
5- Importância do instinto na educação
6- Comparação das crianças com adultos

1- Pegando nos castigos, já falei AQUI sobre eles. Acho que está praticamente tudo dito. Concordo com o Carlos, os castigos são inúteis. E são-no porque não ensinam nada. Tal como o Carlos diz, deve haver limites, mas apenas os que são razoáveis e lógicos, e acrescento, os que ensinam alguma coisa às crianças e as protegem. Todos os que resultam de autoritarismos devem ser deitados ao lixo.

2- Quanto a dormir com os pais, não acho que seja necessário, acho que é apenas preguiça dos pais para se levantarem 150 vezes durante a noite. Uns acham que vale a pena cederem à preguiça, que compensa o incómodo de dormirem apertados. Enquanto outros - onde me incluo - preferem levantar-se as 150 vezes por noite e as outras 150 vezes que se deitam poderem realmente dormir, confortáveis e sem estarem sempre a pensar se vão ou não acordar com a criança esmagada. 
Penso que o co-sleeping não é tão centrado naquilo que a criança quer ou precisa quanto nos querem fazer crer, mas que surge mais agarrado aos confortos dos pais do que aos dos filhos. (Atenção, que digo isto baixinho para não ferir susceptibilidades!) E não me parece nada mal assumir-se isso. Não se é melhor ou pior pai/mãe por se dormir com os filhos. É-se apenas mais ou menos preguiçoso. (Eh eh eh, bricadeirinha!) Porém, parece-me que a partir de uma certa idade os filhos precisam de se tornar mais autónomos dos pais e de que essa autonomia pode passar por dormir sozinho.

3- Aqui, mais uma vez, concordo com o Carlitos. A disciplina vem de dentro! Imposta é efémera. 
O que temos de ensinar às crianças é a auto-controlarem-se, não a serem rodeadas de regras e proibições para que estejam controladas. Ou seja, o controle deve ser imposto por elas próprias, com a nossa ajuda, claro, e com regras, claro, mas apenas as estritamente necessárias para que as crianças entendam porque se devem controlar e de que forma o auto-controle as protege.

4- As creches não são realmente o local mais agradável para se entregar um filho de meses, porém são necessárias quando não há mais licença de maternidade ou paternidade que nos valha, nem avós reformados que nos acudam. Podendo escolher, um ambiente familiar e acolhedor é sempre preferível. Acho que aqui não há polémica.

5- O instinto é muito importante na educação dos filhos. Tal como a racionalização e o conhecimento. O ideal é doseá-los todos. E além destes, o exemplo que lhes damos também é muito importante, talvez um dos mais importantes e talvez um dos que mais vezes falhamos.

6- Por favor, o homem só comparou as crianças com adultos para que os adultos percebessem melhor como as crianças funcionam! Segundo parece, não funcionou! Bad choice, 'ma friend!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…